2019-06-12T11:12:25-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Gestoras

Conhecido pela cautela, Fundo Verde fala em excesso de pessimismo local

Casa comandada por Luis Stuhlberger também enxerga aumento na probabilidade de uma reforma da Previdência robusta, algo que tranquiliza os mercados

12 de junho de 2019
7:46 - atualizado às 11:12
Luis Stuhlberger, gestor do fundo Verde - Imagem: Leo Martins

A carta de gestão do Fundo Verde, de Luis Stuhlberger, traz uma avaliação pouco comum para uma casa que é conhecida pela cautela e até mesmo certo ceticismo. A gestora vê um “excesso de pessimismo com crescimento econômico” no mercado local e um aumento na probabilidade de uma reforma da Previdência robusta.

Segundo a carta referente ao mês de maio, obviamente o país não está imune à incerteza global, mas dada a volatilidade dos últimos meses e o posicionamento menor dos investidores, a dinâmica local ainda deve ser dominante.

Em função dessa avaliação de excesso de pessimismo, a casa se diz confortável com as posições que carrega no mercado de ações, apesar da alta recente. “O fundo aproveitou a volatilidade da primeira metade do mês para voltar a aumentar sua posição em ações brasileiras”, diz o documento.

Outra gestora conhecida pela postura mais cautelosa, a SPX, de Rogério Xavier, também reconheceu melhora no ambiente político e na chance de aprovação da reforma, mas o fundo mantém posição neutra no mercado de ações.

O ganho de 1,28% no mês, contra 0,54% do CDI, veio justamente das posições em ações e juro real. Já as perdas ocorreram nas posições com juros americanos e na posição libra contra euro.

A carta afirma que houve redução substancial da posição em bolsa americana. A posição aplicada em juro real no meio da curva segue estável, assim como a posição tomada em inclinação de juros nos EUA. E a posição em libra esterlina foi aumentada, dada a volatilidade política que impactou os preços.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Incerteza externa

Na avaliação da gestora, a incerteza sobre crescimento global é hoje a variável mais difícil na formação de preço dos ativos.

O período mostrou um recrudescimento da guerra comercial liderada pelo presidente Donald Trump, com “redução substancial” da probabilidade de um acordo com a China, e inesperada ameaça de tarifas ao México. Além disso, os indicadores mais recentes de crescimento industrial pelo mundo indicam contínua desaceleração.

Com esse conjunto de notícias negativas, os mercados de juros, especialmente nos Estados Unidos, passaram a precificar uma série de cortes de juros, e ativos de risco tiveram correções importantes.

“Não vemos sinais no curto prazo de melhora, e tememos que os cortes de juros não sejam suficientes para amortecer o choque tarifário. Isso nos leva a manter exposição a ativos de risco globais reduzida”, diz a carta.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro recua com novos temores sobre a covid-19 no mundo e dólar também cai

Os investidores permanecem de olho na votação da PEC dos precatórios na CCJ do Senado, marcada para esta terça-feira (30)

O melhor do Seu Dinheiro

Ômicron de “A” a “Z”, dividendos, balanço da Black Friday e outros destaques

A variante ômicron recebeu este nome para evitar maiores conflitos de linguagem, mas Matheus Spiess vai além da semântica em sua análise

A BOLSA HOJE

Esquenta dos mercados: notícia sobre possível baixa eficácia das vacinas contra ômicron derruba mercados, em dia de discurso de Powell e votação dos precatórios

O investidor local ainda permanece de olho nas falas de Roberto Campos Neto e Paulo Guedes em eventos separados hoje

SÓ NO SAPATINHO

Dividendos: Arezzo (ARZZ3) vai distribuir R$ 60 milhões aos acionistas; veja como participar

Serão R$ 33,78 milhões em JCP e R$ 26,22 milhões em dividendos a serem depositados até 31 de janeiro de 2022

INCERTEZAS NO RADAR

CEO da Moderna levanta dúvidas sobre eficácia de vacinas contra a ômicron e provoca reação negativa nos mercados

Stéphane Bancel disse que cientistas consultados por ele esperam ‘queda significativa’ na eficácia dos imunizantes contra a nova cepa