2019-02-28T15:17:12-03:00
Marina Gazzoni
Marina Gazzoni
CEO do Seu Dinheiro. É CFP® (Certified Financial Planner). Tem graduação em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e MBA em Informação Econômico-Financeira e Mercado de Capitais no Instituto Educacional BM&FBovespa. Foi Diretora de Conteúdo e editora-chefe do Seu Dinheiro, editora de Economia do G1 e repórter de O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo e do portal IG.
BALANÇO FINANCEIRO DE 2018

Voos da Gol ficam mais caros, cheios e lucrativos no 4º trimestre de 2018

Além de fechar 2018 com chave de ouro, a companhia também prevê um índice de endividamento menor, além de margem Ebitda e lucro por ação superiores em 2019 e 2020. Uma ótima notícia para o acionista.

28 de fevereiro de 2019
9:12 - atualizado às 15:17
Imagem: shutterstock

Os olhos dos acionistas vão brilhar com os resultados da Gol no quarto trimestre do ano passado divulgados nesta quinta-feira (28) pela manhã. A companhia conseguiu voar com aviões mais cheios e elevar o preço da passagem aérea no período entre outubro e dezembro de 2018.

O resultado final foi um lucro líquido de R$502,4 milhões no quarto trimestre, bem acima dos R$ 4,1 milhões registrados no mesmo período de 2017. No ano inteiro, a empresa ainda fechou no vermelho, com prejuízo de R$ 780 milhões, puxado principalmente por perdas com variação cambial nos trimestres anteriores.

O desempenho da Gol foi melhor que a encomenda. O mercado esperava um lucro de R$ 292 milhões no quarto trimestre, de acordo com projeções de analistas financeiros consultados pela Bloomberg. Além de fechar 2018 com chave de ouro, a companhia também divulgou nesta manhã suas estimativas revisadas para 2019 e 2020. A companhia passou a prever um índice de endividamento menor, além de margem Ebitda e lucro por ação superiores nos dois anos. Uma ótima notícia para o acionista.

Um gás na receita

Os números da Gol mostram que a demanda por passagem aéreas está voltando no Brasil. A companhia transportou 8,9 milhões de passageiros no último trimestre do ano, uma alta de 3,4% em relação ao mesmo período de 2017. A companhia área cobrou, em média, R$ 0,2914 por passageiro por cada quilômetro voado (yield), um 6,6% acima do praticado um ano antes. Ou seja, a Gol conseguiu corrigir os preços acima da inflação no período. A tarifa média cobrada pela empresa foi de R$ 334, contra 313 no ano anterior.

A empresa conseguiu lotar de passageiros seus 121 aviões, que saíram com uma taxa de ocupação média de 81,9%, um valor acima do praticado anteriormente.

Custos sob controle

No lado dos custos, a Gol continuou a corte. O CASK, que é o indicador que mede o custo por assento da empresa, caiu 2% no quarto trimestre de 2018, para R$ 0,2022. A redução ocorreu em um período em que a companhia sentiu uma pressão nas despesas com combustível, que aumentaram em 37% no período diante do aumento da cotação do barril de petróleo.

O câmbio, fator importante na composição de custos da companhia, deu um alívio no fim do ano e até rendeu receitas financeiras para a Gol. Em todo o ano de 2018, o apreciação do dólar afetou o resultado da Gol e contribuiu para uma elevação de 4,2% no custo por assento anual.

Margem e lucro em alta

Com receitas maiores e custos controlados, a companhia conseguiu aumentar sua margem Ebitda, para 26,6% no quarto trimestre, um acréscimo de 8,4 pontos percentuais na comparação trimestral.

Céu de brigadeiro na 'previsão do tempo'

A perspectiva da Gol para os anos de 2019 e 2020 foi revisada nesta quinta-feira e ficou mais positiva. No conjunto de projeções para oferta de voos, custos, tamanho e ocupação da frota, margens de investimentos e endividamento, alguns números foram alterados - para melhor. São eles:

  • Preço do combustível: a Gol esperava gastar R$ 2,8 e R$ 2,9 por litro em 2019 e 2020, respectivamente. Os números foram alterados para R$ 2,8 e R$ 2,9/litro.
  • Margem Ebitda, Ebit e Lair: a estimativa para margens subiu nos 3 indicadores. A margem Ebitda, por exemplo, prevista para 2019 saltou de 27% para 28%; em 2020, a nova projeção é de 29%, contra 28% anteriormente.
  • Dívida líquida/Ebitda (em vezes): Caiu de 3 vezes para 2,9 em 2019 e de 2,5 para 2,4 vezes.
  • Lucro por ação diluído: a faixa estimava subiu do intervalo de R$ 2,20 a R$ 2,60 para R$ 2,40 a R$ 2,80 em 2019; para 2020, a nova projeção é R$ 2,80 a R$ 3,3, contra R$ 2,60 a R$ 3,10.

De acordo com a Gol, "as projeções estão ajustadas para refletir as recentes variações nos preços do petróleo, a redução nos impostos sobre o querosene de aviação, a
apreciação do real versus o dólar americano e os resultados decorrentes da aceleração da incorporação das aeronaves 737 MAX na frota da GOL."

Os novos modelos Boeing 737 MAX 8 são 15% mais econômicos que a geração anterior. A Gol já voa com 6 deles e anunciou um plano para acelerar a troca de modelos no fim do ano passado.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Fechamento Hoje

Tensão entre Rússia e Ucrânia e expectativa com reunião do Fed derrubam bolsas pelo mundo, e Ibovespa cai quase 1%, mas NY vira para o azul na reta final

Wall Street consegue uma virada impressionante e fechar em alta, depois de índices terem chegado a cair mais de 3%; Ibovespa reduziu perdas, mas ainda fechou com queda significativa, enquanto dólar subiu

NOVOS NEGÓCIOS

Google está de olho nas criptomoedas e vai criar unidade de negócio dedicada ao blockchain; entenda o que está por trás da decisão

Antes de se aventurar, gigante de tecnologia assistiu com cautela as movimentações das concorrentes para entrar no mercado de criptomoedas

MELHORA ARTIFICIAL

Pedidos de recuperação judicial caem em 2021 ao menor nível desde 2014

Para os especialistas os números do ano passado não representam uma recuperação econômica, mas uma melhora artificial no ambiente de negócios promovida por políticas públicas pontuais

APOSTA NA SIDERURGIA

A vez da Usiminas: BTG estima alta de mais de 55% para USIM5 nos próximos meses; saiba o que pode impulsionar as ações

Segundo os analistas, a empresa negocia nos múltiplos mais baixos da década e deve surfar na recuperação dos preços do aço