Menu
2019-07-29T19:57:45-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Balanço

Pintou o sete! Lucro do Itaú bate em R$ 7,034 bilhões no segundo trimestre, alta de 10,2%

O número impressiona, mas ficou dentro do esperado pelos analistas. Itaú segue como o mais rentável entre os grandes bancos brasileiros, com um retorno de 23,5% no trimestre

29 de julho de 2019
19:50 - atualizado às 19:57
Banco Itaú
Imagem: Estadão Conteúdo / Itaci Batista

Itaú Unibanco alcançou um novo patamar quando se fala em lucro de bancos. O resultado da maior instituição financeira privada do país bateu nos R$ 7,034 bilhões no segundo trimestre. Trata-se de uma alta de 10,2% em relação ao mesmo período do ano passado.

O número impressiona, mas já era esperado pelos analistas. A projeção média para o lucro do banco era de R$ 7,038 bilhões, de acordo com dados da Bloomberg.

O Itaú também manteve por mais um trimestre a posição de mais rentável entre os gigantes do varejo bancário. O retorno sobre o patrimônio foi de 23,5%, bem acima dos 21,6% obtido no segundo trimestre do ano passado. Se considerarmos apenas as operações do banco no Brasil, a rentabilidade sobe para impressionantes 24,6%.

Mas como o lucro veio apenas dentro do previsto, é possível que a reação dos investidores na bolsa amanhã não seja boa. A seguir eu conto por quê.

Crédito ainda lento

Apesar do lucrão, o crédito segue em um ritmo mais lento que o esperado no Itaú. O banco encerrou junho com R$ 659,7 bilhões em financiamentos, o que representa um avanço de 2% no trimestre e de 5,9% em 12 meses. Ou seja, segue abaixo da projeção de crescimento feita pela instituição para este ano, que varia de 8% a 11%.

As linhas voltadas a pessoas físicas e micro, pequenas e médias empresas continuam puxando o crescimento do Itaú, enquanto que as companhias de maior porte seguem com o pé no freio ou recorrendo a outras opções, como captações no mercado de capitais.

A margem financeira com clientes, que inclui a receita do banco com a concessão de crédito, aumentou 5,8% em relação ao segundo trimestre do ano passado e 6,7% no semestre. Em ambos os casos, também em um ritmo inferior à expectativa de um avanço entre 9% e 12%. De todo modo, o banco manteve todas as projeções para o ano.

Assim como aconteceu com Bradesco e Santander, foi a tesouraria do Itaú que ajudou a engordar as margens, com um resultado de R$ 1,6 bilhão – alta de 17,2% na comparação com o mesmo período de 2018.

Mais provisões

Também chamou a minha atenção o aumento de 12,3% nas despesas para cobrir os custos com crédito, como as provisões para calotes. O banco creditou esse avanço à alta na concessão de crédito para pessoas físicas no período.

A boa notícia é que os índices de inadimplência se mantêm sob controle e encerram junho em 2,9%, uma queda de 0,1 ponto percentual no trimestre e um avanço também 0,1 ponto se comparado com o índice de 12 meses atrás.

Ajudinha da XP

Assim como os concorrentes, o Itaú também vem encontrando dificuldades para ampliar as receitas com tarifas. Os ganhos com prestação de serviços e o resultado com Seguros atingiu R$ 10,7 bilhões, uma alta de 3,5% na comparação com o segundo trimestre do ano passado.

No acumulado do semestre, o avanço nas receitas com serviços foi de 2,3%, mais próximo do piso da projeção do banco para o ano, que varia de entre 2% e 5%.

A compra da participação de 49,9% na XP Investimentos já rende frutos para o maior banco privado brasileiro. Entre os fatores que contribuíram positivamente com as receitas, o Itaú destacou a assessoria econômico-financeira e corretagem, com o impacto do investimento na corretora.

Vai ter PDV

Do lado das despesas, o crescimento foi de 3,3% e atingiu para R$ 12,7 bilhões. A expectativa do banco é de um aumento de 3% a 6% nos gastos neste ano.

Junto com o balanço, o Itaú anunciou o lançamento de um programa de desligamento voluntário (PDV) para todas as empresas controladas pelo banco.

Quem aderir ao programa pode optar por dois pacotes de benefícios:

  1. pagamento de 0,5 salário por ano trabalhado (limitado a 6 salários) e manutenção do plano de saúde por 60 meses;
  2. pagamento de 0,5 salário por ano trabalhado (limitado a 10 salários) e manutenção do plano de saúde por 24 meses.
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Contas analisadas

CMN aprova balanço do Banco Central no 2º semestre de 2019, com lucro de R$ 64,5 bilhões

Com os R$ 21,04 bilhões de lucro no primeiro semestre, o resultado total do ano para a instituição em 2019 foi de R$ 85,57 bilhões

Novidade na área

Caixa confirma parceria om Visa em cartões

Acordo marca o primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos

Ano trágico

Vale tem prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019; provisões e despesas por Brumadinho chegam a US$ 7,4 bilhões

A Vale fechou 2019 com um prejuízo bilionário, fortemente pressionada pelas provisões relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho — efeitos que superaram em muito os ganhos relacionados à valorização do minério de ferro no ano

Gigante do varejo

Carrefour registra lucro líquido a controladores de R$ 636 milhões no 4º trimestre de 2019

Resultado representa uma alta de quase 20% na comparação com o mesmo período do ano anterior

Adiou de vez

Bolsonaro confirma envio de reforma administrativa só depois do carnaval

Presidente disse que a reforma administrativa está “madura”, embora ainda não esteja pronta

Na ponta do lápis

Vale, SulAmérica, Carrefour e B2W: os balanços que movimentam o mercado no pré-Carnaval

Na maratona de balanços anuais de 2019, novos peso-pesados do mercado anunciaram seus números

Retorno maior com juro baixo

Menos liquidez, mais diversificação: como os clientes ricos do Itaú andam investindo

Com juro baixo, clientes private do Itaú vêm reduzindo alocação em renda fixa pós-fixada e migrando para ativos com mais risco de mercado ou liquidez, como ações, multimercados e investimentos de baixa liquidez.

Seu Dinheiro na sua noite

Hoje tem recorde do dólar?

Tem, sim senhor. Em mais um dia sem a presença do Banco Central no mercado, a moeda do país de Donald Trump tirou tinta dos R$ 4,40, mas perdeu um pouco de força e fechou aos R$ 4,391, alta de 0,60%. A alta recente do dólar, um movimento que na verdade começou lá em agosto […]

Sem alívio

Mais uma sessão, mais um recorde: dólar segue em alta e chega pela primeira vez aos R$ 4,39

O mercado de câmbio continuou pressionado pelo coronavírus e pela fraqueza da economia doméstica. Nesse cenário, o dólar à vista ficou a um triz de bater os R$ 4,40, enquanto o Ibovespa caiu mais de 1% e voltou aos 114 mil pontos

Ele fica

Ministro chama de ‘maior mentira’ história de pedido de saída de Guedes

Ruído sobre eventual saída do titular da Economia do governo se espalhou pelos mercados nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements