Menu
2019-12-29T22:59:13-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Bolsa e dólar hoje

O Ibovespa cedeu à realização de lucros nesta sexta, mas ainda acumulou alta de 1,23% na semana

Após a forte alta acumulada ao longo de dezembro, o Ibovespa cedeu a um movimento de realização de lucros nesta sexta-feira. O clima para os mercados, no entanto, continua bastante tranquilo — tanto é que o dólar à vista terminou em baixa

27 de dezembro de 2019
18:32 - atualizado às 22:59
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A semana foi mais curta e menos movimentada — tivemos apenas três sessões por aqui, todas com baixo volume de negociações em função das festas de fim de ano. O que não mudou foi o comportamento dos ativos brasileiros: o Ibovespa continua avançando, enquanto o dólar à vista segue passando por uma onda de alívio.

Ok, o pregão desta sexta-feira não foi exatamente positivo para o mercado acionário: o principal índice da bolsa brasileira fechou em queda de 0,57%, aos 116.533,98 pontos. No entanto, foi apenas um movimento de correção que não apagou os ganhos recentes: no acumulado da semana, o Ibovespa teve alta de 1,23%.

Foi a quarta semana consecutiva de valorização do índice, que já avançou 7,67% apenas em dezembro. Assim, o Ibovespa caminha para encerrar com chave de ouro um ano que já vinha sendo bastante positivo — há apenas o pregão da próxima segunda-feira (30) antes de a bolsa dar adeus para 2019.

No câmbio, o tom foi igualmente favorável: o dólar à vista terminou a sessão de hoje em queda de 0,28%, a R$ 4,0503, acumulando perdas de 1,08% na semana.

E o que esteve por trás dessa nova rodada de ganhos para os ativos domésticos? Em linhas gerais, pouca coisa mudou nos últimos dias — o cenário externo segue positivo, e as perspectivas para a economia local continuam animadoras.

Tivemos apenas sinalizações marginais — uma declaração de Donald Trump aqui, um dado econômico mais animador ali. Fatores mais que suficientes para dar força ao mercado quando o momento é favorável.

Resoluções de ano novo

Aparentemente, Estados Unidos e China querem começar 2020 sem atritos: após fecharem a primeira fase do acordo comercial, as potências fizeram uma série de sinalizações amistosas — o que animou ainda mais os investidores.

No início da semana, o governo chinês anunciou o corte de tarifas sobre vários produtos de parceiros comerciais, uma medida que foi entendida como um sinal de boa fé em relação aos EUA.

Essa redução, de certa maneira, dá a entender que Pequim está disposto a amenizar as tensões para viabilizar a assinatura do acordo. E, na véspera de Natal, Donald Trump retribuiu a cordialidade, dando declarações otimistas a respeito das negociações.

Segundo o presidente americano, o acordo entre as potências já está finalizado, e uma cerimônia oficial para a assinatura será realizada com a presença dele e do presidente chinês, Xi Jinping. A data ainda não foi definida, mas acredita-se que a formalização dos termos deva ocorrer ainda na primeira metade de janeiro.

Assim, por mais que não tenhamos tido avanços concretos no front da guerra comercial nos últimos dias — a assinatura, afinal, ainda não foi concluída —, os recentes indícios fortalecem a percepção de que a relação entre americanos e chineses está menos turbulenta. E isso animou os mercados.

Nesta sexta-feira, o Dow Jones fechou em alta de 0,08%, buscando um novo recorde de encerramento. O S&P 500 (-0,01%) e o Nasdaq (-0,17%) tiveram leves baixas, mas estão perto de seus topos históricos.

De olho nos números

Por aqui, a agenda econômica foi responsável pelas maiores movimentações nos mercados. E, assim como nas últimas semanas, os dados mais recentes indicam o ganho de tração da atividade no país.

A começar pelo setor de varejo: a Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings (Alshop) reportou um crescimento de 7,5% nas vendas nesses estabelecimentos em 2019, superando as estimativas da própria instituição, que trabalhava com uma expansão de 5% no ano.

Nesta sexta-feira, tivemos a divulgação da taxa de desemprego, que recuou de 11,6% para 11,2% no trimestre encerrado em novembro, de acordo com o IBGE.

A queda reforça a tendência de recuperação da economia observada em outros dados, o que favorece as ações das empresas ligadas ao setor de consumo, grande destaque do rali recente da bolsa.

A melhora na atividade também se refletiu na inflação medida pelo IGP-M, que acelerou e bateu em 2,09% em dezembro, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). O dado assusta à primeira vista, mas ficou levemente abaixo da mediana apurada pela pesquisa Projeções Broadcast, que previa alta de 2,12%.

MRV em foco

No front corporativo, destaque para as ações ON da MRV (MRVE3), que fecharam em alta de 1,90% e lideraram os ganhos do Ibovespa. Mais cedo, a construtora anunciou uma alteração na proposta de incorporação da companhia americana AHS Residential — um movimento que atendeu às demandas dos acionistas minoritários.

Veja quais foram as ações de melhor desempenho do Ibovespa hoje:

  • MRV ON (MRVE3): +1,90%
  • CVC ON (CVCB3): +1,45%
  • Weg ON (WEGE3): +1,41%
  • Cosan ON (CSAN3): +1,39%
  • Azul PN (AZUL4): +1,28%

Confira também as cinco maiores quedas do índice:

  • B3 ON (B3SA3): -5,23%
  • CSN ON (CSNA3): -3,72%
  • Via Varejo ON (VVAR3): -2,54%
  • Lojas Americanas PN (LAME4): -2,10%
  • GPA PN (PCAR4): -1,84%
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

executivo de carreira

Vice-presidente do BB, Walter Malieni, morre aos 50 anos

Executivo de carreira do BB, com mais de 35 anos de casa, Malieni completaria 51 anos em novembro

números da covid

Covid-19: Brasil tem 2,96 milhões de casos e 99,5 mil mortes

Nas últimas 24 horas, foram registrados 1.079 óbitos, segundo o balanço diário do Ministério da Saúde divulgado hoje (7)

Reserva de R$ 1,3 bi para gastos

Iguatemi vai recomprar até 1,3 milhão de ações

Quantidade representa 1,5% dos papéis em circulação da companhia. Ações acumulam queda de mais de 30% no acumulado de 2020

seu dinheiro na sua noite

Uma conversa sobre investimentos para o meu pai

O primeiro salário que recebi na vida foi em julho de 1994, mês inaugural do Plano Real. Foi com esse dinheiro que saí pelas lojas do bairro do Gonzaga, em Santos, em busca de um presente para dar no Dia dos Pais. Desde então, esse sempre foi um problema para mim, porque meu pai não […]

Preferência

Oi fecha acordo de exclusividade com Vivo, Claro e Tim para venda de operação móvel, diz jornal

Após fim da exclusividade da Highline, que desistiu de fazer nova oferta, teles brasileiras passam à frente, com oferta de R$ 16,5 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements