Menu
2019-06-21T19:02:53-03:00
Estadão Conteúdo
Quem manda na taxa sou eu

Mercado dizer onde quer a taxa de juros não nos força a agir, diz dirigente de Fed

Presidente da distrital de Nova York, John Williams, disse acreditar que a política monetária está em tom neutro

6 de junho de 2019
15:42 - atualizado às 19:02
Fed banco central americano
Sede do Federal Reserve (Fed) - Imagem: Federal Reserve

O presidente da distrital de Nova York do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), John Williams, reconheceu estar "claro" para onde os mercados "querem" que a taxa básica de juros vá. "Mas isso não nos força a agir" de acordo com essa visão, afirmou nesta quinta-feira em evento no Conselho para Relações Exteriores, em Nova York.

Tratou-se de uma resposta à pergunta de um membro da plateia sobre se, no cenário de, daqui a um ano, a ponta longa da curva de juros ainda estar abaixo dos atuais juros básicos - estes na faixa entre 2,25% e 2,50% -, o Fed não passaria a estar com uma política monetária "apertada demais" e se veria obrigado a cortá-la.

Antes do questionamento, Williams havia confirmado que a atual inversão da curva de juros dos Treasuries na porção entre a T-bill de 3 meses e a T-note de 10 anos é "um dos vários fatores" que ele monitora ao pensar em política monetária.

"Minha visão é que estamos no nível neutro", comentou Williams sobre a atual taxa. "No mundo atual, pode ser que tenhamos de manter as taxas (básicas) ou pode ser que tenhamos de ajustá-las."

Segundo o presidente do Fed de Nova York, a política monetária está atualmente em uma fase em que ela não pode ser "tão firme".

Sobre a economia americana, Williams revelou ter um cenário-base de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de entre 2% e 2,25% em 2019.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

gestão segue independente

Holding do BTG Pactual compra consultoria de energia PSR

Um dos principais objetivos da parceria é propiciar a expansão da companhia no mercado global de energia

recursos contra a doença

Câmara aprova liberação de R$ 1,9 bilhão para compra de vacinas contra Covid-19

Dinheiro vai custear contrato entre a Fiocruz, vinculada ao Ministério da Saúde, e o laboratório AstraZeneca; recursos virão da emissão de títulos públicos

permissão especial

Anvisa divulga regras para autorização emergencial de vacina contra covid-19

Modo simplificado terá menos exigências do que os registros de outros medicamentos e tratamentos, mas a agência declarou que serão garantidos requisitos de segurança

seu dinheiro na sua noite

Uma previsão (conservadora) para a bolsa em 2021

Depois de tudo que passamos em 2020 (e o ano ainda não acabou), eu admiro a coragem de quem se arrisca a fazer previsões para o desempenho dos investimentos. As estimativas podem parecer mero chute — e às vezes são mesmo — mas no geral têm fundamento. Com algum trabalho, é possível calcular o fluxo […]

emissão de dívida em dólar

Tesouro capta US$ 2,5 bilhões no exterior com títulos de 5, 10 e 30 anos

Houve forte demanda pelos títulos de dívida externa, que superou a oferta em mais de 3 vezes, diz instituição; volume emitido com bônus de 10 anos foi o maior, de US$ 1,25 bi

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies