Menu
2019-05-29T22:46:17-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

O que o Temer e o BNDES têm a ver com suas férias na Disney?

A pergunta pode parecer sem sentido, mas temos mudanças no setor público e no mercado de capitais que têm impacto sobre a cotação do dólar. Você já tá xingando, mas essas mudanças são coisa boa

30 de maio de 2019
5:15 - atualizado às 22:46
férias disney
Com dólar acima de R$ 4 virou brincadeira falar que "não vai ter Disney" - Imagem: Shutterstock

Lá no fim de abril, escrevi uma nota dizendo que o Banco Central (BC) enxergava a alta do dólar como um fenômeno estrutural, relacionado à redução de fluxo de capital estrangeiro para o país. Quem trouxe essa explicação foi o diretor de Política Monetária, Bruno Serra Fernandes, e ontem tive a oportunidade de perguntar se ele poderia explicar um pouco melhor essa avaliação.

A explicação passa pela redução no ritmo de crescimento de gasto público, imposta pelo teto de gastos do governo Temer, e conversa, também, com a queda da Selic e com a saída do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) do mercado de crédito subsidiado, com a criação da Taxa de Longo Prazo (TLP).

Sendo bem didático, pois o assunto é áspero, um governo que gasta muito precisa captar mais dinheiro aqui e lá fora para se financiar. Assim, a taxa de câmbio (e de juros) que equilibra essa necessidade acaba sendo estruturalmente mais valorizada.

Com a emenda do teto, o crescimento do gasto público está agora limitado à inflação, exigindo um câmbio real (que considera a inflação) menos valorizado.

Segundo o diretor, isso é algo positivo para o crescimento de longo prazo da economia brasileira.

Junto disso, temos observado um crescimento do mercado de capitais impulsionado por dois vetores. Selic baixa e estável (juro está em 6,5% desde março do ano passado) e a saída do BNDES como fonte de financiamento direcionado com juro muito abaixo da Selic. (Na época dos campeões nacionais e setores eleitos, chegamos a ver empréstimos com juro real negativo, ou seja, o BNDES praticamente pagava o tomador para ele se endividar.)

De acordo com Serra, em função dessas mudanças, o mercado de capitais passou a alocar a poupança nacional de forma mais eficiente que no passado. “O que temos visto é um mercado de capitais com oferta muito grande de recursos por aqui”, explicou.

O diretor lembrou que temos visto emissões de debêntures com prazos de sete a oito anos e teve até uma colocação com 25 anos de prazo. Algo inimaginável pouco tempo atrás.

Ao mesmo tempo, diz Serra, algumas empresas que tinham financiamento no exterior estão vendo a opção de captar no mercado local de forma mais barata. Inclusive já estamos vendo empresas captando dinheiro por aqui para fazer o pré-pagamento de compromissos no mercado internacional.

“Isso é extremamente positivo porque reduz o risco cambial da economia brasileira a longo prazo”, explicou.

Segundo o diretor, todo esse movimento é “muito positivo” e só essa alocação de poupança de forma mais eficiente para o setor privado tende a gerar mais produtividade para a economia brasileira no médio e longo prazos.

“É isso que está acontecendo. Isso, momentaneamente, reduz a liquidez do mercado de câmbio. Durante esse processo, deixamos de captar lá fora e, em alguns casos, temos pré-pago dívida no exterior”, explica.

Ainda de acordo com o diretor, o BC tem bastante capacidade e os instrumentos necessários para lidar com essa transição, provendo liquidez ao mercado quando necessário. Exemplo disso, são os leilões de linha com compromisso de recompra.

Como estamos falando de câmbio é sempre bom fazer um hedge e aqui vai o meu: Falamos aqui de alguns vetores que influem a taxa do dólar, como diferencial de juros interno/externo e fluxo de capitais. Mas a formação de preço também considera, cenário externo, balança comercial, outras moedas emergentes e as expectativas sobre a agenda de reformas, que a depender do resultado, podem promover um influxo de capital no país (facilitando a viagem ao exterior).

Menos Estado, mais mercado

O diretor deu essa explicação durante a coletiva de lançamento da Agenda BC#, que reúne inciativas para melhorar a inclusão, competitividade, transparência e educação financeira.

“Temos sempre a premissa de diminuir o setor público e aumentar o privado”, disse o presidente do BC, Roberto Campos Neto, ao apresentar a agenda.

Essa avaliação macroeconômica do diretor parece demonstrar os primeiros efeitos práticos de algo que o BC e a nova equipe econômica estão falando tem tempo: "O mercado precisa se libertar da necessidade de financiar o governo e se voltar para o financiamento ao empreendedorismo."

A tese que parece começar a se comprovar é que o Estado grande e perdulário promove o chamado “crowding out” do setor privado não só no crédito, mas em outros segmentos da economia. Com o Estado reduzindo sua necessidade de financiamento e com o BNDES racionalizando sua atuação, passaríamos a ver uma maior oferta de recursos para financiar o setor privado, que faria o chamado "crowding in".

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Triste marca

Brasil registra mais de 500 mil mortos por covid-19

Em 24 horas foram 2.301 óbitos e 82.288 novos casos. Em nota, Conass ressalta que o Brasil tem 2,7% da população mundial, e é responsável por 12,8% das mortes

Here comes the sun

Energia solar ruma para liderança no País até 2050

O sol será responsável por 32% da geração, ao mesmo tempo em que a participação das hidrelétricas deve cair para cerca de 30%

ESTRADA DO FUTURO

Os três setores mais lucrativos em tecnologia, e por que você deve investir neles

Integração entre softwares e Inteligência Artificial são dois dos segmentos que devem fazer parte de qualquer portfólio de investimentos vencedor

Ano de eleição

Promessas de Bolsonaro estouram “folga” do Orçamento em 2022

A ampliação do Bolsa Família e um eventual aumento de 5% nos salários do funcionalismo público já superam o espaço adicional de R$ 25 bilhões para o próximo ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies