Menu
2019-09-02T14:57:40-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Pesquisa

Bolsonaro é ruim ou péssimo para 41%, segundo XP Ipespe

Parcela de ótimo ou bom caiu de 33% para 30%. Sobre Amazônia, 44% dos entrevistados desaprovam ações do governo contra queimadas

2 de setembro de 2019
12:15 - atualizado às 14:57
Bolsonaro
Imagem: Alan Santos/PR

Nova rodada da pesquisa XP Investimentos Ipespe captou tendência de aumento na reprovação do governo Jair Bolsonaro. O grupo que considera a administração ruim ou péssima passou de 38% para 41% entre agosto e setembro, enquanto os que veem o governo como ótimo ou bom recuaram de 33% para 30%.

Segundo o relatório da pesquisa, os números confirmam o movimento observado no início de agosto, quando as respostas positivas tinham caído um ponto e as negativas, subido três. Nesta segunda-feira, também saíram os dados da Datafolha, mostrando que a reprovação ao presidente Jair Bolsonaro avançou de 33% para 38%.

Com relação ao restante do mandato, 43% assinalaram ótimo ou bom (44% em agosto), 33% ruim ou péssimo (31% em agosto) e 18% regular (20%). A pesquisa foi feita entre os dias 27 e 29 de agosto, com mil entrevistas de abrangência nacional. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.

Amazônia

A pesquisa foi conduzida na sequência do noticiário a respeito das queimadas na Amazônia. Para 44% dos entrevistados, a ação do governo para combater os incêndios é ruim ou péssima. Outros 26% avaliam a resposta do governo como boa ou ótima.

A ação de fazendeiros ou posseiros é vista como a principal responsável pelas queimadas, com 39% nas menções. Para 13% a responsabilidade maior é das ONGs, como sugerido por Bolsonaro. O próprio governo é apontado como principal responsável por 20%.

Para 70% o Brasil deveria aceitar a ajuda internacional oferecida pelo G7. Ainda que, para 62%, a oferta seja motivada por interesses políticos e econômicos que podem afetar a soberania do país. Só 29% veem a preocupação com a floresta e com a biodiversidade como principal motivação para a ajuda do G7.

Personalidades

Pela quarta vez no ano, os entrevistados atribuíram notas a personalidades políticas. Embora o ministro da Justiça, Sergio Moro, ostente a maior nota entre os personagens testados (6,0), sua avaliação diminui desde janeiro, quando obteve nota 7,3.

Jair Bolsonaro também perdeu pontos, saindo de 6,7 para 5,5. Nos dois casos, é crescente o percentual dos entrevistados que atribuem notas negativas aos dois (0 a 3). De janeiro para agora, essa fatia saltou de 17% para 31% no caso do ministro da Justiça e de 20% para 33% no do presidente da República.

PF e Receita

A pesquisa também mediu a avaliação da relação entre Bolsonaro e os órgãos de fiscalização e controle do país. Para 55%, as decisões do presidente em relação à Polícia Federal e à Receita podem prejudicar investigações e o combate à corrupção. Outros 35% acham que elas não afetam o combate ao crime.

Quando questionados sobre quem, entre Bolsonaro e Moro, mais representa o combate à corrupção, 38% escolhem o ex-juiz, e 24% o presidente. Outros 18% apontam os dois ao mesmo tempo. Para 67% dos entrevistados há alguma sintonia ou muita sintonia na atuação de Moro e Bolsonaro.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

reajuste

Petrobras aumentará gasolina em 4% e diesel em 5% nas refinarias

Este é a segunda elevação de preços em novembro e segue a alta do petróleo no mercado internacional

saúde na bolsa

Bank of America: Com foco em saúde, ação da SulAmérica está barata e tem perspectiva positiva

Para o banco, a companhia opera 70% abaixo do potencial e tem espaço para crescer e se aproximar dos outros players do mercado de saúde

PESSIMISMO

Risco fiscal impede Brasil de aproveitar bom momento dos mercados globais

Rogério Xavier, da SPX Capital, e Carlos Woelz, da Kapitalo Investimentos, criticam duramente falta de interesse em controlar contas públicas

Substituição barrada

Investidores de debêntures da Rodovias do Tietê rejeitam venda da empresa para Latache

Venda para fundo foi rejeitada pelos debenturistas da concessionária, que possui pelo menos R$ 1,5 bilhão em dívidas, a maior parte na mão de pequenos investidores

Termômetro da crise

Pedidos de auxílio-desemprego sobem 30 mil na semana nos EUA, a 778 mil

O total de pedidos da semana anterior foi ligeiramente revisado para cima, de 742 mil para 748 mil.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies