A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2022-07-03T13:17:38-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Hermanos em crise

‘Fritado’ por Cristina Kirchner, ministro da Economia da Argentina renuncia; país toma medidas para conter a saída de dólares

Martín Guzmán pediu demissão em meio à crise política que contrapôs o presidente Alberto Fernández e o grupo liderado pela vice-presidente Cristina Kirchner

3 de julho de 2022
13:17
Martín Guzman como Ministro da Economia da Argentina
Martín Guzman como Ministro da Economia da Argentina. - Imagem: Gabriella Clare Marino/Wikimedia Commons

O ministro da Economia da Argentina, Martín Guzmán, renunciou ao cargo neste sábado, 2, em meio à crise política que contrapôs o presidente do país, Alberto Fernández, e o grupo liderado pela vice-presidente Cristina Kirchner. O governo ainda não anunciou um novo nome para comandar a pasta.

Após Guzmán anunciar renúncia ao cargo, o secretário de Fazenda do governo, Raúl Enrique Rigo, também informou que deixará a equipe econômica. Número 2 da pasta desde 2019, Rigo defendia a política capitaneada pelo chefe e criticada pela vice-presidente Cristina Kirchner.

Em mais de duas décadas de carreira, Rigo teve passagens por diversas áreas do serviço público e atuou como Subsecretário do Orçamento Nacional entre 2002 e 2017. O economista também foi assessor presidencial em diferentes governos.

Carta publicada no Twitter

Em carta endereçada a Fernández publicada no Twitter, Martín Guzmán não especificou os motivos que levaram à decisão, mas defendeu a política econômica adotada desde que tomou posse, em 2019. Em particular, o economista de 39 anos enfatizou os desafios na reestruturação da dívida externa, que vinha sendo duramente criticada por Kirchner.

"Jogamos muito duro, com ações concretas, a grande maioria invisíveis ao público devido às características do problema a ser resolvido, e não com retórica inconsequente", escreveu.

Guzmán buscou apresentar uma retrospectiva da sua gestão à frente do ministério, a começar pela recessão deflagrada pela pandemia de coronavírus.

Segundo ele, as autoridades argentinas trabalharam para mitigar o "golpe tremendo" causado pela covid-19. "Quando mais necessitava do Estado para conseguir proteger o tecido social e produtivo da nação, nos encontramos com um Estado profundamente debilitado", pontuou.

O foco da carta, no entanto, se concentrou na questão do endividamento. Em 2020, Buenos Aires fechou um acordo para reestruturar US$ 65 bilhões em dívida soberana com três grupos de credores estrangeiros. Em seguida, o governo voltou o foco para o passivo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), emitido durante a gestão do ex-presidente Mauricio Macri, que enfrentou uma crise de forte desvalorização do peso argentino.

Em março deste ano, o país latino-americano acertou um acordo para pagar cerca de US$ 44 bilhões ao FMI entre 2026 e 2034. Como contrapartida, a gestão de Guzmán se comprometeu a reduzir o déficit fiscal de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021 para 0,9% em 2024.

O pacto, entretanto, dividiu o governo de Fernández. A vice-presidente Kirchner fez diversas críticas públicas às promessas de redução dos gastos públicos. A ex-presidente também demonstrou insatisfação com a política energética e a diminuição dos subsídios a combustíveis.

Inflação

A Argentina enfrenta uma das mais elevadas taxas de inflação no mundo, com o índice de preços ao consumidor em alta de mais de 60% na comparação anual de maio.

O cenário intensifica o movimento de fuga de dólares do país, cujas reservas internacionais estão em níveis ínfimos. Desde o início do ano, o dólar avançou mais de 20% ante o peso argentino, cotado a 125,453 pesos na sexta-feira, dia 1º.

Argentina veta parcelamento de compras no exterior para conter a saída de dólares

O Banco Central da República da Argentina (BCRA) decidiu proibir o parcelamento de compras realizadas no exterior, em mais um esforço para conter a saída de dólares do país e mitigar a recente desvalorização do peso argentino.

Em comunicado, a autoridade monetária informou que, a partir da próxima segunda-feira, dia 4, operadoras de cartão de crédito e provedoras de serviços financeiros poderão autorizar compras fora do país apenas à vista. A medida deve conter o consumo estrangeiro, já que a nação latino-americana enfrenta uma série de dificuldades econômicas.

Desde o início do ano, o dólar avançou mais de 20% ante o peso argentino, cotado a 125,453 pesos nesta sexta-feira, 1. Buenos Aires dispõe de reservas limitadas de moedas internacionais, em um cenário de inflação elevada e aperto monetário. No final do mês passado, o Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou o desembolso imediato de cerca de US$ 4 bilhões ao país.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

BALANÇO

Inter (INBR31) reverte prejuízo em lucro de R$ 15,5 milhões no segundo trimestre; confira os números

15 de agosto de 2022 - 21:01

No semestre encerrado em 30 de junho de 2022, o Inter superou a marca de 20 milhões de clientes, que equivale a 22% de crescimento no período

BALANÇO DA HOLDING

Lucro líquido da Itaúsa (ITSA4) recua 12,5% no segundo trimestre, mas holding anuncia JCP adicional; confira os destaques do balanço

15 de agosto de 2022 - 19:52

A Itaúsa (ITSA4) esperou até o último dia da temporada de balanços para revelar os números do segundo trimestre. E a paciência dos investidores não foi recompensanda: a companhia lucrou R$ 3 bilhões, uma queda de 12,5% na comparação com o mesmo período do ano passado. O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) sobre o […]

BALANÇO

Resultado da Méliuz (CASH3) piora e empresa de cashback registra prejuízo líquido de R$ 28,2 milhões no segundo trimestre

15 de agosto de 2022 - 19:07

Os papéis da Méliuz amargam perdas de 87% no ano, mas entraram no mês de agosto em tom mais positivo, com ganho mensal de 7%

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Magazine Luiza (MGLU3) dá a volta por cima, XP vai às compras e futuro do ethereum; confira os destaques do dia

15 de agosto de 2022 - 18:52

Há pouco mais de dois meses, quando conversei com diversos analistas e gestores de mercado sobre as expectativas para o segundo semestre, poucos foram aqueles que apostaram nos setores de grande exposição à economia doméstica como boas alternativas para a segunda metade do ano.  Não que empresas ex-queridinhas como Magazine Luiza (MGLU3), Via (VIIA3) e […]

ACIONISTAS FELIZES

Dividendos: Itaúsa (ITSA4) pagará JCP adicional e data de corte é nesta semana; veja como receber

15 de agosto de 2022 - 18:47

Vale lembrar que, após a data de corte, as ações serão negociadas “ex-direitos” e passarão por um ajuste na cotação referente aos proventos já alocados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies