🔴 +30 RECOMENDAÇÕES DE ONDE INVESTIR EM MARÇO – ACESSE GRATUITAMENTE

Cotações por TradingView

Fed prepara terreno para um ‘hawkish cut’?

Nesta semana, 7 dos 10 membros permanentes da diretoria do Fed têm agenda pública. Amanhã, terça-feira, Powell fala sobre política monetária em Paris

15 de julho de 2019
14:19 - atualizado às 14:22
Jerome Powell, presidente do federal reserve olha ressabiado para o público
O presidente do maior Banco central do mundo discursa hoje. Quais as expectativas? - Imagem: Federal Reserve

Se você for um aficionado por TV e curte o Faustão no domingo à tarde certamente conhece a frase: “Quem sabe faz ao vivo!” A mensagem refere-se, quase sempre, a cantores que desempenham à perfeição um número musical, dispensando o playback. Mas “quem sabe faz ao vivo” não é bordão exclusivo de programas de auditório. Dirigentes de bancos centrais passam ao largo desse ambiente e não hesitam em caprichar no recado para evitar, sobretudo, uma realocação desenfreada de bilhões e bilhões de dólares de leste a oeste e de norte a sul nos Estados Unidos, na Europa ou na Ásia.

Quando trabalhei com Henrique Meirelles no Banco Central do Brasil, coincidentemente durante a crise financeira global de 2008, aprendi que se uma voz afinada garante holofotes nos palcos, a comunicação eficiente de um banco central pode fazer milagres na economia ou, no mínimo, orientar favoravelmente as expectativas sobre suas decisões futuras.

O Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) não desconhece o poder de um bom discurso especialmente se tem, pela frente, um encontro de política monetária tão relevante quando o do próximo dia 31. Nesse encontro, o Fed poderá iniciar o ciclo de redução da taxa básica de juro, após quase um ano e meio de alta iniciada em março de 2017. De lá para cá, o juro americano aumentou 10 vezes, do intervalo de zero a 0,25% para 2,25% a 2,50%.

Embora sem agenda específica sobre política monetária -- à exceção do compromisso do chairman Jerome Powell nesta terça-feira quando ele discursa, em Paris, sobre “Aspectos da política monetária na era pós-crise” – ao longo da semana 7 dos 10 membros permanentes da diretoria do Fed participam de diferentes eventos públicos e podem dar sinais sobre o que o mercado deve aguardar para o dia 31.

Na agenda do Fed, haverá apenas uma pausa, na quarta-feira, quando será divulgado o Livro Beige. A publicação, elaborada pela instituição a partir de informações recolhidas junto a economistas, analistas e acadêmicos, traz uma radiografia dos principais indicadores de atividade dos EUA. Sua divulgação ocorre oito vezes por ano e sempre às vésperas das reuniões sobre os rumos da política monetária.

O balanço da economia a ser retratado no Livro Beige deve pautar os discursos que podem atenuar ou reforçar a última sinalização dada por Powell, na semana passada, no Congresso americano.

No Senado, na sexta-feira, o presidente do Fed repetiu declarações feitas na véspera na Câmara dos Deputados, quando explicitou os três principais riscos que ameaçam a expansão econômica recorde dos EUA:

  1. incerteza comercial
  2. desaceleração do crescimento no exterior
  3. inflação baixa.

Jerome Powell chamou a atenção dos senadores para a incerteza provocada pelas disputas comerciais, informou que as empresas estão começando a segurar o investimento depois de ter sido bastante forte em 2017 e parte de 2018.

“Acho que muitos dos meus colegas no Fomc [Comitê Federal de Mercado Aberto] chegaram à opinião de que uma política monetária um pouco mais expansionista pode ser apropriada.”

Dividido, o mercado futuro de títulos do Tesouro americano vem precificando corte de juro, no dia 31, de 0,25 ponto percentual e 0,50 ponto.

É exagero do mercado?

Presidente do Fed de 2006 a janeiro de 2018, Ben Bernanke, participante de evento promovido pela XP Investimentos, em São Paulo, há duas semanas, avalia que o mercado está exagerando na precificação do corte. Ele avalia que o Fed deverá reduzir o juro minimamente e sinalizar que o alívio monetário vai parar por aí.

Bernanke, hoje chairman do Advisory Board da Pimco, questiona por que o mercado precifica tantos cortes de juros se a economia está bem? Ele reconhece que mais redução do juro faz sentido se o presidente Donald Trump continuar firme na condução da guerra comercial e se surgir um cenário de recessão, o que ele considera pouco provável. Ele lembra, inclusive, o desconforto que o mercado causa no BC com apostas exageradas. Quando isso acontece, se a decisão a ser tomada pela instituição for contra a expectativa do mercado, o resultado pode provocar grande estresse nos preços dos ativos.

Essa é uma das razões pelas quais Bernanke considera que o corte do juro em 0,25 ponto está dado.

“Acho que o Fed vai cortar 0,25 ponto na próxima reunião, mas vai ser um ‘hawkish cut’. Ele corta, mas diz: é isso, não espere mais.”

O ex-presidente do Fed avalia que os EUA atravessam a maior expansão econômica da história e estão em forma. “É um soft landing. Isso é bom. O Fed transformou a política contracionista para neutra por causa do risco global (representados pelo trade war e pela desaceleração da China de forma especial). Agora, 2% de crescimento é o que o Fed quer (...) Nos EUA, as pressões inflacionárias estão modestas, estamos longe de uma situação em que será preciso aumentar juro para conter inflação. Por isso a história do ‘insurance cut’ faz sentido, porque o risco de inflação não está lá”, afirma.

Compartilhe

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: inflação no mundo e atividade no Brasil são os destaques da semana

11 de setembro de 2022 - 8:06

A inflação medida pelo IPCA é o principal dado da agenda econômica local; no exterior, atenção para o BCE e os juros da zona do euro

DEU RUIM!

Powell derruba as bolsas mundo afora ao dar um alerta que o mercado não queria ouvir — veja o recado do presidente do Fed em Jackson Hole

26 de agosto de 2022 - 12:26

O tão aguardado discurso do chefão do maior banco central do mundo aconteceu depois da divulgação de dados que mostraram que a inflação perdeu força nos EUA e, ainda assim, os investidores não gostaram do que ouviram; entenda por quê

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O conclave dos banqueiros centrais vai começar: saiba o que esperar do simpósio de Jackson Hole

23 de agosto de 2022 - 9:17

Foi em Jackson Hole que Jerome Powell previu erroneamente que a inflação nos Estados Unidos seria um fenômeno transitório

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: simpósio de Jackson Hole é destaque; semana também conta com dados de inflação no Brasil e nos EUA

20 de agosto de 2022 - 7:11

O simpósio de Jackson Hole deve trazer sinalizações importantes por parte do Federal Reserve (Fed) quanto ao futuro dos juros no país

A CONTA GOTAS

Fed carrega na tinta da ata e pinta um quadro que o mercado não gostou; entenda

17 de agosto de 2022 - 16:27

Wall Street seguiu operando em queda depois da divulgação do documento, que deixou em aberto os próximos passos que o banco central norte-americano pode adotar

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: ata do Fed, dados de varejo nos EUA e inflação na zona do euro são os destaques da semana

13 de agosto de 2022 - 8:11

A ata da última reunião do Fed é o principal dado da agenda econômica; a inflação ao consumidor (CPI) na Europa também é destaque

FECHAMENTO DO DIA

Máquina de gerar empregos dos EUA passa por cima do S&P 500 — entenda o que atropelou o índice hoje

5 de agosto de 2022 - 17:03

O mercado de trabalho norte-americano adicionou 528.000 novas vagas em julho, superando facilmente uma estimativa da Dow Jones de um aumento de 258.000; a taxa de desemprego fica abaixo do previsto e cai para 3,5%

Expert XP 2022

‘Estou confiante de que teremos uma recessão nos EUA dentro dos próximos 18 meses’, diz ex-secretário do Tesouro americano

4 de agosto de 2022 - 13:10

Lawrence Summers esteve presente na Expert XP 2022, onde fez duras críticas ao Fed e à política monetária dos Estados Unidos.

FECHAMENTO DO DIA

A explosão de ganhos patrocinada pelo Fed: entenda por que o S&P 500, o Nasdaq e o Dow Jones renovaram máximas

27 de julho de 2022 - 17:03

O banco central norte-americano elevou pela segunda vez seguida a taxa de juro em 0,75 ponto percentual, mas calibre do aumento não assustou os investidores em Wall Street

NO FIO DA NAVALHA

Powell fala o que os investidores queriam ouvir — saiba o que o chefe do Fed disse e que fez Wall Street disparar

27 de julho de 2022 - 16:28

O banco central norte-americano anunciou a segunda alta de 0,75 ponto percentual seguida da taxa de juro, mas o mercado não se assustou com o calibre do aperto; entenda o que ajudou as bolsas a subirem

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies