Menu
2019-04-20T16:43:16-03:00
Estadão Conteúdo
Recado dado

Mudança de embaixada brasileira pode resultar em boicote árabe, diz presidente da União das Câmaras Árabes

Representante das indústrias e de empresários da Liga Árabe, Hanafi veio ao Brasil depois de, na semana passada, a Arábia Saudita ter vetado a importação de frango de cinco frigoríficos brasileiros

30 de janeiro de 2019
8:44 - atualizado às 16:43
Khaled Hanafi
Presidente da União das Câmaras Árabes, Khaled Hanafi - Imagem: Reprodução

O presidente da União das Câmaras Árabes, Khaled Hanafi, disse que, se a embaixada brasileira em Israel for transferida para Jerusalém, haverá boicotes a todos os produtos do País por consumidores árabes e os empregos brasileiros sofrerão. O recado foi dado nessa terça-feira, 29, em reuniões com o presidente em exercício, Hamilton Mourão, e a ministra da Agricultura, Teresa Cristina.

Representante das indústrias e de empresários da Liga Árabe, Hanafi veio ao Brasil depois de, na semana passada, a Arábia Saudita ter vetado a importação de frango de cinco frigoríficos brasileiros.

"As pessoas nos países árabes não se sentirão confortáveis com a mudança na embaixada, especialmente os consumidores, e isso pode prejudicar os negócios na região. Uma vez que eles recebam essas informações, ninguém poderá controlar a reação", disse.

Se em um primeiro momento o governo brasileiro tentou desvincular o veto aos frigoríficos brasileiros da questão diplomática, o discurso do presidente da entidade árabe demonstra o contrário. Ele disse que "até agora" o embargo aos produtos brasileiros é feito por questões técnicas e que não há problemas generalizados.

"Temo que essas ações técnicas possam mudar a percepção e a atitude dos consumidores. Não estamos falando apenas de frango, mas de todos os produtos brasileiros."

A ideia da transferência da Embaixada do Brasil de Tel-Aviv para Jerusalém, levantada pelo presidente Jair Bolsonaro durante a campanha presidencial, causou muita polêmica e preocupação, especialmente entre os exportadores de carnes brasileiros, que têm no mundo árabe um importante mercado.

A mudança implica reconhecimento pelo Brasil de Jerusalém como capital de Israel. Porém, os palestinos já reivindicam Jerusalém Oriental como capital de um futuro Estado palestino.

Boicote

Para Hanafi, o simples anúncio de que a embaixada será transferida, mesmo que não concretizado, pode desencadear um boicote que, uma vez iniciado, dificilmente será contido.

"Tivemos experiências com assuntos semelhantes e hoje, com as mídias sociais, isso pode levar as pessoas a reagirem. Alguns produtos foram retirados do mercado por causa de coisas como essa, mesmo produtos muito conhecidos", disse, evitando citar países e produtos. Já houve boicotes de países árabes a marcas como Coca-Cola e McDonald’s no passado.

Nas reuniões com as autoridades brasileiras, os árabes acenaram com o aumento de investimento e do comércio bilateral. Hanafi levou ao governo brasileiro proposta de construir centros de estocagem e distribuição das exportações brasileiras em portos estratégicos em países árabes.

A ideia é criar uma espécie de hub para a distribuição de produtos do Brasil entre esses países. Também há o intuito de manufaturar os produtos na região, como soja e cana-de-açúcar. "Temos de manter e aumentar os negócios entre o Brasil e os países árabes."

Hanafi disse que há um potencial grande de aumento do comércio entre os países árabes e o Brasil, assim como de investimentos e parcerias estratégicas. "A ideia de transferir a embaixada não afeta só os negócios existentes, mas também os em potencial. Estamos falando de bilhões de dólares e milhares de empregos no Brasil."

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Necessidade econômica

Reação do mercado de trabalho na pandemia depende de condição sanitária, diz IBGE

A população ocupada encolheu em 8,373 milhões de pessoas em um ano, enquanto o total de desempregados aumentou em 2,294 milhões.

Subindo

Insumo no atacado tem forte alta em 12 meses, diz FGV

Em 12 meses, registraram a maior alta da série iniciada em agosto de 1995.

Informalidade

País tem taxa de informalidade de 39,5% no trimestre até dezembro, mostra IBGE

Em apenas um trimestre, mais 2,391 milhões de pessoas passaram a atuar como trabalhadores informais

A combinação perfeita

Depois da cerveja e do hambúrguer, Lemann faz grande aposta em educação

Agora, um dos donos da cervejaria ABInBev está no caminho de ter em sua carteira de investimentos, na qual já figuram empresas como Lojas Americanas, Burger King e Kraft Heinz

Banco Central

Superávit nominal do setor público soma R$ 17,928 bi em janeiro, mostra BC

O resultado nominal representa a diferença entre receitas e despesas do setor público, já após o pagamento dos juros da dívida pública

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies