Menu
2019-08-14T18:30:19-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
nos ares

Embraer tem lucro atribuído ao acionista de R$ 26 milhões no segundo trimestre

Em igual período do ano passado, prejuízo havia sido de 485 milhões; fabricante entregou 26 aeronaves comerciais e 25 executivas no segundo trimestre deste ano

14 de agosto de 2019
11:51 - atualizado às 18:30
Praetor 600 Embraer interior Bossa Nova
Jato Praetor 600, da Embraer, decorado ao estilo Bossa Nova - Imagem: Divulgação

A Embraer registrou um lucro líquido atribuído aos acionistas da empresa de R$ 26,1 milhões entre abril e junho deste ano, revertendo o prejuízo de R$ 485,0 milhões anotado em igual período de 2018.

Já pelo critério ajustado, a companhia contabilizou prejuízo líquido de R$ 57,6 milhões, ante uma perda de R$ 21,4 milhões reportada um ano antes. Esse parâmetro exclui o imposto de renda e contribuição social diferidos no período.

Analistas ouvidos pela Bloomberg esperavam que a companhia novamente registrasse um prejuízo de R$ 112 milhões. Apesar disso, as ações da Embraer fecharam o pregão desta quarta-feira (14) em baixa de 5,85%, a R$ 18,36. Veja nossa cobertura de mercados.

Segundo a companhia, impostos resultantes de ganhos ou perdas em ativos não monetários - contabilizados no fluxo de caixa consolidado - totalizaram R$ 160,8 milhões no segundo trimestre de 2018, R$ 83,7 milhões negativos no segundo trimestre de 2019 e R$ 69,1 milhões também negativos no primeiro trimestre deste ano.

Além disso, o critério também exclui o impacto pós-imposto da provisão relacionada a itens especiais, que somou R$ 302,8 milhões no segundo trimestre de 2018 - neste ano, não houve reconhecimento de itens especiais no balanço da companhia.

Outros números

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) totalizou R$ 259,6 milhões no segundo trimestre, alta de 98,5% frente aos R$ 130,8 milhões registrados um ano antes. A margem Ebitda, por sua vez, ficou em 4,8%, aumento de 1,9 ponto porcentual (p.p.) sobre o segundo trimestre de 2018.

O resultado operacional (Ebit) atingiu R$ 101,1 milhões positivos, ante resultado negativo de R$ 92,4 milhões reportado um ano antes. Na mesma base de comparação, a margem Ebit atingiu 1,9%, contra 2,0% negativos observados no segundo trimestre de 2018.

A receita líquida da Embraer mostrou alta de 19,4%, passando de R$ 4,523 bilhões no segundo trimestre de 2018 para R$ 5,402 bilhões. Os números de 2018 foram reapresentados por causa da adoção das normas contábeis IFRS 15 e IFRS 9.

Entrega de aeronaves

Entre abril e junho deste ano, a fabricante entregou 26 aeronaves comerciais e 25 executivas (19 jatos leves e seis grandes), comparado aos 28 jatos comerciais e 20 executivos (15 leves e cinco grandes) entregues um ano antes. Ao final do trimestre, a carteira de pedidos firmes atingiu US$ 16,9 bilhões, acima dos US$ 16,0 bilhões vistos ao final de março.

"A Embraer atingiu book-to-bill acima de 1 vez em todas as suas unidades de negócio, liderado pelas vendas no segmento de Aviação Executiva", destaca a empresa.

Por fim, a Embraer reafirmou todo o seu guidance, tanto financeiro quanto de entregas, para o ano de 2019. A fabricante brasileira observa que, a partir de 26 de fevereiro deste ano, os resultados de Aviação Comercial e serviços relacionados passaram a ser apresentados como operações descontinuadas, devido à aprovação dos acionistas da parceria estratégica entre a Embraer e a Boeing.

"É importante ressaltar que a Companhia continua a apresentar seus resultados financeiros com 100% dos ativos, passivos e resultados financeiros do segmento de Aviação Comercial e seus serviços relacionados, e as estimativas financeiras e de entregas da Embraer para 2019 permanecem baseadas nessas premissas", diz a empresa.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Viagem bilionária

Bilhete dourado: comprador misterioso gasta R$ 1,4 bilhão para ir ao espaço com Jeff Bezos

O turista espacial superou cerca de sete mil ofertas em um leilão beneficente realizado para definir o tripulante da espaçonave New Shepard

Fechamento dos mercados

Vacinação no Brasil volta a fazer preço, e Ibovespa sobe 0,59%, deixando para trás cautela com ‘Super Quarta’; dólar recua mais de 1%

Mercado deve operar em compasso de espera até a próxima quarta-feira, quando os BCs do Brasil e dos Estados Unidos divulgarão as suas decisões de política monetária

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies