Menu
2019-09-13T12:53:52-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
E eu com isso?

Como investidor, devo me preocupar com a nova crise argentina?

A vitória iminente da oposição nas eleições presidenciais do país vizinho não está sendo bem recebida pelos mercados e contagia o Brasil

13 de setembro de 2019
12:00 - atualizado às 12:53

A provável vitória do candidato da oposição à presidência da Argentina deixou o país numa situação ainda mais complicada. Os mercados reagiram mal, e o movimento acabou contagiando os ativos brasileiros, notadamente o câmbio. No vídeo a seguir, eu explico como e porque a nova crise dos hermanos pode afetar o investidor brasileiro:

Leia a transcrição do vídeo sobre a crise na Argentina

A Argentina escolhe o seu próximo presidente no final de outubro, e o resultado das prévias eleitorais e das pesquisas mostram que Alberto Fernández, que tem a ex-presidente Cristina Kirchner como candidata a vice, deve mesmo ganhar. E o possível retorno do kirchnerismo não causa tensão só nos mercados hermanos. O Brasil também vem sentindo os seus efeitos. Crise na Argentina: e eu com isso?

No começo de agosto, o resultado das prévias eleitorais argentinas levaram os nossos vizinhos a uma nova crise. A vitória de Fernández representou o triunfo de uma chapa potencialmente populista sobre o governo de aspirações liberais de Mauricio Macri.

Os mercados não gostaram nada nada. No primeiro pregão depois do resultado, a bolsa portenha despencou 30%, o dólar fechou em alta de 15% sobre o peso, e o banco central do país se viu obrigado a subir os juros em cerca de dez pontos percentuais, pra 74%.

De lá para cá, já teve congelamento de preços, aumento do salário mínimo, restrição à compra de dólares, demissão de ministro da Fazenda, rebaixamento de nota de classificação de risco e até calote seletivo.

Apesar das rivalidades no futebol, problemas na Argentina são preocupantes para os brasileiros para além das eventuais relações de amizade entre os dois países. A Argentina é um importante parceiro comercial do Brasil, então é claro que crises econômicas e políticas por lá podem ter efeitos negativos no nosso comércio internacional. Além disso, tem a questão do Mercosul. Se o governo argentino não for alinhado ao governo brasileiro - o que vai ser o caso se Alberto Fernández de fato ganhar - as negociações na esfera do bloco tendem a ficar mais difíceis.

Por sinal, logo depois que o resultado das prévias foi divulgado, surgiram dúvidas em relação ao futuro do tratado de livre-comércio que o Mercosul fechou recentemente com a União Europeia. Felizmente, um acordo fechado pelos membros do Mercosul em julho garantiu que o Brasil não dependa mais da aprovação do parlamento dos demais países do bloco pra que novas regras relativas a temas econômicos e comerciais entrem em vigor por aqui. Basta que o nosso Congresso aprove.

No mercado financeiro, bolsa e câmbio também podem ser afetados. Do ponto de vista dos investidores internacionais, Brasil e Argentina estão dentro das mesmas caixinhas: a dos países emergentes e a de América Latina. Fora que os dois países compartilham alguns aspectos históricos, como uma certa predileção por governos intervencionistas.

Isso pode fazer com que os fundos de investimento com exposição regional a emergentes ou países latino-americanos retirem recursos da região quando uma crise se abate sobre um deles. Um processo semelhante acontece com as moedas locais. Em situações de crise, elas passam a ser vistas como arriscadas e tendem a se desvalorizar em bloco frente ao dólar.

Por fim, existe ainda a questão das empresas brasileiras abertas em bolsa cujas receitas são, em parte, atreladas à economia argentina. Quando os hermanos passam por dificuldades, vale a pena ficar de olho nas suas ações, que podem acabar sofrendo.

Gostou do vídeo? Então não deixe de se inscrever no canal do Seu Dinheiro no YouTube e clicar no sininho para receber as notificações. E pode deixar dúvidas e ideias para outros vídeos no campo dos comentários.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Ficou para 31 de maio

Bolsonaro veta novo adiamento de prazo para entrega do Imposto de Renda

O presidente aceitou a recomendação feita pelo Ministério da Economia, que previa um impacto negativo na arrecadação da União e estados com uma nova data

Mudança nos juros

COMPARATIVO: Veja o que mudou no novo comunicado do Copom

Veja o que ficou igual e o que mudou na decisão do Copom a respeito da taxa Selic, elevada ao patamar de 3,5% ao ano

CRYPTO NEWS

O mercado está cheio de bitcoin, mas as prateleiras estão vazias

O fluxo de saída da criptomoeda mais famosa das exchanges é algo inédito deste ciclo e pode representar a falta do ativo nas exchanges de cripto

DIA DE DECISÃO

Copom eleva Selic para 3,5% ao ano e indica aumento semelhante na próxima reunião

Essa é a segunda alta consecutiva da Selic em 0,75 ponto percentual — no começo do ano, a taxa de juros estava nas mínimas históricas, em 2% ao ano

FECHAMENTO

Dólar recua e bolsa sobe com mercado dando alta da Selic como certa e forte desempenho das siderúrgicas

No exterior, as bolsas operam sem um sinal único definido. Por aqui, os investidores aguardam a decisão do Copom

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies