🔴 +35 RECOMENDAÇÕES DE ONDE INVESTIR EM MARÇO – VEJA GRATUITAMENTE

Cotações por TradingView
Estadão Conteúdo
Sinal verde

Bolsonaro não deve mais barrar a Huawei no leilão do 5G no Brasil

Segundo fontes do Palácio do Planalto e do setor de telecomunicações, o banimento da empresa chinesa provocaria um custo bilionário com a troca dos equipamentos

Loja da Huawei
Imagem: Shutterstock

Sob pressão, o governo Jair Bolsonaro não deve barrar a Huawei do leilão do 5G do Brasil. Segundo fontes do Palácio do Planalto e do setor de telecomunicações, o banimento da empresa chinesa provocaria um custo bilionário com a troca dos equipamentos, e ficou ainda mais improvável com a saída do aliado Donald Trump da Casa Branca neste mês.

Um auxiliar do presidente disse que o discurso ideológico contra a empresa chinesa deve ser frustrado na prática. Assim como foi no caso da vacina Coronavac, feita pela chinesa Sinovac, com o Butantan, ligado ao governo de São Paulo, chefiado por João Doria, principal adversário político do presidente. Depois de idas e vindas, o Ministério da Saúde incluiu o imunizante no programa nacional.

A tecnologia 5G é a quinta geração das redes de comunicação móveis. Ela promete velocidades até 20 vezes superiores ao 4G e permite consumo maior de vídeos, jogos e ambientes em realidade virtual. O leilão está previsto para o fim do 1º semestre, e o edital deve ser aprovado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) em fevereiro.

Apenas empresas de telecomunicações poderão adquirir as frequências - como se fossem rodovias no ar em que o sinal será transmitido. A infraestrutura, no entanto, é fornecida primordialmente pela Huawei, pela sueca Ericsson e pela finlandesa Nokia. Só um decreto presidencial poderia banir qualquer empresa.

A Huawei tem sido o principal alvo da diplomacia americana, que defende o banimento mundial da companhia sob a alegação de que atua como um braço de espionagem do Partido Comunista Chinês. Essa visão encontra respaldo da ala ideológica do governo. A Huawei, no entanto, nega as acusações, diz que atua há mais de 20 anos no Brasil e reafirma que nunca registrou nenhum problema de violação de dados nos países em que atua.

Regras

Todas as empresas que comprovarem requisitos de respeito à soberania e privacidade dos dados poderão oferecer equipamentos para a tecnologia 5G no Brasil, disse o vice-presidente Hamilton Mourão em entrevista exclusiva ao Estadão. Ele disse já ter sido mal interpretado pelo próprio presidente ao falar sobre o 5G - no mês passado, chegou a ser desautorizado por Bolsonaro e pelo ministro das Comunicações, Fábio Faria.

"Vamos lembrar que uma coisa é o leilão de frequências, outra coisa é a infraestrutura. Ela tem de ter três vetores claros. Um, é o respeito à nossa soberania. Ou seja, os dados que transitam por ali têm de permanecer ali. Vamos parodiar aquela velha frase de quem vai a Las Vegas: ‘What happens in Vegas, stays in Vegas’ (O que se faz em Las Vegas fica em Las Vegas). Número dois, a privacidade dos nossos dados. E o número três é a economicidade. Então, esses três vetores, se a empresa X ou a empresa Y quer participar da infraestrutura, ela tem se comprovar com transparência, com accountability (prestação de contas), que está aderindo a esses três vetores."

Questionado diretamente se todas as empresas terão direito a participar da tecnologia nas mesmas condições, ele respondeu: "Desde que comprove efetivamente que vai preservar nossa soberania e privacidade de dados dos usuários".

Procurado para comentar as declarações de Mourão, o ministro-conselheiro Qu Yuhui, da Embaixada da China no Brasil, disse que as empresas chinesas já comprovaram confiabilidade, segurança e competitividade. "Não existe nenhum problema para as empresas chinesas cumprirem os critérios", disse ele, ao Estadão/Broadcast.

Em nota, a Huawei reafirmou o compromisso com o cumprimento das leis brasileiras e o respeito à soberania do País. "Estamos confiantes de que a decisão brasileira será tomada com base em critérios técnicos e não discriminatórios, beneficiando o mercado livre e contribuindo para uma rápida transformação digital do Brasil, acessível a todos os brasileiros.", disse ao Estadão/Broadcast o diretor global de cibersegurança da empresa, Marcelo Motta. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Compartilhe

FINANCIAMENTO DE IMÓVEIS

Crédito imobiliário: Caixa vê cenário complexo para captação em 2025 — mas mudança nas regras de emissões das LCIs pode ajudar

3 de março de 2024 - 13:07

O presidente da Caixa, Carlos Vieira, afirmou que o banco está com a captação assegurada para cumprir o orçamento de crédito em 2024

PROCESSO DE SUCESSÃO

A “mão” de Lula? Acionista da Vale (VALE3) quer que mineradora publique ata de reunião que expôs racha sobre quem deve comandar companhia

2 de março de 2024 - 20:01

A Previ pede que a ata “seja tornada pública para todos os acionistas, de forma não sumarizada, em benefício da transparência do processo”

SETOR FINANCEIRO

Cinco maiores bancões do Brasil lucram R$ 107,5 bilhões em 2023 — e presidentes das empresas revelam o que esperar neste ano

2 de março de 2024 - 18:07

O melhor desempenho desses três bancos no ano passado compensou a retração nos números de Bradesco e Santander Brasil

PARCEIRA DA NVIDIA

Como essa ação ligada a inteligência artificial disparou 800% em um ano e conquistou lugar no S&P 500

2 de março de 2024 - 17:01

O papel será adicionado ao S&P 500 antes do início das negociações de 18 de março, substituindo a Whirlpool na carteira do índice

MERCADO DE CAPITAIS

Vem IPO no conglomerado da Cosan (CSAN3)? Ometto planeja abrir capital de “joias esquecidas” do grupo, diz jornal

2 de março de 2024 - 15:40

Segundo O Globo, o presidente da companhia aguarda uma janela de mercado favorável para abrir o capital da Compass — e planeja IPO da Moove no exterior; entenda

IMPASSE ENTRE SÓCIOS

Troca de comando na Vale (VALE3)? Aqui está tudo o que você precisa saber sobre a sucessão de CEO da mineradora até agora

2 de março de 2024 - 12:30

O mandato do atual CEO, Eduardo Bartolomeo, está cada vez mais próximo do fim — e a definição da sucessão do presidente é uma das pendências da mineradora

DUELO DE TITÃS NA BOLSA

Depois das Sete Magníficas, vem aí as “Super Sete”: por que o Citi aposta que as ações da Europa têm mais potencial que as americanas

2 de março de 2024 - 9:03

O banco fez uma avaliação baseada em retorno, múltiplos e preço e concluiu que as ações do Velho Continente podem render bons frutos para quem apostar nelas agora

NO BOLSO DO ACIONISTA

Copel (CPLE6) pode pagar dividendos extraordinários aos acionistas em 2024, mas com uma condição, diz CEO

1 de março de 2024 - 16:25

Para Daniel Slaviero, o ano de 2025 servirá para “extrair bastante valor da operação integrada e ganhar escala nos negócios que tenham bom retorno de capital”

BRIGA DE GIGANTES

Por que Elon Musk está processando a OpenIA, a ‘joia da coroa’ do mercado de inteligência artificial que ele ajudou a fundar?

1 de março de 2024 - 11:17

Musk foi um dos co-fundadores da OpenIA, lá em 2015, porém deixou o conselho da companhia em 2018

REPERFILAMENTO

Casas Bahia (BHIA3) negocia com bancos e consegue mais prazo para pagar R$ 1,5 bilhão em dívidas

29 de fevereiro de 2024 - 19:34

O acordo ainda precisa do sinal verde dos credores, mas, se aprovado, estenderá o vencimento de 69% do endividamento da companhia

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies