Menu
2020-06-20T16:50:43-03:00
em meio à pandemia

Argentina espera protestos contra intervenção do governo em empresa privada

Governo anunciou a intervenção na Vicentín por 60 dias. Segundo a Casa Rosada, o objetivo era evitar a falência

20 de junho de 2020
16:48 - atualizado às 16:50
Alberto Fernández, presidente da Argentina
Alberto Fernández, presidente da Argentina - Imagem: Shutterstock

A decisão do presidente da Argentina, Alberto Fernández, de intervir na companhia de grãos e derivados Vicentín segue causando desconforto em analistas do mercado e no setor produtivo local. Apesar do avanço do novo coronavírus, cuja contenção exige distanciamento social, a tarde deste sábado, 20, inclusive, deve ser de protestos em várias cidades do país, com bandeiras em defesa da exportadora cerealista e da propriedade privada.

Em 9 de junho, o governo argentino, por decreto, anunciou a intervenção na Vicentín por 60 dias. Segundo a Casa Rosada, o objetivo era evitar a falência - o fato foi considerado como inconstitucional pela oposição. Fernández ainda pretende enviar projeto de lei para o Congresso, visando declarar a exportadora como empresa de interesse nacional e estatizá-la em caráter definitivo.

A intenção assustou líderes agrícolas da Argentina, que têm convocado protestos para evitar uma suposta escalada intervencionista no país. Atos são esperados na capital Buenos Aires e também em outras cidades importantes, como Mendoza e Rosario.

Analistas dizem que o decreto do governo argentino sobre a Vicentín acaba por reavivar temores em relação à volta do kirchnerismo. O presidente Alberto Fernández é temido desde a eleição presidencial do ano passado, justamente por sua ligação íntima com os ex-presidentes Néstor Kirchner e Cristina Kirchner.

"Não estamos atacando propriedades privadas, estamos resgatando uma empresa falida, cujos próprios proprietários pediram ao Estado para assumi-la. Se não (digo isso), pareço um louco que se levanta e pede para desapropriar empresas", defendeu-se hoje o presidente argentino em entrevista à rádio El Destape. À emissora, ele ainda disse não estar preocupado com as manifestações convocadas para esta tarde.

Seja como for, a intervenção na Vicentín, rechaçada pela oposição e pelo setor agrícola do país, que vê um "precedente perigoso", tampouco foi aprovada por analistas do mercado. "Essa decisão envia um sinal negativo para a comunidade empresarial do país, preocupada que a aquisição de ativos seja novamente uma possibilidade. Tudo isso reforça a tendência negativa para o país", diz Daniel Kerner, diretor para América Latina do Eurasia Group. "Este não é o começo de um plano para nacionalizar várias empresas. Não é isso que Fernández está pensando, mas mostra que o governo responderá aos crescentes problemas econômicos aumentando a intervenção do Estado."

O UBS também vê como negativas as notícias de intervenção na Vicentín, mas diz que o caso guarda diferenças com a nacionalização da petrolífera Yacimientos Petrolíferos Fiscales (YPF), expropriada pela então presidente Cristina Kirchner em 2013, alegando preocupações com a soberania energética. "Diferentemente da situação atual da Vicentín, que entrou em contato com os credores, a YPF não teve um problema de estresse financeiro quando sofreu a intervenção", diz o banco.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

tecnologia na bolsa

Como a Locaweb virou sensação da bolsa depois de um IPO às vésperas da pandemia

Empresa estreou em fevereiro na B3 e surfou na digitalização do varejo; agora, mira novas aquisições e busca fortalecer marcas internas

Teste de fé

Segredos da bolsa: Powell e Campos Neto testam a fé dos investidores nos banqueiros centrais

Testemunhos do presidente do Fed perante a Câmara e o Senado dos EUA e coletiva de Campos Neto tendem a inspirar cautela entre os investidores

dinheiro estrangeiro

Sem reformas, fim da pandemia pode não trazer investimentos

Desde 2015, a participação de estrangeiros nos títulos de dívida pública caiu de 20,8% para 9%; quadro fiscal piorou com a pandemia

coronavírus

Doria anuncia que São Paulo receberá 5 milhões de doses de CoronaVac

Segundo o governador de São Paulo, previsão é de que haja 46 milhões de doses até dezembro

o app dos jovens

TikTok banido dos EUA? Entenda a polêmica em torno do aplicativo

Trump prometeu tirar o aplicativo chinês do país neste domingo, mas medida não deve ser colocada em prática; entenda as razões por trás da ofensiva americana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements