Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-07-24T19:54:08-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Cartões

Sem bandeira branca, Cielo diz ter “bastante apetite” para continuar na guerra das maquininhas

Vencedores nessa disputa serão empresas que tiverem base de clientes para apresentar outros produtos, diz presidente da Cielo, que avalia ter banco próprio

24 de julho de 2019
12:08 - atualizado às 19:54
Paulo Caffarelli, presidente da Cielo
Paulo Caffarelli, presidente da Cielo - Imagem: Beto Barata/PR

Até onde vai a guerra de preços no mercado de maquininhas de cartão? O presidente da Cielo, Paulo Caffarelli, não sabe dizer, mas deixou claro que não vai hastear bandeira branca aos concorrentes.

"Quem define o preço é o mercado, mas temos bastante apetite para continuar nesse jogo", afirmou Caffarelli, em uma entrevista coletiva na sede da empresa de maquininhas controlada pelo Banco do Brasil e Bradesco.

O presidente da Cielo disse que os vencedores nessa disputa serão as empresas que tiverem base de clientes para apresentar outros produtos aos clientes.

Por isso a companhia decidiu mudar a estratégia e dar foco ao aumento na participação de mercado, em detrimento das margens de lucro.

Os dois lados dessa moeda aparecem bem nos resultados do segundo trimestre. A Cielo registrou lucro líquido de R$ 431,2 milhões, queda de 33,3% em relação ao mesmo período do ano passado e mais uma vez abaixo das projeções do mercado.

Do lado operacional, porém, a empresa mostrou reação, com aumento de 9% no volume de transações realizadas com as maquininhas. A base de clientes também cresceu e chegou a 1,4 milhão, um avanço de 4,6% em três meses e de 14,4% em relação ao segundo trimestre de 2018.

"Os números demonstram que a nossa estratégia focada na participação de mercado foi acertada. Isso não quer dizer q estamos satisfeitos, mas estamos no caminho certo", afirmou Caffarelli.

Líder de mercado, a Cielo voltou a ganhar participação no primeiro trimestre deste ano, com um aumento de 1 ponto percentual, segundo Caffarelli. A expectativa é que essa tendência se repita no segundo trimestre, mas ele não disse que ainda não há como afirmar porque os números dos concorrentes ainda não saíram.

O mercado parece ter comprado o discurso, pelo menos hoje. As ações da Cielo disparou e fechou em alta de 12,89% hoje na B3. Confira também nossa cobertura atualizada de mercados.

Crédito "fumaça"

Na linha de novos produtos que passaram a ser oferecidos aos clientes, o presidente da Cielo destacou o "Receba Mais". Trata-se de um financiamento concedido com base nas projeções de vendas futuras das lojas, o chamado "crédito fumaça".

O projeto piloto começou em junho, com a concessão de R$ 40 milhões. "Essa pode ser uma nova avenida de geração de resultado", afirmou Caffarelli.

Banco Cielo?

O "crédito fumaça" já existe hoje, mas é concedido principalmente por bancos. Ou seja, a Cielo vai competir com as instituições financeiras nessa linha.

Os recursos para a concessão de financiamentos na linha "Receba Mais" hoje vêm de duas fontes: do Bradesco, um dos controladores da Cielo, e de um fundo de recebíveis (conhecido pela sigla FIDC).

Caffarelli não descarta o uso de recursos de outros bancos no futuro ou até mesmo criar um banco próprio para ter um "funding" mais estável para as operações, na linha do que fizeram outras empresas de maquininhas. Mas disse que essa é uma discussão para o futuro.

Sobre os possíveis planos dos bancos controladores de fechar o capital da Cielo depois da forte queda das ações, Caffarelli negou mais uma vez que haja qualquer discussão nesse sentido.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

ÚLTIMO ADEUS?

De malas prontas para deixar a B3, Banco Inter (BIDI11) reverte prejuízo em lucro líquido de R$ 19,2 milhões no terceiro trimestre

O banco digital também celebrou a marca de 14 milhões de clientes no período, um salto de 94% na comparação com o terceiro trimestre de 2020

Tecnologia em foco

As big techs na balança: veja como foi o trimestre de Google, Microsoft e Twitter

Três das principais big techs americanas reportaram seus balanços nesta noite; veja como se saíram Alphabet/Google, Microsoft e Twitter

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Pressão nos juros, Elon Musk mais rico e o brilho das ações das elétricas

As projeções de bancos e economistas para a alta da Selic não param de subir. É possível ver essa tendência semanalmente no boletim Focus, divulgado toda segunda-feira pelo Banco Central, em relatórios de diversas casas de análise e na curva dos juros futuros — que não param de ser revisados para patamares cada vez mais […]

ACIONISTAS FELIZES

Farra dos dividendos: Santander (SANB11), Klabin (KLBN11) e Porto Seguro (PSSA3) anunciam proventos; banco espanhol vai pagar R$ 3 bilhões aos acionistas

Confira mais detalhes sobre os valores por ação, previsão para o pagamento e a data-limite para entrar na festa de cada uma das três empresas

MERCADOS HOJE

Ibovespa volta a cair mais de 2% na véspera da decisão do Copom; inflação salgada e fiscal deteriorado comandaram o dia

O mercado financeiro aguarda ansioso pelas palavras do BC, que devem pesar a recente deterioração do cenário fiscal e a elevação dos preços. O Ibovespa teve novo dia de perdas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies