Menu
2019-10-31T09:19:53-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Balanço

Bradesco acelera no crédito e lucro sobe para R$ 6,456 bilhões no terceiro trimestre

O resultado representa uma alta de 19,6% em relação ao mesmo período do ano passado e ficou pouco acima da projeção média do mercado. Mas banco sente maior competição na parte de serviços e tem aumento forte nas despesas

31 de outubro de 2019
6:56 - atualizado às 9:19
Banco Bradesco
Imagem: Estadão Conteúdo / André Dusek

Em meio à maior competição pelo mercado de serviços financeiros, o Bradesco decidiu apostar no crédito para manter os lucros bilionários em alta. E a estratégia deu certo. O banco registrou lucro líquido de R$ 6,542 bilhões no terceiro trimestre.

O resultado representa uma alta de 19,6% em relação ao mesmo período do ano passado e ficou pouco acima da projeção média de R$ 6,456 bilhões dos analistas, de acordo com a Bloomberg.

Apesar do lucro maior, o Bradesco segue atrás do Santander em rentabilidade. O retorno do banco alcançou 20,2% no terceiro trimestre, contra 21,1% do rival.

Mais crédito

O saldo da carteira de crédito do Bradesco encerrou setembro em R$ 578,3 bilhões. Trata-se de um avanço de 3,2% no trimestre e de 10,5% em 12 meses. O desempenho mantém o banco dentro da projeção de crescimento para o ano como um todo, que varia de 9% a 13%.

Esse avanço foi puxado pelas linhas de financiamento a pessoas físicas, que aumentaram impressionantes 19% em relação ao terceiro trimestre do ano passado. Mas o crédito para empresas também já começa a dar sinais de retomada, com uma alta de 5,8%.

O crescimento do crédito ajudou a margem financeira a aumentar mesmo em um cenário de queda da taxa básica de juros (Selic) e pressão sobre os spreads.

A linha do resultado que contabiliza as receitas com a concessão de financiamentos menos os custos de captação, aumentou 5,9% em relação ao terceiro trimestre do ano passado e atingiu R$ 14,773 bilhões.

Mais calotes

O índice de inadimplência acima de 90 dias na carteira do Bradesco subiu de 3,2% para 3,6% entre junho e setembro. Em 12 meses o indicador permaneceu estável.

O aumento nos calotes no trimestre não está relacionado com o avanço recente no crédito, como pode parecer, e sim por casos de atrasos em financiamentos concedidos a pessoas jurídicas.

A maior inadimplência também não se traduziu em maiores despesas de provisão para calotes. Na verdade, houve até uma redução de 4,3% no trimestre e de 5,8% na comparação com o mesmo período do ano passado da chamada PDD, que somou R$ 3,336 bilhões.

Mais concorrência

As receitas com prestação de serviços e cobrança de tarifas do Bradesco cresceram 3,7% no terceiro trimestre, para R$ 8,423 bilhões. É justamente aqui onde a concorrência com as novas empresas de tecnologia financeira (fintechs) se faz mais presente.

Em linhas como cartões e administração de fundos, as receitas do banco inclusive registraram queda na comparação com o terceiro trimestre do ano passado. O resultado acabou compensado em outros produtos, como conta corrente e corretagem.

As receitas com serviços registram expansão de apenas 2,5% no acumulado de janeiro a setembro, abaixo do piso da projeção do banco para este ano, que varia de 3% a 7%.

Mais despesas

Em um momento de inflação baixa, também chama a atenção o forte crescimento de 10,1% das despesas administrativas e de pessoal do Bradesco, que atingiram R$ 11,120 bilhões no terceiro trimestre.

Os gastos com funcionários avançaram 12,9% na comparação com o mesmo período do ano passado. O banco atribuiu o avanço aos maiores gastos com proventos e encargos sociais e ao aumento do quadro de funcionários em áreas como as novas agências digitais e o banco digital Next. O que podemos concluir como mais um efeito colateral da maior concorrência com as fintechs.

De janeiro a setembro, as despesas registram um crescimento 7,5% em relação aos nove meses de 2018, bem acima da projeção feita pelo banco, que era de um avanço entre 0% e 4%. Ou seja, se quiser se manter na meta o Bradesco terá de apertar os cintos nos últimos três meses do ano.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Novidades na B3?

Multilaser e Invest Tech entram na fila de pedidos de IPO

As duas empresas engrossam a lista de ofertas em análises na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que já conta com 28 pedidos

Ainda falta chão...

Reforma administrativa dá mais um passo na Câmara dos Deputados

O relator leu hoje seu parecer pela constitucionalidade da proposta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ); votação deve ocorrer a partir do dia 20

Novo momento

Fertilizantes Heringer registra prejuízo líquido de R$ 7,46 milhões no 1º tri

Empresa teve melhor Ebitda da história para um primeiro trimestre, mas resultado foi impactado por despesas financeiras

na b3

GetNinjas estreia em queda na bolsa, após IPO com ação abaixo do previsto

Empresa levantou R$ 550 milhões na oferta inicial de ações, com desconto de quase 20% do valor do papel em relação ao preço mínimo da faixa

Diversificando

BTG Pactual lança fundo de investimento 100% em bitcoin

O lançamento vem em linha com a diversificação de ativos oferecidos pelo banco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies