Menu
2019-08-23T14:45:41-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.

Presidente do Fed fala em atuar de maneira apropriada para sustentar a economia. Bolsas ensaiaram melhora, mas voltaram a cair

Em esperado discurso, Jerome Powell, também afirma que não existe um guia para lidar com guerras comerciais. Trump não gosta e pergunta se maior inimigo é Powell ou o presidente da China

23 de agosto de 2019
12:09 - atualizado às 14:45
Jerome Powell Fed
Presidente do Fed, Jerome Powell. - Imagem: Federal Reserve

O presidente do Federal Reserve (Fed), banco central americano, Jerome Powell, usou palavras novas para reforçar uma mensagem já conhecida: Não há um caminho predeterminado. Os próximos passos com relação à taxa de juros seguem dependendo dos dados sobre atividade e inflação.

Em um primeiro momento, o mercado enxergou um tom mais “dovish”, ou inclinado à redução de juros, e o ritmo queda dos índices em Wall Street se reduziu com a divulgação do discurso. Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq, que caíram cerca de 0,5%, refletindo a retaliação chinesa às tarifas americanas, chegaram a operar próximos da estabilidade ou com leve alta, mas agora voltam a cair com força. Por aqui, o Ibovespa chegou a reduzir as perdas, mas também voltou a mergulhar, caindo 1,48%, aos 98.528 pontos. Motivo: o ataque violento de Donald Trump a Powell e à China (veja abaixo).

O trecho do discurso que o mercado correu para ler e que é destaque nos sites de finanças ao redor do mundo diz que “estamos observando cuidadosamente” os desenvolvimentos de um cenário que se tornou mais incerto nas últimas semanas e que “vamos atuar de forma apropriada” para sustentar a expansão da economia, com um mercado de trabalho forte e inflação ao redor da meta de 2%.

Powell falou que desde a reunião de 31 de julho, apareceram novas evidências de desaceleração global, notadamente na Alemanha e na China, e que os eventos geopolíticos têm dominado o noticiário, como o Brexit, as tensões em Hong Kong e a dissolução do governo na Itália.

“Os mercados financeiros reagiram fortemente a esse quadro complexo e turbulento. Os mercados acionários têm sido voláteis. As taxas dos títulos de longo prazo em todo o mundo caíram acentuadamente para níveis próximos do pós-crise”, disse.

No entanto, ponderou Powell, a economia americana continua apresentando boa performance, puxada pelos gastos do consumidor. A criação de empregos está menor, mas ainda acontece em velocidade superior ao crescimento da força de trabalho. E a inflação parece estar se deslocando para próximo dos 2%.

Guerra Comercial

Segundo Powell, encaixar o contexto de guerra comercial dentro do trabalho do Fed tem sido um grande desafio. A definição de uma política comercial, lembrou o presidente, é trabalho do Congresso e do Executivo, não do Fed, que tem seu próprio mandato de inflação baixa e pleno emprego.

Em tese, disse Powell, qualquer coisa que afete a inflação e o emprego também afeta a estância apropriada de política monetária, “e isso pode incluir incertezas sobrea política comercial”.

No entanto, ponderou, não há precedentes para guiar nenhuma resposta da política monetária à situação atual. Powell enfatiza isso ao dizer que não há um guia (rulebook) para lidar com o problema comercial.

“O que podemos fazer é tentar olhar além do que pode ser um evento passageiro, focar em como as questões comercial estão afetando as perspectivas e ajustar a política monetária para promover os nossos objetivos”, disse.

Trump não gostou...

A reação do presidente Donald Trump foi quase imediata. Em seu "Twitter", Trump voltou a atacar o presidente do Fed e disse que sua única dúvida é: "quem é nosso maior inimigo, Jay Powell ou o presidente Xi?"

Não satisfeito, Trump foi para cima da China com grande agressividade, dizendo que os chineses roubam propriedade intelectual e que "Nós não precisamos da China, francamente estaríamos melhor sem eles", que o "roubo" de bilhões de dólares tem de parar. Trump também falou que iria responder às tarifas impostas hoje pela china na tarde de hoje. Aguardemos.

 

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Sobe sem parar

Quebrando recordes: dólar fecha em alta e chega a R$ 5,26, nova máxima nominal de encerramento

O dólar à vista renovou mais uma vez os recordes de fechamento, pressionado pela cautela vista no exterior em relação aos impactos do coronavírus nos EUA

Visão global de carteira

Em carta, gestora de fortunas TAG se mostra construtiva para ações e NTN-B, mas nem tanto para multimercados

Na sua carta do mês de março, TAG Investimentos demonstra visão positiva para a renda variável, sobretudo ações domésticas, bem como para NTN-B de longo prazo; mas se mostra muito mais cautelosa em relação a fundos multimercados e de crédito privado local

Resiliência

Fundos de ações resistem ao choque e captam R$ 7,65 bilhões entre 1º e 27 de março

Fundos de investimento registraram resgates líquidos de R$ 19,6 bilhões entre os dias 1º e 27 de março, período que compreende o agravamento da tensão dos mercados em meio à pandemia do coronavírus

Fuga

Saída de dólar supera entrada em US$ 10,791 bilhões no ano até dia 27 de março, diz BC

Fluxo cambial do ano até 27 de março ficou negativo em US$ 10,791 bilhões, diz BC; em igual período de 2019, resultado era positivo em US$ 4,444 bilhões

Medidas sociais

PEC do orçamento de guerra é assinada por Rodrigo Maia e outros 7 deputados

PEC que cria o Orçamento de Guerra já tramita na Câmara. Ela é assinada pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e outros sete deputados

Sem dividendos

Autoridade bancária europeia pede que bancos não paguem dividendos

Autoridade diz que apoia medidas tomadas até agora para garantir que os bancos tenham uma base de capital robusta e deem o apoio necessário à economia

UM DOS TRADERS MAIS EXPERIENTES DO BRASIL

Por que decidi voltar a investir na Bolsa aos 80 anos e após 25 anos fora do mercado

Após um quarto de século, volto para a Bolsa. Como não tenho necessidade imediata de dinheiro, simplesmente tenho certeza de que vou ganhar.

medidas anticrise

Governo anuncia R$ 51 bi para complementar salário de quem tiver jornada menor

Uma medida provisória com ações na área de trabalho e emprego deve ser enviada ao Congresso até quinta, 2, de acordo com o Palácio do Planalto

emergência

Bolsonaro diz que sanciona nesta quarta-feira auxílio a informais

Valores serão pagos durante três meses, podendo ser prorrogados enquanto durar a calamidade pública devido à pandemia do novo coronavírus

outro rumo

Saída de capital de emergentes registrou recorde de US$ 83,3 bi em março, diz IIF

Diferentemente de janeiro e do início de fevereiro, quando as saídas de capital foram restritas aos emergentes da Ásia, no mês passado houve fluxos de saída recorde em todas as regiões de emergentes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements