Menu
2019-04-05T10:20:14-03:00
Como já esperado

Queda na venda de iPhones puxa lucro da Apple no 4º trimestre

Apesar do mau desempenho do iPhone, o mercado reagiu com otimismo ao balanço financeiro da companhia, com as ações subindo 5% em NY

30 de janeiro de 2019
6:39 - atualizado às 10:20
Loja da Apple em Nova York
Imagem: shutterstock

A Apple confirmou as previsões e teve queda de 5% no faturamento entre outubro e dezembro de 2018, na casa de US$ 84,3 bilhões. A informação é do "Broadcast", do Estadão, desta quarta-feira, 30.

O mau desempenho foi puxado pela baixa venda de iPhones no último trimestre. Responsável por 61% do faturamento da empresa no período, a divisão de smartphones viu sua receita cair 15% em relação ao mesmo período de 2017.

A notícia já era esperada: no início do mês, as ações da empresa caíram cerca de 9% no pregão da Nasdaq - bolsa que reúne as principais empresas de tecnologia - depois que Tim Cook, presidente executivo da companhia, emitiu comunicado prevendo queda nas receitas.

Segundo ele, o principal motivo para isso foi a baixa venda de iPhones na China, um de seus principais mercados. No trimestre, a empresa reportou que teve queda de 26% na receita no país asiático.

Há razões para isso: a guerra comercial entre EUA e China, além de afetar a empresa, também provocou uma reação entre os consumidores chineses, que preferiram marcas locais e mais baratas, como Huawei e Xiaomi.

À agência Reuters, Cook disse que está otimista com a disputa EUA-China. Próximo do presidente Donald Trump, ele afirmou que “a tensão entre os dois países cai a cada mês”.

O executivo afirmou ainda que estuda parar de basear o preço do iPhone em mercados fora dos EUA pelo câmbio do dólar. “Foi algo que nos atrapalhou e que pode melhorar nossas vendas”, disse Cook. É uma boa notícia para o Brasil, que há anos tem o iPhone mais caro do mundo - hoje, há aparelhos à venda por R$ 10 mil no País.

Serviços

Apesar do mau desempenho do iPhone, o mercado reagiu com otimismo ao balanço financeiro da Apple. Após a divulgação dos resultados, as ações da empresa subiram cerca de 5%, cotadas em torno de US$ 163. Com isso, a Apple encerrou avaliada em cerca de US$ 770 bilhões - valor bem abaixo do US$ 1 trilhão alcançado pela empresa em agosto de 2018.

Há uma razão para isso: o setor de serviços, considerado por Tim Cook como o futuro da Apple, teve faturamento recorde no último trimestre.

Ao longo do período, a companhia faturou US$ 10,9 bilhões com plataformas como a loja de aplicativos App Store, o serviço de armazenamento na nuvem iCloud e o streaming de música Apple Music.

“As margens de lucro em serviços no trimestre foram de 62%, contra 38% para a Apple em geral. É relevante”, disse Joel Kulina, analista da consultoria Wedbush Securities.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Contas analisadas

CMN aprova balanço do Banco Central no 2º semestre de 2019, com lucro de R$ 64,5 bilhões

Com os R$ 21,04 bilhões de lucro no primeiro semestre, o resultado total do ano para a instituição em 2019 foi de R$ 85,57 bilhões

Novidade na área

Caixa confirma parceria om Visa em cartões

Acordo marca o primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos

Ano trágico

Vale tem prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019; provisões e despesas por Brumadinho chegam a US$ 7,4 bilhões

A Vale fechou 2019 com um prejuízo bilionário, fortemente pressionada pelas provisões relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho — efeitos que superaram em muito os ganhos relacionados à valorização do minério de ferro no ano

Gigante do varejo

Carrefour registra lucro líquido a controladores de R$ 636 milhões no 4º trimestre de 2019

Resultado representa uma alta de quase 20% na comparação com o mesmo período do ano anterior

Adiou de vez

Bolsonaro confirma envio de reforma administrativa só depois do carnaval

Presidente disse que a reforma administrativa está “madura”, embora ainda não esteja pronta

Na ponta do lápis

Vale, SulAmérica, Carrefour e B2W: os balanços que movimentam o mercado no pré-Carnaval

Na maratona de balanços anuais de 2019, novos peso-pesados do mercado anunciaram seus números

Retorno maior com juro baixo

Menos liquidez, mais diversificação: como os clientes ricos do Itaú andam investindo

Com juro baixo, clientes private do Itaú vêm reduzindo alocação em renda fixa pós-fixada e migrando para ativos com mais risco de mercado ou liquidez, como ações, multimercados e investimentos de baixa liquidez.

Seu Dinheiro na sua noite

Hoje tem recorde do dólar?

Tem, sim senhor. Em mais um dia sem a presença do Banco Central no mercado, a moeda do país de Donald Trump tirou tinta dos R$ 4,40, mas perdeu um pouco de força e fechou aos R$ 4,391, alta de 0,60%. A alta recente do dólar, um movimento que na verdade começou lá em agosto […]

Sem alívio

Mais uma sessão, mais um recorde: dólar segue em alta e chega pela primeira vez aos R$ 4,39

O mercado de câmbio continuou pressionado pelo coronavírus e pela fraqueza da economia doméstica. Nesse cenário, o dólar à vista ficou a um triz de bater os R$ 4,40, enquanto o Ibovespa caiu mais de 1% e voltou aos 114 mil pontos

Ele fica

Ministro chama de ‘maior mentira’ história de pedido de saída de Guedes

Ruído sobre eventual saída do titular da Economia do governo se espalhou pelos mercados nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements