Menu
2019-07-31T09:20:15-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
a bula do mercado

Mercados à espera dos ventos de alívio do bancos centrais

Julho termina com decisões do Fed e do Copom sobre rumo das taxas de juro

31 de julho de 2019
6:29 - atualizado às 9:20
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

O alívio monetário tão cobrado dos bancos centrais pelos agentes do mercado financeiro deve chegar finalmente entre o fim da tarde e o início da noite de hoje, caso o Federal Reserve Bank dos Estados Unidos (Fed) e o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BCB) atuem da maneira prevista por analistas.

Com apenas algumas horas de diferença entre o Fed e o Copom, as autoridades monetárias anunciarão suas respectivas decisões de juro. E em ambos os casos, a expectativa dos analistas é de que as taxas de referência sejam cortadas.

O Fed divulga sua decisão de política monetária às 15h. O anúncio será seguido de entrevista coletiva concedida pelo presidente da autoridade monetária norte-americana, Jerome Powell. Às 18h, será a vez de o Copom divulgar sua decisão de juro.

Com isso, a expectativa é de que o Ibovespa e os mercados de câmbio e contratos futuros de juros comecem a quarta-feira pautados pela cautela entre os investidores em um cenário de baixa liquidez.

Negociar pra quê?

Além disso, os negócios no Brasil terão início sob forte pressão negativa vinda do exterior. As bolsas de valores asiáticas fecharam em queda generalizada depois de - mais - um balde de água fria jogado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nas negociações comerciais com a China. Já há quem questione o motivo de se marcar uma reunião para azedá-la via Twitter antes mesmo de começar.

As bolsas de valores europeias também abriram em queda à espera dos dados do PIB da zona do euro, enquanto os índices futuros de Nova York sinalizavam abertura no azul em Wall Street em reação ao balanço trimestral da Apple.

O que também pode mexer com o Ibovespa hoje é a divulgação do balanço da Vale referente ao segundo trimestre de 2019 em um momento no qual os números da mineradora seguem sob o impacto das consequências financeiras e humanas do trágico rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG).

Negócios devem esquentar no fim da sessão

O comportamento dos investidores nos mercados locais pode mudar a partir do anúncio do Fed e da entrevista de Powell, quando os mercados financeiros em São Paulo e Wall Street ainda estarão abertos.

Os banqueiros centrais têm resistido há meses às pressões por cortes de juros, até pelo entendimento de que qualquer alívio monetário depende de outras medidas para que possa surtir algum efeito e fazer frente aos riscos derivados de uma desaceleração econômica em escala global.

No caso do Fed, a aposta majoritária entre os agentes do mercado financeiro é de que a autoridade monetária norte-americana iniciará seu primeiro ciclo de alívio monetário em uma década com um corte de 0,25 ponto porcentual em um momento no qual a política de guerra comercial de Trump começa a pesar sobre os dados econômicos dos Estados Unidos e nos balanços trimestrais das empresas sediadas no país. Uma eventual e inesperada manutenção da taxa de juro pelo Fed tende a azedar o clima.

Em relação ao Copom, ganhou força nos últimos dias a aposta em um corte de meio ponto porcentual na taxa Selic, dos atuais 6,5% ao ano para 6%. Na visão dos analistas, a fraca atividade econômica e a falta de pressão inflacionária justificariam tal ação. O fato é que um corte de 0,25 ponto porcentual na Selic é dado como favas contadas.

Na manhã de hoje, a divulgação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad contínua) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), que trará a taxa de desemprego no Brasil ainda na casa dos 12%, tende a ser vista como um sinal a mais de que uma ação mais agressiva do Copom seria justificável.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

QUESTIONAMENTOS

Frente parlamentar aciona STF para suspender reforma administrativa

A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) para pedir a suspensão imediata da tramitação da reforma administrativa. No mandado de segurança, deputados e senadores argumentam que não é possível analisar a proposta por falta de informações técnicas. Segundo os parlamentares, a imposição de sigilo nos documentos que […]

BALANÇO

BC informa que 50 milhões de chaves já foram cadastradas no Pix

O Pix é um sistema que permitirá pagamentos e transferências 24 horas por dia, 7 dias por semana, todos os dias do ano.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Esse tal de BDR

O mercado financeiro adora usar termos e siglas em inglês, talvez para tornar a coisa mais difícil do que realmente é. Nos últimos dias você já deve ter lido, inclusive aqui no Seu Dinheiro, sobre um tal de BDR. As três letras vêm de Brazilian Depositary Receipts. O quê? Calma, nós chegamos lá. O BDR é […]

As queridinhas

Tesla, Apple e Mercado Livre são os BDRs mais negociados no 1º dia de mercado aberto a todos os investidores

Empresas de tecnologia dominaram o primeiro dia de negociações liberadas a qualquer investidor, que teve volume superior à média

embalou

Ibovespa fica perto dos 102 mil pontos com disparada dos bancos e alta em NY; dólar cai abaixo do R$ 5,60

Papéis de Itaú, Banco do Brasil e Bradesco terminam sessão entre as cinco maiores altas do índice, que fechou perto da máxima; moeda americana recua 0,36% e juros sobem em dia de leilão do Tesouro e à espera de novidades fiscais. Lá fora, expectativa para estímulos alivia bolsas americanas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies