Menu
2019-10-14T14:09:41-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
O lucrão voltou

Quebrando jejum que durava mais de um ano, BB Seguridade volta a ter lucro líquido acima de R$ 1 bilhão

Resultado veio acima das expectativas e fez a diretoria ampliar a dose de otimismo em relação aos números em 2019

6 de maio de 2019
19:34 - atualizado às 14:09
Fachada do edifício sede do Banco do Brasil em Brasília.
Resultados da BB Seguridade vieram fortes no 1º trimestre - Imagem: Fernando Bizerra/Agência Senado

Ô, o bilhão voltou! A BB Seguridade, holding que concentra os negócios de seguros do Banco do Brasil, superou uma sequência de jejum ao registrar no 1º trimestre de 2019 um lucro líquido ajustado de R$ 1,01 bilhão. O resultado, acima das estimativas dos analistas consultados pela Bloomberg, marcou um crescimento de 11,7% em relação ao mesmo período do ano passado, quando a companhia registrou R$ 907,389 milhões de lucro.

E a holding do BB tem motivos de sobra para justificar a alta no lucro. O balanço divulgado nesta segunda-feira, 6, mostra que o desempenho foi apoiado na evolução de 60,8% do resultado financeiro das empresas do grupo, combinando fatores como deflação do IGP-M e alta do IPCA, que juntos jogaram os resultados com planos de previdência para o alto.

A companhia encerrou março com patrimônio líquido de R$ 7,792 bilhões, cifra 20,5% menor em um ano. Antes os três meses anteriores, foi 14,1% maior. O retorno ajustado (RSPL) foi a 58,9% no primeiro trimestre, crescimento de 18,5 pontos porcentuais em um ano, de 40,4%. Nos três meses anteriores, estava em 41,4%.

A BB Seguridade somava R$ 7,803 bilhões em ativos totais no primeiro trimestre, queda de 20,4% em um ano. Em relação aos três meses imediatamente anteriores, o montante se reduziu em 28,4%.

Otimismo é a palavra de ordem

Os resultados trimestrais animaram a diretoria da BB Seguridade. Diante do lucro acima do esperado, a empresa manteve suas projeções anuais, esperando um crescimento entre 5% e 10% no lucro em 2019.

Sobre as reservas de previdência, a companhia diz esperar um salto de 7% a 10% no ano, sendo que no primeiro trimestre o aumento ficou em 9,0%.

Já sobre os prêmios relativos às áreas de seguro de vida, habitacional e rural, a empresa espera alta de 7% a 12% neste ano. De janeiro a março, cresceu 17,5%, também acima da expectativa.

Nem tudo são flores

O lucro pode ter subido, mas a BB Seguridade acabou amargando alguns reveses no trimestre. O primeiro deles é com relação ao patrimônio líquido, que encolheu 20,5% na comparação anual e fechou o trimestre em R$ 7,792 bilhões.

O segundo revés veio através dos prêmios e arrecadações, que encolheram 12% na comparação anual e fecharam março em R$ 11,189 bilhões. Destrinchando esses dados, a empresa apresentou alta de 15% em seus prêmios de seguros emitidos no canal bancário. Já os seguros de vida, habitacional e residencial cresceram 9,0%, 10,1% e 9,6%, respectivamente.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

sinais ambíguos

Bolsonaro cita respeito a teto de gastos, mas acerta R$ 5 bi extras para obras

Uso de créditos extraordinários, sob o argumento de estimular a economia no pós-covid-19, é defendido pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho

gritty investidor

Quatro passos importantes para avaliar se uma empresa é bom negócio

Vou compartilhar com você quatro pontos importantes para ver uma empresa na bolsa

Disputa corporativa

Totvs entra na disputa pela Linx contra a Stone com oferta igual para todos os acionistas

A proposta formalizada hoje pela Totvs avalia a Linx em R$ 6,1 bilhões e não prevê pagamento adicional a conselheiros da empresa como a oferta da Stone

efeitos da pandemia

BNDES registra prejuízo contábil de R$ 582 milhões no 2º trimestre

prejuízo foi motivado por ajustes negativos de equivalência patrimonial em empresas investidas e por provisionamentos para risco de crédito visando a cobertura de eventuais perdas decorrentes do cenário de pandemia da covid-19

em queda

Prévia do PIB cai 6,28% no 1º semestre, diz BC

No Relatório de Mercado Focus divulgado pelo BC na última segunda-feira, a projeção é de queda de 5,62% do PIB em 2020

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements