Menu
2019-04-25T10:18:12-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Balanço

De volta ao clube! Bradesco tem lucro acima das projeções e rentabilidade supera os 20%

Banco registrou lucro líquido de R$ 6,238 bilhões no primeiro trimestre, alta de 22,3% em relação ao mesmo período do ano passado, e com retorno sobre o patrimônio de 20,5%

25 de abril de 2019
6:48 - atualizado às 10:18
Agência do Bradesco
Imagem: Estadão Conteúdo / Ricardo Lisboa

O Bradesco abriu a temporada de divulgação dos balanços dos grandes bancos do primeiro trimestre de volta ao seleto clube das instituições com rentabilidade acima dos 20%.

O segundo maior banco privado brasileiro registrou lucro líquido de R$ 6,238 bilhões no primeiro trimestre deste ano, alta de 22,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

O resultado superou com folga as projeções dos analistas, cuja média apontava para um lucro de R$ 6,020 bilhões, de acordo com a Bloomberg.

O avanço no lucro elevou a rentabilidade do Bradesco para 20,5% no primeiro trimestre deste ano. O banco não apresentava um retorno sobre o patrimônio acima de 20% desde o quarto trimestre de 2015. Mas vale lembrar que naquela época os bancos surfavam com a taxa básica de juros (Selic) a 14,25% ao ano.

"Esses níveis são sustentáveis ao longo do ano e ainda podemos apresentar alguma melhora", afirmou o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari, em teleconferência com a imprensa.

Os números aumentam a expectativa para os balanços de Santander e Itaú Unibanco, os outros membros do "Clube dos 20%", que saem na próxima semana.

É o crédito

Depois de passar os últimos anos com o freio de mão puxado no crédito e digerindo a aquisição do HSBC Brasil, que custou R$ 16 bilhões, o Bradesco voltou a acelerar na concessão de financiamentos.

A carteira de crédito do banco atingiu R$ 548,3 bilhões, um avanço de 3,1% no trimestre e de 12,7% em 12 meses. Com o resultado, o banco fica próximo do teto da projeção feita para o crescimento do crédito neste ano, que varia de 9% a 13%.

Nas linhas para pessoas físicas, a alta no crédito foi de 12,6% em 12 meses. As operações de crédito consignado, imobiliário tiveram o maior avanço percentual.

A concessão de novos financiamentos por dia útil do banco cresceu 21,5% nas linhas para pessoas físicas e 30,5% para as empresas na comparação com os três primeiros meses do ano passado.

Com a alta do crédito, a margem financeira do banco, que inclui as receitas do banco com a concessão de financiamentos e o resultado da tesouraria, subiu 4,2% em relação ao primeiro trimestre do ano passado e somou R$ 14,087 bilhões.

Menos calotes

A queda na inadimplência como resultado da melhora ainda que tímida da economia também contribuiu para o resultado.

O índice de atrasos acima de 90 dias na carteira do banco encerrou o primeiro trimestre em 3,27%, abaixo dos 3,51% de dezembro e dos 4,4% registrados em março do ano passado.

Lazari disse que o ciclo de redução da inadimplência está perto do fim, mas ele ainda vê espaço para uma pequena melhora nos índices de calotes nos próximos trimestres.

Com a redução da inadimplência, as despesas do Bradesco para cobrir perdas com crédito, a chamada PDD, caiu 8,4% em relação aos três primeiros meses do ano passado, para R$ 3,6 bilhões.

Tarifas e despesas

A receita do banco com tarifas, que ajudou o banco a manter os lucros bilionários nos anos de crise, agora crescem a uma velocidade menor. Elas somaram R$ 8,074 bilhões, alta de 2,4% na comparação com o primeiro trimestre de 2018 e abaixo da expectativa do banco para o ano como um todo, que prevê um aumento de 3% a 7%.

As despesas também foram piores do que o esperado e atingiram R$ 10,184 bilhões, uma alta de 5,7%, ou seja, acima da inflação acumulada dos últimos 12 meses. A projeção do Bradesco para este ano é de um crescimento de zero a 4% nos gastos.

Lazari creditou o avanço ao maior investimento feito pelo banco em tecnologia e ao provisionamento de gastos para o programa de bônus para a força de vendas na rede de agências.

"Nesse caso, o desvio em relação ao guidance [meta] foi bom", disse o presidente do Bradesco.

As despesas com pessoal aumentaram 6,8% na comparação com os três primeiros meses do ano passado. O banco atribuiu o crescimento ao reajuste dos bancários e ao maior número de funcionários. O Bradesco encerrou o trimestre com um total de 99.156 empregados, um aumento de 1.563 ante março de 2018.

Descolado

O desempenho do banco no trimestre se descolou da atividade econômica do país. Algo que surpreendeu o próprio Bradesco. "A economia não foi exatamente aquilo que gostaríamos e prevíamos quando fizemos o nosso orçamento", disse Lazari.

O banco reduziu a perspectiva de crescimento do PIB para 1,9% neste ano. "Mas acreditamos que a economia vai acelerar com definição da reforma da Previdência", afirmou.

Lazari espera que a reforma seja pouco desidratada. "Uma economia de R$ 1 trilhão em dez anos é fundamental para ajustar a questão fiscal", disse o presidente do Bradesco. Ele considera que uma economia menor com a proposta, de algo como R$ 600 bilhões, já não é mais suficiente para o país.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Triste marca

Brasil registra mais de 500 mil mortos por covid-19

Em 24 horas foram 2.301 óbitos e 82.288 novos casos. Em nota, Conass ressalta que o Brasil tem 2,7% da população mundial, e é responsável por 12,8% das mortes

Here comes the sun

Energia solar ruma para liderança no País até 2050

O sol será responsável por 32% da geração, ao mesmo tempo em que a participação das hidrelétricas deve cair para cerca de 30%

ESTRADA DO FUTURO

Os três setores mais lucrativos em tecnologia, e por que você deve investir neles

Integração entre softwares e Inteligência Artificial são dois dos segmentos que devem fazer parte de qualquer portfólio de investimentos vencedor

Ano de eleição

Promessas de Bolsonaro estouram “folga” do Orçamento em 2022

A ampliação do Bolsa Família e um eventual aumento de 5% nos salários do funcionalismo público já superam o espaço adicional de R$ 25 bilhões para o próximo ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies