Menu
2019-04-04T12:16:11-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juro Americano

Ata do Fed confirma discursos mais brandos de Powell

Documento referente à reunião de dezembro mostrou que alguns membros se mostraram favoráveis à estabilidade do juro americano

9 de janeiro de 2019
18:10 - atualizado às 12:16
Presidente do Fed, Jerome Powell, em entrevista nesta quarta-feira.
Presidente do Fed, Jerome Powell. - Imagem: Federal Reserve

Havia certo ceticismo com a divulgação da ata do Federal Reserve (Fed), banco central americano, pois o documento é referente à reunião de dezembro e muita coisa mudou deste então, inclusive o discurso do presidente Jerome Powell. Mas o documento mostrou que alguns membros já tinham expressado preferência por manutenção do juro americano, mesmo com a decisão final tendo sido unânime por alta de 0,25% para 2,25% a 2,5% ao ano.

A reação do mercado foi, primeiro uma breve puxada de alta, mas depois os índices voltaram a oscilar pouco baixo dos 0,5% (S&P e Dow Jones) e 1% Nasdaq, vistos antes da divulgação.

Uma interpretação possível é que ata, de fato, não representa novidade, mas seja apenas uma confirmação da mudança de discurso vista depois do encontro, que gerou fortes críticas por parte do presidente Donald Trump e algumas vozes de peso no mercado. Podemos falar que os discursos e ata representam um “distensionamento” no discurso da autoridade monetária americana.

A ata aborda outro ponto, a possibilidade de “paciência” do Fed antes de promover novas altas, que também esteve em discurso recente de membro do colegiado.

A grande mudança de aceno já tinha ocorrido na sexta-feira, quando Powell falou que poderia adotar uma postura mais flexível com relação à redução do balanço do Fed. O BC americano comprou trilhões de dólares em títulos do Tesouro e ativos privados depois da crise de 2008 e vinha deixando de atuar nesse mercado. Em dezembro, Powell tinha falado que não pretendia rever a redução de balanço e que o instrumento de política monetária seria apenas a taxa de juros.

A ata também mostra uma discussão sobre a comunicação do Fed, com os membros defendo uma mudança explícita do “forward guidance” (quando o BC sinaliza os próximos passos, como novas altas) para algo mais “data dependent”, ou seja, o Fed vai acompanhar os dados e decidir sem compromisso com acenos anteriores.

Essa discussão está em linha com as afirmações feitas por Powell desde a reunião de dezembro, de que não há uma rota predeterminada para os juros americanos.

A ata também mostra que embora as condições financeiras tenham ficado mais apertadas e que o crescimento mundial apresentou moderação, o crescimento da economia americana continua acima de sua tendência de longo prazo, com mercado de trabalho forte.

Por isso da manutenção da mensagem, em dezembro, de que alguns apertos adicionais seriam consistentes com uma expansão sustentada da economia, mercado de trabalho forte e inflação ao redor da meta de 2% ao ano.

A queda no preço das ações, a redução das taxas dos papéis do Tesouro e o aumento dos spreads do crédito corporativo também estiveram nas discussões do colegiado e explicam a redução nas projeções de três para duas elevações do juro ao longo de 2019.

Para alguns membros do Fed essa movimentação dos ativos financeiros estaria relacionada a um aumento de preocupação com “riscos de cauda”, como um agravamento das tensões comerciais, ou um aceno de significativa redução no ritmo de crescimento da economia mundial.

Alguns membros ponderaram que esse aperto das condições financeiras ainda não se manifestava no lado real da economia, mas que se tal quadro persistisse, certamente haveria reflexo nos gastos de consumidores e empresas. A conclusão foi acenar que o Fed continua monitorando os movimentos de mercado.

A primeira reunião de 2019 do Fed acontecerá nos dias 29 e 30 de janeiro. Neste ano, Powell dará entrevistas após todas as reuniões.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Suspeita de crime

CVM confirma processo para investigar suposto ‘insider trading’ na Petrobras

A suspeita de que alguém pode ter lucrado R$ 18 milhões com o vazamento de informações sobre o que ocorreria na estatal vieram à tona no início da semana e mexeram com os ânimos do mercado.

Queda brusca

Produção de veículos recua 3,5% em fevereiro em comparação anual, diz Anfavea

Frente a janeiro, a produção caiu 1,3%, levando o volume acumulado no primeiro bimestre para 396,7 mil unidades.

Gestora sobe o tom

Fundo Verde se protege no câmbio e diz que governo “falhou miseravelmente” em comprar vacinas

O atraso em proteger a população aparece a olhos vistos, e tem consequências óbvias tanto em termos de vidas quanto em termos econômicos, escreveu a gestora de Luis Stuhlberger

IR 2021

Quer saber quando vai receber sua restituição de IR? Confira o calendário de 2021

Restituição do imposto de renda será, mais uma vez, paga em cinco lotes, entre maio e setembro. Veja o calendário válido para 2021

Vendas no Varejo

Varejo cresce 3%, ativado pelo setor de construção e supermercados

Conforme os dados da Fecomércio, o setor da construção registrou, ao final de 2020, crescimento de 18,7% no faturamento, fechando o ano em R$ 67,6 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies