Menu
2019-12-28T22:48:03-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).

Bradesco vai fechar 450 agências até o ano que vem para reduzir despesas

Após estourar meta de gastos, o segundo maior banco privado do país pretende fechar 150 locais de atendimento ainda em 2019 e mais de 300 no ano que vem

31 de outubro de 2019
10:51 - atualizado às 22:48
Agência do Bradesco
Imagem: Estadão Conteúdo / Ricardo Lisboa

Depois de estourar a meta de despesas neste ano, o Bradesco decidiu tomar uma série de medidas de redução de custos. E a principal vítima da tesoura será a rede de agências.

O segundo maior banco privado do país pretende fechar 150 locais de atendimento ainda em 2019 e mais de 300 no ano que vem, disse hoje o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari. Ele disse que não há uma região específica onde as agências serão fechadas.

As despesas operacionais e de pessoal do banco atingiram R$ 31,9 bilhões entre janeiro e setembro deste ano. Trata-se de um aumento de 7,5% em relação ao mesmo período de 2018.

Em teleconferência na manhã de hoje com a imprensa para comentar o balanço do terceiro trimestre, Lazari reconheceu que o crescimento das despesas em 2019 ficará acima da meta de até 4% estipulada pelo banco.

"Estamos conscientes de que temos de melhorar e estamos tomando todas as medidas para que isso aconteça", afirmou.

Apesar do aumento de 19,6% no lucro do terceiro trimestre, para R$ 6,542 bilhões, o mercado não reage bem aos números no banco. Por volta das 10h40, as ações preferenciais (BBDC4) eram negociadas em queda de 3,74%, cotadas a R$ 35,30. Leia também nossa cobertura de mercados.

O Bradesco contava com uma rede de 4.567 agências no fim de setembro. Mas com o avanço dos serviços bancários digitais, a necessidade de manutenção de uma ampla rede física de atendimento vem caindo drasticamente.

Junto com o fechamento de agências, o banco tomou outras medidas de contenção de gastos, incluindo um novo programa de demissão voluntária, que até o momento conta com 3 mil adesões, segundo Lazari.

Taxa dos fundos

Além das despesas, o Bradesco sofreu pressão do lado das receitas com prestação de serviços. De janeiro a setembro, o banco arrecadou R$ 24,8 bilhões com a cobrança de tarifas, uma alta de apenas 2,5% em relação ao mesmo período de 2018.

Lazari disse que o banco deve cumprir a meta de crescimento das receitas com serviços, que varia entre 3% e 7%. Mas a expansão ficará mais próxima ao piso das estimativas.

Apesar da maior pressão neste ano, o presidente do Bradesco se revelou otimista com o desempenho das receitas no ano que vem com a perspectiva de aumento na base de clientes tanto da instituição como do o banco digital Next, que deve encerrar o ano com pelo menos 2 milhões de correntistas.

Questionado sobre a perspectiva para as receitas com administração dos fundos em um cenário de Selic mais baixa, Lazari disse que não espera novas reduções nas taxas cobradas pelo Bradesco. "O movimento já foi feito durante o trimestre e hoje as taxas já precificam os juros menores", afirmou aos jornalistas.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Em baixa

Índice alemão IFO de sentimento das empresas sobe levemente em fevereiro

Resultado surpreendeu negativamente analistas consultados pelo The Wall Street Journal

Tensão no exterior

Surto de coronavírus na Itália gera pânico e faz as bolsas globais despencarem

A aversão ao risco toma conta dos mercados globais nesta segunda-feira, em resposta à chegada do coronavírus à Europa. As bolsas do velho continente despencam e os futuros de NY caem forte

Hora de mudar

Doria diz que Brasil deve se reposicionar sobre política ambiental

Governador paulista vê risco de o país ficar cada vez mais fora da mira dos investidores internacionais

Dinheiro no bolso

Bancos distribuem R$ 52 bilhões em dividendos a seus acionistas em 2019

Para este ano, porém, o valor dos dividendos pode ser menor por conta do menor volume de crédito fornecido pelos grandes bancos

Surto mundial

Aústria interrompe tráfego de trens para a Itália por receio do coronavírus

Casos italianos da doença aumentaram para pelo menos 152, o maior número fora da Ásia

Agenda de resultados

Em clima de Carnaval, Ambev divulga balanço anual nesta semana; veja o que esperar dos números

Cervejaria tem tudo para entregar resultados mais positivos em 2019, após sofrer com números fracos e a maior concorrência nos últimos anos

Acesso liberado

Os segredos da bolsa: ações para não ficar de ressaca na quarta-feira de cinzas

Enquanto a bolsa está fechada para o Carnaval, fique atento ao desempenho dos ADRs de companhias brasileiras nos EUA — eles darão uma pista importante sobre como será a reabertura das negociações por aqui, na quarta-feira

Clima tenso na política

Bolsonaro ainda não respondeu carta dos governadores, diz Doria

Mandatários estaduais acusam o presidente de dar declarações que ferem a democracia brasileira

Planejando o futuro

3 erros que você deve evitar ao planejar seus investimentos para aposentadoria

Fique de olho pois nesse longo caminho existem algumas ciladas que muita gente acaba caindo

Os movimentos do magnata

Warren Buffett vendeu mais de US$ 800 milhões em ações da Apple no último trimestre. Mas o que isso significa?

Conheça algumas razões para que esse volume de ações da Apple tenha saído das mãos de um dos maiores investidores do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements