Menu
2019-06-03T10:49:08-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Ranking

Os melhores e piores investimentos de abril: ativos de risco se destacam por incrível que pareça

Ranking dos melhores investimentos do mês foi liderado por dólar e bolsa; títulos públicos de longo prazo atrelados à inflação tiveram desempenho negativo

1 de maio de 2019
5:33 - atualizado às 10:49
Medalhas de primeiro, segundo e terceiro lugar
Imagem: kovop58/Shutterstock

Em abril, o mercado financeiro brasileiro variou de tenso a parado. Mas, apesar disso, os ativos de risco, por incrível que pareça, foram os melhores investimentos do mês. Dentre os ativos e índices acompanhados pelo Seu Dinheiro, o dólar, o IFIX (índice que acompanha o desempenho dos fundos imobiliários negociados em bolsa) e o Ibovespa tiveram as maiores altas de abril.

Na outra ponta do ranking apareceram os títulos públicos de longo prazo atrelados à inflação. Enquanto os juros futuros mais curtos apresentaram queda, valorizando os prefixados e indexados à inflação de curto e médio prazos, os juros longos tiveram leve alta, penalizando os títulos com vencimento num futuro mais distante. Mesmo assim, os juros futuros não se mexeram muito em abril.

Aplicações de renda fixa conservadora aparecem no meio da lista, com a poupança antiga na liderança, seguida do CDI - taxa de juros que baliza o retorno dos investimentos de baixo risco. A poupança nova e o título público atrelado à Selic tiveram retorno bem mais modesto.

Confira o ranking, que inclui apenas os títulos públicos ainda disponíveis para compra via Tesouro Direto:

Os melhores investimentos de abril de 2019

Melhores investimentos de abril de 2019

Mês de aprovação da reforma da Previdência na CCJ

Abril foi o mês em que a reforma da Previdência, após muito sofrimento, finalmente passou na Comissão de Constituição de Justiça da Câmara (CCJ), apenas a primeira etapa de um longo e tortuoso caminho pelo qual a proposta terá que passar.

Também houve o episódio da intervenção do presidente Jair Bolsonaro na Petrobras, em razão da alta do preço do diesel, que penalizou fortemente as ações da estatal. Ruídos políticos também abundaram em um mês em que a bolsa esteve muito sujeita ao cenário político.

Mesmo assim, a caminhada da reforma da Previdência e o noticiário corporativo, com a temporada de balanços, fizeram o Ibovespa se mover positivamente.

A Selic baixa também contribui para o brilho dos ativos de risco, notadamente dos fundos imobiliários, muito procurados em cenários em que a renda fixa passa a apresentar baixo retorno por conta da taxa básica de juros reduzida.

A reação fraca da atividade econômica contribui para que os ativos de risco se mantenham atrativos perante a renda fixa, uma vez que altas nos juros não estão à vista. Mas o embate em torno da aprovação da reforma da Previdência, que contribui para a economia meio parada, também não ajuda os juros futuros a caírem mais, por ora.

Quem brilhou na bolsa

Entre as ações, os papéis de companhias de alimentos focadas em proteína animal lideraram as altas do mês: BRF (BRFS3), JBS (JBSS3) e Marfrig (MRFG3) tiveram altas de dois dígitos frente às perspectivas de a China passar a comprar mais carne brasileira.

Melhores ações de abril de 2019

Na outra ponta, as ações da Cielo (CIEL3) foram as que mais sofreram, com a concorrência acirrada no setor de pagamentos, que já foi apelidada de "guerra das maquininhas".

Piores ações de abril de 2019

*Atualizado em 02/05/2016 com correção da variação do dólar PTAX.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

FECHAMENTO DA SEMANA

Juros futuros são grandes protagonistas da semana e ainda prometem mais emoção; dólar recua 1% e bolsa fica no vermelho

Com Copom duro e a sinalização de uma possível elevação nas taxas de juros nos EUA, os principais contratos de DI dispararam. Na semana, o dólar recuou com o forte fluxo estrangeiro e a bolsa seguiu o ritmo das commodities (mais uma vez)

Calendário completo

Banco Central: veja as datas das reuniões do Copom em 2022

O Copom é o órgão do BC responsável por definir, a cada 45 dias, a taxa básica de juros da economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies