O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-04-19T07:01:23-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
VIZINHO INCORRIGÍVEL

A Argentina ataca novamente: conheça o imposto inventado pelos hermanos para compensar o aumento dos auxílios

Imposto sobre ‘ganhos inesperados’ será cobrado de empresas com sede na Argentina com lucro líquido superior a 1 bilhão de pesos

19 de abril de 2022
6:53 - atualizado às 7:01
Alberto Fernández, presidente da Argentina
Alberto Fernández, presidente da Argentina - Imagem: Shutterstock

Sempre que você pensar que a Argentina não pode mais te surpreender em termos de medidas econômicas, não se iluda.

Dolarização, desdolarização, calote e corralito ganham agora a companhia do "imposto sobre ganho inesperado". E não tem nada a ver com prêmios de loteria ou heranças. Mas vamos por partes.

O governo argentino anunciou na noite de segunda-feira, 18, uma série de medidas econômicas com a intenção de restabelecer o poder de compra da população e combater os efeitos do choque causado pela guerra na Ucrânia.

Argentina cria imposto sobre 'ganhos inesperados'

Entre os elementos, está o aumento nos valores de uma série de auxílios pagos pelo governo, incluindo apoios para aposentados e trabalhadores sem renda formal. Até aqui, tudo bem.

A questão é que, para tentar compensar os custos com as medidas, a administração anunciou um novo tributo: o imposto sobre "ganhos inesperados".

"Temos de pedir àqueles que tiveram um ganho inesperado que contribuam", afirmou o presidente Alberto Fernández em evento na Casa Rosada no qual discursou sobre as ações.

Na visão de Fernández, é necessário que as "grandes empresas contribuam para gerar mais desenvolvimento e igualdade".

Também presente, o ministro da Economia local, Martín Guzmán, afirmou que será estabelecida uma alíquota sobre tais componentes inesperados de receita em empresas que tenham lucros líquidos tributáveis superiores a 1 bilhão de pesos no ano. A quantia é equivalente a pouco mais de R$ 40 milhões.

Critérios

"Se essa renda inesperada for canalizada para o investimento produtivo, o valor da contribuição será menor, porque buscamos ter uma Argentina com mais capacidade de gerar trabalho", afirmou Guzmán.

Segundo ele, o objetivo central do governo é "garantir o crescimento do poder de compra dos trabalhadores em todo o espectro laboral e produtivo".

"As metas dos planos fiscal, monetário e de acumulação de reservas foram cumpridas. Ou seja, a política econômica executada está alinhada com o planejado", disse o ministro.

"O que estamos procurando é construir um mecanismo para garantir que o choque da guerra não tenha um impacto desigual e regressivo em nossa sociedade", apontou Guzmán.

Ainda de acordo com ele, as medidas promovem a real recuperação do poder aquisitivo no país.

*Com informações do Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

BALANÇO

De mudança para os EUA, Inter (BIDI11) lucra R$ 27,5 milhões no primeiro trimestre; confira os destaques do banco digital

O Inter também ultrapassou a marca dos 18 milhões de clientes entre janeiro e março, alta de 82% na comparação com o mesmo período de 2021

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa contraria Nova York e sobe mais de 1%, de olho em fraqueza chinesa e futuro da Selic

O futuro da taxa de juros esteve em pauta no Ibovespa, em Wall Street e na China, onde a desaceleração da economia preocupa

Balanço

Nubank (NUBR33) registra prejuízo menor do que o esperado no 1T22, mas inadimplência dispara. Veja os destaques do balanço

Índice de inadimplência acima de 90 dias do Nubank aumentou 0,7 ponto percentual na passagem do 4T21 para o 1T22

Lucro líquido da Itaúsa (ITSA4) salta para R$ 3,7 bilhões no primeiro trimestre; veja quando a holding pagará dividendos

Segundo a empresa, esse é o melhor primeiro trimestre de sua história e reflete a solidez do portfólio, que inclui a participação no Itaú e na XP

Carreira

Alunos da USP têm prioridade no mercado de trabalho? Nem sempre os ‘selecionados’ da Fuvest vão ‘roubar’ seu emprego

A universidade faz tanta diferença na sua carreira? Nós respondemos essa pergunta sobre como a USP influencia sua empregabilidade

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies