Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-04T12:30:43-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Nas redes

Bolsonaro: esperamos que Previdência não seja muito desidratada

Presidente reafirmou soberania do Congresso em avaliar a reforma, mas que proposta tem que cumprir seus objetivos, gerando mais recursos para emprego, saúde, segurança e educação

7 de março de 2019
19:31 - atualizado às 12:30
Bolsonaro Live FB 070319
Jair Bolsonaro em live no "Facebook". - Imagem: Print FB

Pela terceira vez no dia, o tema reforma da Previdência, esteve nos pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro. No mais recente deles, feito em transmissão no “Facebook”, Bolsonaro disse que o Parlamento é soberano, mas que espera que a proposta “não seja muito desidratada para que cumpra seu objetivo”.

Segundo o presidente, a reforma tem de ser feita não por vontade dele, mas porque “precisamos de reformas”, pois o sistema atual está “mais que deficitário” e não queremos que o Brasil, no futuro, se “transforme em um Grécia”, país que atingiu o “fundo do poço na questão econômica”.

De acordo como presidente, a reforma não pode ser muito desidratada, ou seja, a economia prevista de R$ 1,1 trilhão ao longo de dez anos tem de ser preservada, para que sobre mais recursos para investimentos em emprego, segurança, saúde e educação. “É isso que pretendemos”.

Na semana passada, fala de Bolsonaro sobre o tema desagradou, pois ele falou em reduzir a idades mínima das mulheres e que havia "gordura" para ser queimada no texto.

Combater privilégios

Bolsonaro também disse ter ciência de que a reforma “desagrada” alguns grupos, mas que “vamos combater privilégios” e colocar o Brasil no rumo.

Antes, o presidente tinha lembrado de seu pronunciamento feito pela manhã, na qual confirmou que os militares também farão parte da reforma e que os parlamentares se aposentação no teto no INSS, de pouco mais de R$ 5,8 mil.

Por volta das 17h20, o presidente já tinha tuitado sobre o tema e a reação do mercado à essa mudança de postura foi imediata, com o Ibovespa revertendo perdas e fechando com o dia com leve alta.

A ação nas redes sociais acontece um dia depois de o presidente ganhar o noticiário local e externo com a postagem de um vídeo sobre o carnaval.

Toda a semana

O presidente também anunciou que as lives serão semanais, toda a quinta-feira, por volta das 18h30, como uma forma de falar dos eventos importantes do seu governo e também tirar dúvidas da população. O presidente disse que quer deixar a vida dos brasileiros mais fácil e que vai “desfazer” muita coisa que foi feita de forma “errada” nos últimos 20 anos.

Bolsonaro estava acompanhado do porta-voz da Presidência, general Rêgo Barros, e do ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, mas disse que pode chamar outros ministros a participar.

CNH e BNDES

Na linha de facilitar a vida do cidadão, Bolsonaro confirmou que vai apresentar projeto elevando o prazo de validade da Carteira Nacional de Habilitação (CHN) de cinco para dez anos. E também falou de medidas para reduzir o número de lombadas eletrônicas e multas nas estradas.

O presidente confirmou viagens a Estados Unidos, Israel e Chile, ainda neste mês, e que voltará com resultados concretos em termos de acordos e negociações.

Respondendo a questionamento sobre a “caixa preta” do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Bolsonaro disse que terá aulas com técnicos do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre o tema e que depois falará com o presidente do banco, Joaquim Levy, para que haja mais facilidade e transparência dos dados.

Segundo o presidente, no formato atual, os dados “não atendem” e que apenas economistas seriam capazes de descobrir com facilidade quanto gastamos com o financiamento de obras em Cuba.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies