Menu
2019-09-13T12:53:52-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
E eu com isso?

Como investidor, devo me preocupar com a nova crise argentina?

A vitória iminente da oposição nas eleições presidenciais do país vizinho não está sendo bem recebida pelos mercados e contagia o Brasil

13 de setembro de 2019
12:00 - atualizado às 12:53

A provável vitória do candidato da oposição à presidência da Argentina deixou o país numa situação ainda mais complicada. Os mercados reagiram mal, e o movimento acabou contagiando os ativos brasileiros, notadamente o câmbio. No vídeo a seguir, eu explico como e porque a nova crise dos hermanos pode afetar o investidor brasileiro:

Leia a transcrição do vídeo sobre a crise na Argentina

A Argentina escolhe o seu próximo presidente no final de outubro, e o resultado das prévias eleitorais e das pesquisas mostram que Alberto Fernández, que tem a ex-presidente Cristina Kirchner como candidata a vice, deve mesmo ganhar. E o possível retorno do kirchnerismo não causa tensão só nos mercados hermanos. O Brasil também vem sentindo os seus efeitos. Crise na Argentina: e eu com isso?

No começo de agosto, o resultado das prévias eleitorais argentinas levaram os nossos vizinhos a uma nova crise. A vitória de Fernández representou o triunfo de uma chapa potencialmente populista sobre o governo de aspirações liberais de Mauricio Macri.

Os mercados não gostaram nada nada. No primeiro pregão depois do resultado, a bolsa portenha despencou 30%, o dólar fechou em alta de 15% sobre o peso, e o banco central do país se viu obrigado a subir os juros em cerca de dez pontos percentuais, pra 74%.

De lá para cá, já teve congelamento de preços, aumento do salário mínimo, restrição à compra de dólares, demissão de ministro da Fazenda, rebaixamento de nota de classificação de risco e até calote seletivo.

Apesar das rivalidades no futebol, problemas na Argentina são preocupantes para os brasileiros para além das eventuais relações de amizade entre os dois países. A Argentina é um importante parceiro comercial do Brasil, então é claro que crises econômicas e políticas por lá podem ter efeitos negativos no nosso comércio internacional. Além disso, tem a questão do Mercosul. Se o governo argentino não for alinhado ao governo brasileiro - o que vai ser o caso se Alberto Fernández de fato ganhar - as negociações na esfera do bloco tendem a ficar mais difíceis.

Por sinal, logo depois que o resultado das prévias foi divulgado, surgiram dúvidas em relação ao futuro do tratado de livre-comércio que o Mercosul fechou recentemente com a União Europeia. Felizmente, um acordo fechado pelos membros do Mercosul em julho garantiu que o Brasil não dependa mais da aprovação do parlamento dos demais países do bloco pra que novas regras relativas a temas econômicos e comerciais entrem em vigor por aqui. Basta que o nosso Congresso aprove.

No mercado financeiro, bolsa e câmbio também podem ser afetados. Do ponto de vista dos investidores internacionais, Brasil e Argentina estão dentro das mesmas caixinhas: a dos países emergentes e a de América Latina. Fora que os dois países compartilham alguns aspectos históricos, como uma certa predileção por governos intervencionistas.

Isso pode fazer com que os fundos de investimento com exposição regional a emergentes ou países latino-americanos retirem recursos da região quando uma crise se abate sobre um deles. Um processo semelhante acontece com as moedas locais. Em situações de crise, elas passam a ser vistas como arriscadas e tendem a se desvalorizar em bloco frente ao dólar.

Por fim, existe ainda a questão das empresas brasileiras abertas em bolsa cujas receitas são, em parte, atreladas à economia argentina. Quando os hermanos passam por dificuldades, vale a pena ficar de olho nas suas ações, que podem acabar sofrendo.

Gostou do vídeo? Então não deixe de se inscrever no canal do Seu Dinheiro no YouTube e clicar no sininho para receber as notificações. E pode deixar dúvidas e ideias para outros vídeos no campo dos comentários.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

saúde na bolsa

Bank of America: Com foco em saúde, ação da SulAmérica tem potencial de alta e perspectiva positiva

Para o banco, a companhia opera 70% abaixo do potencial e tem espaço para crescer e se aproximar dos outros players do mercado de saúde

PESSIMISMO

Risco fiscal impede Brasil de aproveitar bom momento dos mercados globais

Rogério Xavier, da SPX Capital, e Carlos Woelz, da Kapitalo Investimentos, criticam duramente falta de interesse em controlar contas públicas

Substituição barrada

Investidores de debêntures da Rodovias do Tietê rejeitam venda da empresa para Latache

Venda para fundo foi rejeitada pelos debenturistas da concessionária, que possui pelo menos R$ 1,5 bilhão em dívidas, a maior parte na mão de pequenos investidores

Termômetro da crise

Pedidos de auxílio-desemprego sobem 30 mil na semana nos EUA, a 778 mil

O total de pedidos da semana anterior foi ligeiramente revisado para cima, de 742 mil para 748 mil.

Número se manteve

PIB dos EUA sobe à taxa anualizada de 33,1% na 2ª leitura do 3º tri

A próxima leitura do BEA sobre o PIB americano será divulgada em 22 de dezembro, às 10h30 (de Brasília).

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies