Menu
2019-10-31T09:19:53-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Balanço

Bradesco acelera no crédito e lucro sobe para R$ 6,456 bilhões no terceiro trimestre

O resultado representa uma alta de 19,6% em relação ao mesmo período do ano passado e ficou pouco acima da projeção média do mercado. Mas banco sente maior competição na parte de serviços e tem aumento forte nas despesas

31 de outubro de 2019
6:56 - atualizado às 9:19
Banco Bradesco
Imagem: Estadão Conteúdo / André Dusek

Em meio à maior competição pelo mercado de serviços financeiros, o Bradesco decidiu apostar no crédito para manter os lucros bilionários em alta. E a estratégia deu certo. O banco registrou lucro líquido de R$ 6,542 bilhões no terceiro trimestre.

O resultado representa uma alta de 19,6% em relação ao mesmo período do ano passado e ficou pouco acima da projeção média de R$ 6,456 bilhões dos analistas, de acordo com a Bloomberg.

Apesar do lucro maior, o Bradesco segue atrás do Santander em rentabilidade. O retorno do banco alcançou 20,2% no terceiro trimestre, contra 21,1% do rival.

Mais crédito

O saldo da carteira de crédito do Bradesco encerrou setembro em R$ 578,3 bilhões. Trata-se de um avanço de 3,2% no trimestre e de 10,5% em 12 meses. O desempenho mantém o banco dentro da projeção de crescimento para o ano como um todo, que varia de 9% a 13%.

Esse avanço foi puxado pelas linhas de financiamento a pessoas físicas, que aumentaram impressionantes 19% em relação ao terceiro trimestre do ano passado. Mas o crédito para empresas também já começa a dar sinais de retomada, com uma alta de 5,8%.

O crescimento do crédito ajudou a margem financeira a aumentar mesmo em um cenário de queda da taxa básica de juros (Selic) e pressão sobre os spreads.

A linha do resultado que contabiliza as receitas com a concessão de financiamentos menos os custos de captação, aumentou 5,9% em relação ao terceiro trimestre do ano passado e atingiu R$ 14,773 bilhões.

Mais calotes

O índice de inadimplência acima de 90 dias na carteira do Bradesco subiu de 3,2% para 3,6% entre junho e setembro. Em 12 meses o indicador permaneceu estável.

O aumento nos calotes no trimestre não está relacionado com o avanço recente no crédito, como pode parecer, e sim por casos de atrasos em financiamentos concedidos a pessoas jurídicas.

A maior inadimplência também não se traduziu em maiores despesas de provisão para calotes. Na verdade, houve até uma redução de 4,3% no trimestre e de 5,8% na comparação com o mesmo período do ano passado da chamada PDD, que somou R$ 3,336 bilhões.

Mais concorrência

As receitas com prestação de serviços e cobrança de tarifas do Bradesco cresceram 3,7% no terceiro trimestre, para R$ 8,423 bilhões. É justamente aqui onde a concorrência com as novas empresas de tecnologia financeira (fintechs) se faz mais presente.

Em linhas como cartões e administração de fundos, as receitas do banco inclusive registraram queda na comparação com o terceiro trimestre do ano passado. O resultado acabou compensado em outros produtos, como conta corrente e corretagem.

As receitas com serviços registram expansão de apenas 2,5% no acumulado de janeiro a setembro, abaixo do piso da projeção do banco para este ano, que varia de 3% a 7%.

Mais despesas

Em um momento de inflação baixa, também chama a atenção o forte crescimento de 10,1% das despesas administrativas e de pessoal do Bradesco, que atingiram R$ 11,120 bilhões no terceiro trimestre.

Os gastos com funcionários avançaram 12,9% na comparação com o mesmo período do ano passado. O banco atribuiu o avanço aos maiores gastos com proventos e encargos sociais e ao aumento do quadro de funcionários em áreas como as novas agências digitais e o banco digital Next. O que podemos concluir como mais um efeito colateral da maior concorrência com as fintechs.

De janeiro a setembro, as despesas registram um crescimento 7,5% em relação aos nove meses de 2018, bem acima da projeção feita pelo banco, que era de um avanço entre 0% e 4%. Ou seja, se quiser se manter na meta o Bradesco terá de apertar os cintos nos últimos três meses do ano.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Queda brusca

Produção de veículos recua 3,5% em fevereiro em comparação anual, diz Anfavea

Frente a janeiro, a produção caiu 1,3%, levando o volume acumulado no primeiro bimestre para 396,7 mil unidades.

Gestora sobe o tom

Fundo Verde se protege no câmbio e diz que governo “falhou miseravelmente” em comprar vacinas

O atraso em proteger a população aparece a olhos vistos, e tem consequências óbvias tanto em termos de vidas quanto em termos econômicos, escreveu a gestora de Luis Stuhlberger

IR 2021

Quer saber quando vai receber sua restituição de IR? Confira o calendário de 2021

Restituição do imposto de renda será, mais uma vez, paga em cinco lotes, entre maio e setembro. Veja o calendário válido para 2021

Vendas no Varejo

Varejo cresce 3%, ativado pelo setor de construção e supermercados

Conforme os dados da Fecomércio, o setor da construção registrou, ao final de 2020, crescimento de 18,7% no faturamento, fechando o ano em R$ 67,6 bilhões

expandindo a produção

PetroRio aumenta participação em campo no pré-sal e ações sobem mais de 4%

Empresa passa a deter 64,3% da concessão, que tem potencial para produzir mais de 140 milhões de barris de óleo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies