Menu
2019-05-22T16:30:51-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
História sem fim

Varig México vai a leilão em junho – quase 12 anos após empresa aérea deixar de voar

Papéis à venda fazem parte do capital social da Varig de México, filiada da subsidiária brasileira Varig Logística. Operação nasceu para dar suporte aos voos da Varig no aeroporto.

22 de maio de 2019
16:14 - atualizado às 16:30
Avião da Varig
Varig - Imagem: Shutterstock

Engana-se quem pensa que o polêmico processo de falência da companhia aérea Varig teve um final definitivo. Passados quase 12 anos desde que empresa realizou seu último voo, o mercado ainda encontra resquícios da história de uma empresa que já foi um ícone do setor aéreo brasileiro.

A Justiça aprovou o leilão da Varig México, uma filiada da Varig criada nos anos 80 e que posteriormente foi incorporada pela subsidiária Varig Logística. A venda será no dia 6 de junho e o lance inicial de cerca de R$ 19 milhões.

O trâmite só mostra o quanto a quebra da Varig se arrastou. A empresa pediu recuperação judicial em 2005, parou de voar no ano seguinte, foi fatiada e teve diversas partes vendidas para donos diferentes.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Nesse processo, a Varig Log foi arrematada no início de 2006 e a parte "boa" da Varig foi comprada pela Gol em 2007. O que restou não durou muito e as duas empresas tiveram falência decretada nos anos seguintes.

O que sobrou e como será a venda

A Varig México é dona de uma concessão no aeroporto da Cidade do México para operar serviços logísticos como controle e armazenamento de cargas. A companhia nasceu para dar suporte à própria operação da Varig no país.

A concessão foi renovada pela última vez em 2003, por 20 anos. Ou seja, mesmo após a saída a Varig do mercado a divisão ainda têm um espaço no aeroporto mexicano. A intenção do leilão é atrair o interesse de outras empresa que prestam serviço no aeroporto.

O processo de venda foi aprovado pela 1ª Vara de Falência de São Paulo, onde corre a ação da Varig Log, e as ofertas em primeira praça serão aceitas até o dia 6 de junho.

De acordo com um comunicado da Superbid, empresa que está administrando o leilão, a negociação vai incluir 99,95% das ações do capital social da Varig de México. Ao todo, estão inclusas 32,985 mil ações, sendo 1985 de série A e 31 mil de série B.

O preço das ações teve como base uma análise econômico-financeira, que procurou estimar o valor de mercado da Varig México em 2019. Para isso foram considerados fatores como a dimensão da empresa, características da atividade operacional e a condição atual de reestruturação e crescimento do negócio.

A oferta inclui 32,985 mil ações, sendo 1985 ações de série A e 31 mil ações de série B. A Superbid informou ainda que, caso não sejam arrematadas, as ações vão para segunda praça com 30% de desconto, com o valor inicial caindo para R$ 13.433.890,92.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: Bolha? Que bolha?

A matéria que discute uma suposta bolha nos fundos imobiliários foi a mais lida desta semana. Oi, aposentadoria e bolsa também estiveram entre os assuntos de destaque

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

LIÇÕES DO PAI RICO, PAI POBRE

Ganhando bem, mas longe de ser rico?

Robert Kiyosaki, autor do best seller Pai Rico, Pai Pobre, escreve aos sábados sobre suas lições de finanças

DE OLHO NOS EMPRÉSTIMOS

BNDES aprova empréstimos a exportações de Embraer, Marcopolo, Mercedes e Scania

A maior das operações foi para a fabricante de aviões Embraer, que tomou empréstimo de US$ 285 milhões para financiar a exportação de 11 aeronaves modelo E175 para a American Airlines, nos Estados Unidos

FUNDOS DE PENSÃO

Assessores de Guedes e mais 28 viram réus por rombo em fundos de pensão

“O Ministério Público Federal produziu e apresentou a este Juízo peça acusatória formalmente apta, acompanhada de vasto material probatório, contendo a descrição pormenorizada contra todos os denunciados”, anotou Vallisney.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

De volta para o futuro

Quando escrevi aqui na newsletter que não é possível prever o futuro, um leitor me corrigiu. Em alguns casos podemos sim antecipar com razoável grau de precisão o que vai acontecer: que o diga a previsão do tempo. Ele tem razão, mas a mesma premissa válida para a meteorologia não se aplica ao mercado financeiro. […]

Bolsa forte

Otimismo externo se sobrepõe à hesitação local e Ibovespa sobe 2,58% na semana

Apesar do viés “misto” dos mais recentes dados da atividade doméstica, o otimismo em relação ao acordo EUA-China e a força mostrada pela economia chinesa sustentaram o bom desempenho do Ibovespa

É HORA DE TER CALMA

Estágio atual recomenda cautela na política monetária, repete presidente do BC

Esta avaliação já constou nos documentos mais recentes do BC, inclusive na comunicação de dezembro do colegiado, quando a Selic (a taxa básica de juros) recuou de 5,00% para 4,50% ao ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements