2019-04-08T14:52:15-03:00
Quebra de expectativas

Fabricante de calçados infantis vê ano mais difícil do que o esperado

Situação da Kidy é um bom retrato do momento que o setor calçadista atravessa; com retração de 2,2% em janeiro e fevereiro, as empresas ainda esperam um resultado positivo para 2019

8 de abril de 2019
13:51 - atualizado às 14:52
Fábrica - Imagem: shutterstock

Com uma projeção de crescimento de 10% nas exportações e de 5% nas vendas internas, a fabricante de calçados infantis Kidy tem passado um ano mais difícil do que o esperado.

"Vendemos para 46 países e estamos conseguindo cumprir as exportações. No mercado doméstico, porém, estamos empatados com o ano passado", diz o diretor de produto, Ramon Lanius.

A situação da Kidy é um bom retrato do momento que o setor calçadista atravessa: com retração de 2,2% em janeiro e fevereiro, as empresas ainda esperam um resultado positivo para 2019.

Em 2018, o volume produzido pelo segmento caiu 1%. "Não existe capacidade de consumo da população. O varejo não movimenta, e o resultado é ruim na indústria também", diz o presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), Heitor Klein.

O executivo espera que o segundo semestre reverta a tendência de queda. Segundo ele, já há alguns sinais de recuperação em marcas mais conhecidas — mas, por ora, o que tem ajudado são as exportações.

Houve um aumento de 15% nos embarques nos três primeiros meses do ano, alavancados sobretudo pelas compras dos Estados Unidos. As vendas para fora, porém, não são suficientes para puxar todo o setor, que reduziu o número de empregos em 3,5% no primeiro bimestre.

A economista Luana Mirana, do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da FGV, disse também esperar uma recuperação da indústria, como um todo, no segundo semestre. "Mas não será nada muito maravilhoso", afirma.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

ECONOMIA X COVID

Economia monitora variante ômicron da covid-19, mas programas de auxílio dependem da PEC dos Precatórios; pasta evita falar em gastos fora do teto

Ministério da Economia evita falar em crédito extraordinário, como acontece nos casos de guerras ou calamidades públicas

Black Friday em números

Varejo cresce 6,3% na Black Friday e vê crescimento de lojas virtuais com e-commerce aquecido; confira dados

Apesar do aumento em relação à Black Friday de 2020, o patamar de faturamento do varejo foi 9,1% inferior ao registrado em 2019

Desdobramentos da crise

Presidente da Latam, Roberto Alvo diz que recusou oferta ‘incompleta’ e ‘insuficiente’ da Azul

O conteúdo dela é confidencial”, afirmou, em entrevista coletiva. Procurada, a Azul não quis comentar

Solana no MB

Exclusivo: Solana (SOL), 5ª maior criptomoeda do mundo, chega Mercado Bitcoin com alta de mais de 12.000% no ano

A quinta maior criptomoeda do mundo vem conquistando o mercado porque se coloca como uma blockchain alternativa ao ethereum (ETH)

Pandemia em curso

Variante ômicron da covid-19 já está em dez países, mas chefe da associação médica da África do Sul vê “sintomas médios” da doença em estudo preliminar

Até o fechamento desta matéria, não haviam informações sobre infecções por essa variante da covid-19 nas Américas