Menu
2019-12-29T22:59:13-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Bolsa e dólar hoje

O Ibovespa cedeu à realização de lucros nesta sexta, mas ainda acumulou alta de 1,23% na semana

Após a forte alta acumulada ao longo de dezembro, o Ibovespa cedeu a um movimento de realização de lucros nesta sexta-feira. O clima para os mercados, no entanto, continua bastante tranquilo — tanto é que o dólar à vista terminou em baixa

27 de dezembro de 2019
18:32 - atualizado às 22:59
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A semana foi mais curta e menos movimentada — tivemos apenas três sessões por aqui, todas com baixo volume de negociações em função das festas de fim de ano. O que não mudou foi o comportamento dos ativos brasileiros: o Ibovespa continua avançando, enquanto o dólar à vista segue passando por uma onda de alívio.

Ok, o pregão desta sexta-feira não foi exatamente positivo para o mercado acionário: o principal índice da bolsa brasileira fechou em queda de 0,57%, aos 116.533,98 pontos. No entanto, foi apenas um movimento de correção que não apagou os ganhos recentes: no acumulado da semana, o Ibovespa teve alta de 1,23%.

Foi a quarta semana consecutiva de valorização do índice, que já avançou 7,67% apenas em dezembro. Assim, o Ibovespa caminha para encerrar com chave de ouro um ano que já vinha sendo bastante positivo — há apenas o pregão da próxima segunda-feira (30) antes de a bolsa dar adeus para 2019.

No câmbio, o tom foi igualmente favorável: o dólar à vista terminou a sessão de hoje em queda de 0,28%, a R$ 4,0503, acumulando perdas de 1,08% na semana.

E o que esteve por trás dessa nova rodada de ganhos para os ativos domésticos? Em linhas gerais, pouca coisa mudou nos últimos dias — o cenário externo segue positivo, e as perspectivas para a economia local continuam animadoras.

Tivemos apenas sinalizações marginais — uma declaração de Donald Trump aqui, um dado econômico mais animador ali. Fatores mais que suficientes para dar força ao mercado quando o momento é favorável.

Resoluções de ano novo

Aparentemente, Estados Unidos e China querem começar 2020 sem atritos: após fecharem a primeira fase do acordo comercial, as potências fizeram uma série de sinalizações amistosas — o que animou ainda mais os investidores.

No início da semana, o governo chinês anunciou o corte de tarifas sobre vários produtos de parceiros comerciais, uma medida que foi entendida como um sinal de boa fé em relação aos EUA.

Essa redução, de certa maneira, dá a entender que Pequim está disposto a amenizar as tensões para viabilizar a assinatura do acordo. E, na véspera de Natal, Donald Trump retribuiu a cordialidade, dando declarações otimistas a respeito das negociações.

Segundo o presidente americano, o acordo entre as potências já está finalizado, e uma cerimônia oficial para a assinatura será realizada com a presença dele e do presidente chinês, Xi Jinping. A data ainda não foi definida, mas acredita-se que a formalização dos termos deva ocorrer ainda na primeira metade de janeiro.

Assim, por mais que não tenhamos tido avanços concretos no front da guerra comercial nos últimos dias — a assinatura, afinal, ainda não foi concluída —, os recentes indícios fortalecem a percepção de que a relação entre americanos e chineses está menos turbulenta. E isso animou os mercados.

Nesta sexta-feira, o Dow Jones fechou em alta de 0,08%, buscando um novo recorde de encerramento. O S&P 500 (-0,01%) e o Nasdaq (-0,17%) tiveram leves baixas, mas estão perto de seus topos históricos.

De olho nos números

Por aqui, a agenda econômica foi responsável pelas maiores movimentações nos mercados. E, assim como nas últimas semanas, os dados mais recentes indicam o ganho de tração da atividade no país.

A começar pelo setor de varejo: a Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings (Alshop) reportou um crescimento de 7,5% nas vendas nesses estabelecimentos em 2019, superando as estimativas da própria instituição, que trabalhava com uma expansão de 5% no ano.

Nesta sexta-feira, tivemos a divulgação da taxa de desemprego, que recuou de 11,6% para 11,2% no trimestre encerrado em novembro, de acordo com o IBGE.

A queda reforça a tendência de recuperação da economia observada em outros dados, o que favorece as ações das empresas ligadas ao setor de consumo, grande destaque do rali recente da bolsa.

A melhora na atividade também se refletiu na inflação medida pelo IGP-M, que acelerou e bateu em 2,09% em dezembro, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). O dado assusta à primeira vista, mas ficou levemente abaixo da mediana apurada pela pesquisa Projeções Broadcast, que previa alta de 2,12%.

MRV em foco

No front corporativo, destaque para as ações ON da MRV (MRVE3), que fecharam em alta de 1,90% e lideraram os ganhos do Ibovespa. Mais cedo, a construtora anunciou uma alteração na proposta de incorporação da companhia americana AHS Residential — um movimento que atendeu às demandas dos acionistas minoritários.

Veja quais foram as ações de melhor desempenho do Ibovespa hoje:

  • MRV ON (MRVE3): +1,90%
  • CVC ON (CVCB3): +1,45%
  • Weg ON (WEGE3): +1,41%
  • Cosan ON (CSAN3): +1,39%
  • Azul PN (AZUL4): +1,28%

Confira também as cinco maiores quedas do índice:

  • B3 ON (B3SA3): -5,23%
  • CSN ON (CSNA3): -3,72%
  • Via Varejo ON (VVAR3): -2,54%
  • Lojas Americanas PN (LAME4): -2,10%
  • GPA PN (PCAR4): -1,84%
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Vem novo rali pela frente?

Bitcoin volta ao patamar dos US$ 12 mil pela primeira vez desde agosto

Depois de dois meses longe das máximas, mas ainda bem acima dos patamares pré-crise, o ativo parece ter recuperado fôlego e chegou a ser negociado a US$ 12.047,10 nesta terça-feira.

Empréstimos sem autorização

C6 Bank é notificado pelo Procon-SP por operações de crédito não solicitadas

O órgão afirma que foram registradas 149 queixas contra o C6 no mês passado e comparou com maio, quando apenas uma reclamação foi registrada

Retomada

BR Distribuidora, Cosan e Ultrapar: o que esperar dos resultados do terceiro trimestre

Depois de ficarem com os postos às moscas no auge da pandemia do coronavírus, as distribuidoras de combustíveis devem voltar a ter resultados melhores, segundo o Credit Suisse

Destaques da bolsa

Ações de bancos disparam em dia de volta do Ibovespa aos 100 mil pontos

Papéis de BTG Pactual e Bradesco estão entre as cinco maiores altas do índice neste momento; ações de BB, Itaú e Santander também sobem forte

Aegea vence leilão de concessão de esgotamento sanitário de Cariacica e Viana, no Espírito Santo

Empresa terá de universalizar acesso à rede de esgoto até o décimo ano de contrato

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies