Menu
2019-07-30T07:12:18-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
a bula do mercado

Investidores à deriva à espera do Fed

Negócios seguem de lado à espera da decisão da autoridade monetária dos EUA

30 de julho de 2019
7:10 - atualizado às 7:12
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

Investidores de todo o mundo mantêm hoje um pé atrás antes de assumir posições mais arriscadas enquanto observam os sinais que antecedem a decisão de política monetária do Federal Reserve Bank dos Estados Unidos, que será anunciada apenas amanhã à tarde.

Assim como aconteceu ontem, os negócios no Ibovespa, no mercado de câmbio e nos contratos de juros futuros devem ser marcados pela cautela, com movimentos pontuais e muita atenção a sinais de como o Fed se manifestará diante dos sinais de desaceleração econômica nos Estados Unidos.

Desde a semana passada, quando o Banco Central Europeu (BCE) optou pela manutenção de sua política monetária, todas as atenções do mercado em relação a um iminente alívio monetário voltaram-se para o Fed.

BoJ mantém juro negativo

Na madrugada de hoje, o Banco do Japão (BoJ) confirmou a manutenção de sua política monetária de juro negativo nos mesmos patamares de antes e sinalizou a intenção de seguir assim pelo menos até a virada do primeiro para o segundo trimestre do ano que vem.

A maioria dos agentes do mercado dá como certo o início, amanhã, do primeiro ciclo de corte de juros pelo Fed em dez anos. A dúvida é se o corte na taxa de juro de referência será de 0,25 ponto porcentual (pp) ou se os diretores da entidade cederão às pressões públicas do presidente norte-americano, Donald Trump, por um corte maior.

Dadas a cautela e a resistência da diretoria do Fed à hostilidade e aos interesses de Trump, a maioria dos players do mercado aposta em um corte de 0,25 pp. Antes da abertura dos mercados, os dados sobre renda e consumo pessoal nos EUA ajudará os investidores a terem mais clareza sobre a postura do Fed.

Espera pelo Copom reforça cautela nos negócios locais

Por aqui, os investidores têm um motivo a mais para manter a cautela, já que seguem à espera da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), cuja decisão sobre a taxa Selic será conhecida apenas algumas horas depois do posicionamento do Fed.

A expectativa é de que o Copom leve a Selic a um novo piso histórico, uma vez que um corte de pelo menos 0,25 pp na taxa Selic já está precificado. Na manhã de hoje, uma esperada desaceleração do IGP-M deve surgir como um argumento a mais para a ação do Banco Central.

Desde março do ano passado, a taxa de juro de referência no Brasil encontra-se em 6,5% ao ano. No decorrer dos próximos meses, porém, a Selic deve cair ainda mais. Os contratos de juros futuros projetam cortes mais acentuados na taxa de referência até o fim do ano.

Balanços, guerra comercial e Brexit no radar

Sem o poder de acelerar os relógios para o Fed e para o Copom, os investidores monitoram a temporada de balanços em busca de outros drivers para os negócios. O resultado da Embraer no segundo trimestre deste ano será divulgado antes da abertura do Ibovespa, enquanto os balanços da CSN, da Renner e da TIM são esperados para depois do fechamento. No exterior, o resultado trimestral da Apple pode mexer com Wall Street.

Enquanto isso, a expectativa com a retomada das negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China, hoje em Xangai, disseminou um otimismo moderado nos mercados asiáticos de ações, que fecharam quase todos em alta. No entanto, a perspectiva de um acordo bilateral no curto prazo é baixa.

Na Europa, as principais bolsas de valores operam em queda, enquanto a libra esterlina derretia, em meio a temores de um Brexit mais brusco agora que o governo do Reino Unido está nas mãos de Boris Johnson, que na semana passada sucedeu Theresa May em meio às dificuldades para uma saída negociada da União Europeia.

Enquanto isso, os índices futuros de Nova York apontam para uma abertura em queda em Wall Street.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Radiocash

“Quando comecei a criar o Me Poupe, eu queria transformar finanças em mainstream”, conta Nathalia Arcuri

A plataforma de conteúdo e educação financeira tem uma CEO com uma jornada polêmica e impactante; confira no RadioCash

Economia na defesa

Privatização da Eletrobrás é ‘entrega elevadíssima’, afirma secretário de Guedes

Segundo associações do setor, o texto aprovado vai aumentar o custo da energia para consumidores em R$ 84 bilhões nas próximas décadas

Entre a cruz e a espada

Bitcoin se aproxima da “Cruz da Morte”: O que isso significa para a criptomoeda?

O bitcoin tocou essa linha imaginária no último final de semana, o que deve determinar o futuro da moeda para os próximos meses

Buscando confiança

Números de abril revelam melhora do IRB, mas queda da ação mostra que desconfiança persiste

Estratégia de rever contratos, principalmente no exterior, diminuiu as receitas fora do Brasil, mas ajudou sinistralidade e resultado final

Economia dos eua

Dirigente do Fed admite inflação alta, mas defende contínuo apoio monetário

Presidente da distrital do banco admitiu que as leituras recentes de inflação estão “altas” e devem ser monitoradas de perto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies