Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-04-06T12:30:08-03:00
Estadão Conteúdo
Situação de emergência

Argentina posterga pagamento de até US$ 10 bilhões da dívida pública para 2021

Texto do decreto cita a declaração de emergência nacional, em meio ao avanço da covid-19, para justificar a medida.

6 de abril de 2020
12:30
Argentina
Imagem: Shutterstock

O governo da Argentina emitiu nesta segunda-feira, 6, um decreto em que posterga para 2021 o pagamento de juros e amortização de títulos da dívida pública nacional, em meio ao cenário de "inconsistência macroeconômica" trazido pela pandemia de coronavírus. Segundo cálculos da imprensa argentina, o default técnico pode variar de US$ 5 bilhões a US$ 10 bilhões.

O texto do decreto cita a declaração de emergência nacional, em meio ao avanço da covid-19, para justificar a medida.

De acordo com a legislação, embora esteja comprometido a acabar com o ciclo de endividamento, "que destrói oportunidade e gera profundos desequilíbrios sociais", o governo precisa de mais tempo para recompor o programa financeiro do país.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

De volta ao jogo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 6,25%

Renda fixa “voltou ao jogo”, mas ainda não dá para ficar rico. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

entrevista

BC briga para recuperar a credibilidade e poderia ter acelerado alta da Selic, diz economista-chefe da gestora Garde

Para Daniel Weeks, BC passou mais tempo do que o necessário com a sinalização de que manteria taxa de juros muito baixas; ele avalia que aumento poderia ter sido de 1,25 ponto e que discussão sobre fim do ciclo de ajustes ainda não acabou

Seu Dinheiro na sua noite

Seguindo a rota planejada

Decisão da Selic pelo Copom, juros nos Estados Unidos, dólar em alta e muitas outras notícias que mexeram com o mercado hoje

Vai mudar

Ultrapar (UGPA3): Marcos Lutz, ex-presidente da Cosan, assumirá como CEO em janeiro de 2022

Lutz já era membro do conselho de administração da Ultrapar (UGPA3) e, após o período como CEO, deve virar presidente do colegiado

Bota para subir

Após nova alta da Selic, FMI apoia aperto monetário adotado pelo Banco Central para combater inflação

Os diretores do órgão também aprovam o compromisso do BC intervenções limitadas para conter condições desordenadas de mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies