Menu
2019-07-30T10:11:18-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
EUA

Indicador preferido do Fed mostra inflação americana abaixo da meta

O núcleo do PCE, medida de inflação ao consumidor, acumula alta de 1,6% em 12 meses até junho

30 de julho de 2019
10:05 - atualizado às 10:11
MercadosBCs
Fed-cautela -

Não que um único dado econômico dite a atuação do Federal Reserve (Fed), banco central americano, ou qualquer outra autoridade monetária. Mas para quem advoga corte de juros nos EUA, mais um indicador ajuda a reforçar a tese.

O PCE, medida de inflação ligada aos preços ao consumidor, subiu 0,1% em junho e acumula alta de 1,4% em 12 meses. Já o núcleo do PCE, que tira alimentos e energia da conta, tentando captar uma tendência menos volátil dos preços, teve alta de 0,2% na margem, com avanço de 1,6% em 12 meses.

O PCE e seu núcleos são conhecidos como uma das medidas de inflação preferidas pelo Fed, que tem uma meta de inflação declarada de 2% ao ano.

O Fed inicia hoje a primeiro dia de reuniões que vão ditar o rumo da taxa de juros por lá, que está fixada entre 2,25% e 2,5% ao ano desde o fim do ano passado. A decisão será conhecida amanhã, 15 horas.

O mercado nutre expectativas de redução de juros, não só pela inflação abaixo da meta, mas também porque o próprio Fed reconheceu um aumento de incerteza sobre o crescimento futuro da economia, como reflexo da guerra comercial travada por Donald Trump. Aliás, o presidente americano tem feito pressão para que o Fed reduza a taxa de juros o quanto antes.

Além da inflação, que segue persistentemente abaixo da meta, os dados de hoje também mostram que os americanos gastaram 0,3% a mais em junho que em maio, mas seguem com uma taxa de poupança superior aos desembolsos (alta de 0,4% no mês).

Em 12 meses, enquanto a renda apresenta alta de 4,9%, os gastos crescem menos, 3,9%, o que resulta em taxa de poupança positiva, na casa de 8,1%, maior patamar dos últimos três anos.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

ficou para esta quinta

Para privatizar Eletrobras, governo aceita mais 19 emendas à MP

Por acordo entre os senadores, o texto da MP será votado apenas amanhã, 17, a partir das 10h, e até lá, eles poderão apresentar sugestões de destaques, que podem alterar o teor do parecer

seu dinheiro na sua noite

A Selic subiu mais um pouco – e na próxima reunião tem mais

Esta “Super Quarta” terminou com os bancos centrais brasileiro e americano apertando um pouquinho mais a torneirinha dos juros. A inflação pressiona, aqui e na terra do Tio Sam, e as autoridades monetárias querem mostrar que permanecem vigilantes. O Federal Reserve ainda não elevou propriamente as taxas de juros, que foram mantidas entre zero e […]

Entrevista

Sinais do Copom apontam para Selic a 7% no fim do ano, diz Padovani, do banco BV

Economista-chefe do banco BV, Roberto Padovani destacou o tom mais ríspido do Banco Central e a indicação de que a Selic continuará em alta

MUDANÇA NOS JUROS

COMPARATIVO: Veja o que mudou no novo comunicado do Copom

Veja o que ficou igual e o que mudou no comunicado da decisão do Copom a respeito da taxa Selic, elevada ao patamar de 4,25% ao ano

Subiu de novo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,25% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies