Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-04T12:17:41-03:00
Estadão Conteúdo
Movimentações de Queiroz

Caso Coaf não é do governo, diz Mourão

Vice-presidente afirmou que cabe ao filho do presidente Jair Bolsonaro dar as explicações devidas para o caso

21 de janeiro de 2019
8:52 - atualizado às 12:17
hamilton-mourao
Hamilton Mourão - Imagem: Shutterstock

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que o caso envolvendo movimentações financeiras atípicas do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e de seu ex-assessor Fabrício Queiroz não é assunto do governo.

Nesse domingo, 20, o general da reserva assumiu a Presidência da República. É a primeira vez, desde a redemocratização, que um general assume o cargo. O último foi João Figueiredo, que ficou de 15 de março de 1979 a 15 de março de 1985, quando entregou o cargo a José Sarney, encerrando o período da ditadura militar no País.

O vice-presidente afirmou que cabe ao filho do presidente Jair Bolsonaro dar as explicações devidas para o caso. Na sexta-feira, o Jornal Nacional, da TV Globo, mostrou que o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificou cerca de 50 operações atípicas em contas pessoais do senador eleito no total de R$ 96 mil. Para Mourão, o caso não deve ofuscar a primeira viagem internacional do presidente Jair Bolsonaro, que viajou neste domingo para a Suíça.

"O presidente não está tendo de se defender. Quem tem de se defender, se explicar, é o Flávio", declarou Mourão, que fica interinamente na Presidência até sexta-feira, enquanto Bolsonaro estiver no Fórum Econômico Mundial em Davos.

"Esse não é um caso do governo, é um caso da Justiça sobre um senador eleito, que tem o sobrenome Bolsonaro. Vale a regra da expressão militar, 'apurundaso', que quer dizer apurar e punir, se for o caso. É isso que está valendo."

O vice-presidente não quis responder se não era o caso de o presidente "jogar os filhos aos leões", como defendem alguns assessores, para evitar contaminação do seu governo. Mourão disse que, quando apareceu o primeiro caso envolvendo Queiroz, Bolsonaro já disse que este era "um problema do Flávio e não dele". Reconheceu, no entanto, que o assunto pode "até preocupar o presidente, porque é o caso com um filho dele", mas insistiu que este "não é problema do governo".

No Palácio do Planalto, há um grande incômodo com a repercussão do caso. Pessoas próximas ao presidente avaliam que o governo pode ser contaminado, mesmo que o discurso oficial do vice-presidente e de todos os integrantes do primeiro escalão diga o contrário. Assessores ouvidos pela reportagem disseram que não só entre os militares, mas também entre civis, particularmente os ligados ao ministro da Justiça, Sérgio Moro, o desconforto é grande.

Parte desse grupo avalia que, assim com o "pessoal da caserna", emprestou o seu prestígio e credibilidade ao novo governo. Portanto, todas essas críticas e denúncias "têm algum reflexo e que dá margem a especulações políticas".

Agenda

Para contra-atacar a agenda negativa imposta pela repercussão das denúncias, uma ala do governo trabalha em duas frentes. Uma é tentar dissociar o governo dos problemas "pessoais do filho do presidente". A outra é manter a agenda positiva dos dois pilares mais importantes do governo até aqui: o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o titular da Justiça, Sérgio Moro. O objetivo é usar ações das duas pastas para "tentar virar o disco" e impor uma nova agenda pública. Esse grupo acredita que medidas "reais", em benefício da população, poderiam ajudar a tornar o caso Flávio Bolsonaro "menor".

Há uma avaliação dentro do governo de que é necessário evitar gastar capital político com o caso Coaf para não perder poder de fogo nas primeiras votações importantes no Congresso, como a reforma da Previdência. Para isso, os assessores mais próximos do presidente afirmam que ele deve se limitar a dizer que o caso não é problema dele ou do governo. E que, se seu filho cometeu algum erro, tem de pagar por ele.

"Esse problema não mina o capital político do governo. O governo não está usando nada nisso aí para se defender, até porque o governo não está tratando desse assunto. Esse assunto é um problema relacionado, primeiro, ao Queiroz, que foi o primeiro caso que apareceu e, agora, ao próprio Flávio. Eles têm de se explicar", afirmou Mourão.

Para Mourão, houve um "vazamento" de dados do caso para prejudicar o governo. "Cadê os outros da operação Furna da Onça? Cadê a pressão em cima desses caras? Ninguém está em cima destes caras. Estão todos quietinhos. O Ministério Público por exemplo, não vaza nada em relação a isso. O Ministério Público só vaza o que é em relação ao Flávio", afirmou.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Balanço do mês

Bitcoin, ouro e dólar se recuperam em julho, enquanto bolsa é um dos piores investimentos do mês

Fundos imobiliários também se saíram bem, depois que tributação dos seus rendimentos foi retirada da reforma do imposto de renda

próximos anos

Eletrobras aprova em conselho plano de negócios com desinvestimentos de R$ 41 milhões

Entre as medidas previstas está a avaliação de oportunidades para efetuar a gestão dos passivos provenientes de dívidas do Sistema Eletrobras

temporada de resultados

Lucro da Alpargatas, dona da marca Havaianas, cresce 228,7%, R$ 111 milhões

Receita líquida da companhia saltou 71,4% sobre igual intervalo de 2020, para R$ 1,095 bilhão, ao mesmo tempo em que os volumes registraram crescimento de 57%

seu dinheiro na sua noite

As corridas da bolsa e do dólar — e a frustração dos investidores na linha de chegada de julho

Nove em cada dez operadores do mercado financeiro juram, de pés juntos, que o último pregão do mês costuma ser positivo. Ora essas, é a data limite para o fechamento das lâminas de desempenho mensal dos fundos e das carteiras de investimento — e é claro que todo mundo quer estampar o melhor resultado possível. […]

decisão temporária

CVM suspende oferta de recebíveis que financiaria cooperativas do MST

Decisão da autarquia vale por 30 dias; CVM diz que a oferta não apresenta informações consideradas essenciais para os investidores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies