Menu
2019-08-23T14:45:41-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.

Presidente do Fed fala em atuar de maneira apropriada para sustentar a economia. Bolsas ensaiaram melhora, mas voltaram a cair

Em esperado discurso, Jerome Powell, também afirma que não existe um guia para lidar com guerras comerciais. Trump não gosta e pergunta se maior inimigo é Powell ou o presidente da China

23 de agosto de 2019
12:09 - atualizado às 14:45
Jerome Powell Fed
Presidente do Fed, Jerome Powell. - Imagem: Federal Reserve

O presidente do Federal Reserve (Fed), banco central americano, Jerome Powell, usou palavras novas para reforçar uma mensagem já conhecida: Não há um caminho predeterminado. Os próximos passos com relação à taxa de juros seguem dependendo dos dados sobre atividade e inflação.

Em um primeiro momento, o mercado enxergou um tom mais “dovish”, ou inclinado à redução de juros, e o ritmo queda dos índices em Wall Street se reduziu com a divulgação do discurso. Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq, que caíram cerca de 0,5%, refletindo a retaliação chinesa às tarifas americanas, chegaram a operar próximos da estabilidade ou com leve alta, mas agora voltam a cair com força. Por aqui, o Ibovespa chegou a reduzir as perdas, mas também voltou a mergulhar, caindo 1,48%, aos 98.528 pontos. Motivo: o ataque violento de Donald Trump a Powell e à China (veja abaixo).

O trecho do discurso que o mercado correu para ler e que é destaque nos sites de finanças ao redor do mundo diz que “estamos observando cuidadosamente” os desenvolvimentos de um cenário que se tornou mais incerto nas últimas semanas e que “vamos atuar de forma apropriada” para sustentar a expansão da economia, com um mercado de trabalho forte e inflação ao redor da meta de 2%.

Powell falou que desde a reunião de 31 de julho, apareceram novas evidências de desaceleração global, notadamente na Alemanha e na China, e que os eventos geopolíticos têm dominado o noticiário, como o Brexit, as tensões em Hong Kong e a dissolução do governo na Itália.

“Os mercados financeiros reagiram fortemente a esse quadro complexo e turbulento. Os mercados acionários têm sido voláteis. As taxas dos títulos de longo prazo em todo o mundo caíram acentuadamente para níveis próximos do pós-crise”, disse.

No entanto, ponderou Powell, a economia americana continua apresentando boa performance, puxada pelos gastos do consumidor. A criação de empregos está menor, mas ainda acontece em velocidade superior ao crescimento da força de trabalho. E a inflação parece estar se deslocando para próximo dos 2%.

Guerra Comercial

Segundo Powell, encaixar o contexto de guerra comercial dentro do trabalho do Fed tem sido um grande desafio. A definição de uma política comercial, lembrou o presidente, é trabalho do Congresso e do Executivo, não do Fed, que tem seu próprio mandato de inflação baixa e pleno emprego.

Em tese, disse Powell, qualquer coisa que afete a inflação e o emprego também afeta a estância apropriada de política monetária, “e isso pode incluir incertezas sobrea política comercial”.

No entanto, ponderou, não há precedentes para guiar nenhuma resposta da política monetária à situação atual. Powell enfatiza isso ao dizer que não há um guia (rulebook) para lidar com o problema comercial.

“O que podemos fazer é tentar olhar além do que pode ser um evento passageiro, focar em como as questões comercial estão afetando as perspectivas e ajustar a política monetária para promover os nossos objetivos”, disse.

Trump não gostou...

A reação do presidente Donald Trump foi quase imediata. Em seu "Twitter", Trump voltou a atacar o presidente do Fed e disse que sua única dúvida é: "quem é nosso maior inimigo, Jay Powell ou o presidente Xi?"

Não satisfeito, Trump foi para cima da China com grande agressividade, dizendo que os chineses roubam propriedade intelectual e que "Nós não precisamos da China, francamente estaríamos melhor sem eles", que o "roubo" de bilhões de dólares tem de parar. Trump também falou que iria responder às tarifas impostas hoje pela china na tarde de hoje. Aguardemos.

 

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

BANCÕES EM ALTA

Lucro do Banco do Brasil sobe 44,7% no 1º trimestre e atinge R$ 4,9 bilhões

O Banco do Brasil (BB) registrou lucro líquido ajustado de R$ 4,9 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 44,7% maior que os R$ 3,4 bilhões reportados em igual período de 2020 e 32,9% superior ao resultado obtido nos últimos três meses do ano passado. “O lucro recorde para um trimestre é resultado de uma estratégia […]

Vol é vida?

Lucro líquido da B3 cresce 22,5% e atinge R$ 1,25 bi no 1º trimestre

O lucro líquido recorrente atingiu R$ 1,4 bilhão, alta de 15,5% frente ao mesmo período do ano passado e de 15,2% na comparação com o trimestre anterior

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O Carnaval fora de época da Ambev e mais…

O varejo tem várias datas importantes: dia das mães, dia dos pais, dia das crianças, dia dos namorados, Black Friday, Natal… Há uma data comemorativa em quase todos os meses, e todas são aguardadas com ansiedade pelo setor — afinal, qualquer impulso nas vendas é bem vindo. Pois para a Ambev, a coisa funciona um […]

FECHAMENTO DO DIA

Balanços e commodities metálicas ditam o ritmo e Ibovespa fecha em alta; dólar volta à casa dos R$ 5,20

Com a agenda de indicadores fracas e um Copom sem grandes surpresas, os investidores se debruçaram nos números do trimestre e no novo recorde do minério de ferro.

Queda no apetite

Fed sinaliza risco de tombo nos preços de ativos em relatório de estabilidade

O banco central dos EUA demonstrou preocupação com um possível declínio no apetito ao risco dos investidores norte-americanos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies