Menu
2019-08-21T15:38:15+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Meio de ciclo

Ata do Fed reforça que não há caminho predeterminado para corte de juro

Documento também mostra maior discussão dentro do colegiado, com dois membros defendendo corte de meio de ponto

21 de agosto de 2019
15:36 - atualizado às 15:38
Jerome Powell, presidente do Fed
Imagem: Federal Reserve

Os membros do Federal Reserve (Fed), banco central americano, encararam o corte de juro de 0,25 ponto anunciado no mês passado como uma recalibragem da política monetária ou um “ajuste de meio de ciclo” e não discutiram abertamente qual seriam os próximos passos. A preferência é por manter graus de liberdade para tomada de decisão.

A avaliação está na ata do encontro, divulgada nesta quarta-feira, que também nos mostrou que dois membros mostram preferência por corte de meio ponto. O documento, no entanto, tem parte de sua importância eclipsada pela expectativa com a fala do presidente Jerome Powell, na sexta-feira, no simpósio de Jackson Hole. Desde a reunião de 31 de julho, as tensões entre EUA e China se acentuaram, como também os ataques de Donald Trump à instituição.

A reação dos mercados foi brevemente positiva. Até a divulgação do documento, o Dow Jones subia cerca de 1%, e o S&P 500 e o Nasdaq avançavam 0,8%, cada, percentuais que pouco se alteraram até o momento.

Na parte do documento que traz as discussões sobre a condução da política monetária, a avaliação que prevaleceu no colegiado foi a de que seria necessário passar uma mensagem de que a atuação será guiada pelos dados e suas implicações para o futuro da economia, evitando a percepção de que o Fed tem um caminho já desenhado.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Divergências de avaliação

Os dois participantes que cogitaram um corte de meio ponto, defenderam uma ação mais firme para lidar com a inflação, que segue consistentemente abaixo da meta de 2%. Para eles, a economia real teria de ficar ainda mais aquecida para acelerar a convergência da inflação à meta.

O resultado da reunião, foi corte de 0,25 ponto, para 2% a 2,25% ao ano, com dois diretores votando abertamente pela manutenção (Esther George e Eric Rosengren).

Quem defendeu estabilidade, apontou que a economia segue em um “bom lugar”, impulsionada pela confiança e mercado de trabalho forte. Além disso, o comportamento dos preços seria condizente com inflação de 2%.

Por fim, “alguns” participantes expressaram preocupação com o fato de que um maior afrouxamento monetário poderia elevar os riscos à estabilidade financeira em alguns setores da economia. Eles também argumentaram que o um corte poderia passar uma mensagem errada sobre o real estado da economia americana.

A redução do juro foi vista como algo que melhor posicionaria a economia americana para lidar com os efeitos do menor crescimento global e das incertezas trazidas pela guerra comercial. Pontos que já tinha sido bem enfatizados por Powell na entrevista concedida após a decisão de julho.

Agora é aguardar os próximos tuítes de Trump.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Será que cai mais?

Na contramão do mercado, Itaú mantém projeção para Selic em 5,0% no fim do ano

Segundo relatório da instituição, o banco seguirá observando os dados para a inflação e a taxa de câmbio do Banco Central para decidir por uma nova reavaliação

'impacto nulo'

Relator da reforma da Previdência apresenta novo parecer e acata apenas uma das 77 emendas

Emenda acatada retira do texto ponto que obrigava os servidores que entraram antes de 2003 a contribuírem por 35 anos, no caso dos homens, e 30 das mulheres, para ter direito à totalidade de gratificação por desempenho

Startup

Airbnb quer se hospedar na bolsa e anuncia planos para oferta de ações em 2020

Empresa que conecta usuários interessados em alugar apartamentos ou quartos por temporada com os proprietários foi avaliada em mais de US$ 30 bilhões

Negócio fechado

Superintendência do Cade aprova operação entre Allianz e Sul América Seguros

De acordo com informações do parecer, para a realização da operação, o negócio-alvo da Salic será transferido para a Sapi, que será adquirida pela Allianz Seguros e a Sasp será adquirida pela Allianz do Brasil Participações Ltda

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Giro dos BCs

Banco da Inglaterra decide manter taxa básica de juros em 0,75% ao ano

Inflação medida pelo índice de preços ao consumidor (CPI), que desacelerou para 1,7% anual em agosto, deve permanecer ligeiramente abaixo da meta de 2% no curto prazo, espera o BoE

Day after

Ibovespa sobe aos 105 mil pontos após decisões do Copom e do Fed; dólar avança

O Ibovespa reage positivamente às indicações do Copom, chegando a tocar o nível dos 106 mil pontos na máxima. O dólar à vista, por outro lado, segue pressionado e é negociado a R$ 4,14

Novidade na área

Toyota anuncia investimento de R$ 1 bi em fábrica de SP para produzir novo carro

Na unidade já são produzidos os modelos Etios e Yaris. Detalhes sobre o novo carro e a data de lançamento não foram divulgados

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

E a Magalu? Quem pegou, pegou, pegou…

Se tem uma empresa que fez a alegria dos seus investidores nos últimos anos foi o Magazine Luiza. Em 2015, o valor de mercado da varejista foi abaixo de R$ 200 milhões, um valor pífio comparado ao atual, acima de R$ 50 bilhões. Quem comprou os papéis do Magalu teve bons motivos para sorrir. Também se […]

Crise no Oriente Médio

Arábia Saudita procura importar petróleo para manter exportações, dizem fontes

De acordo com fontes, o país também consultou o Iraque sobre o possível fornecimento de até 20 milhões de barris de petróleo bruto para manter suas refinarias abastecidas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements