Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-02-05T17:48:06-02:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
PARA VOLTAR AS BOAS

A sugestão do analista do JP Morgan para a Apple voltar às boas: por que você não compra a Netflix?

Nas estimativas de Samik Chatterjee, a aquisição da empresa custaria, provavelmente cerca de US$ 189 bilhões. Na opinião dele, a Netflix seria a melhor estratégia para aumentar a posição da Apple como criadora de conteúdo em vídeo

5 de fevereiro de 2019
12:21 - atualizado às 17:48
Apple Tim Cook – Netflix – Sabrina
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A Apple não está exatamente na sua melhor fase. A companhia perdeu valor na bolsa depois de reportar uma queda de 5% no faturamento do 4º trimestre, puxado em boa parte pela diminuição na venda de iPhones. O analista do banco JP Morgan, Samik Chatterjee, mandou uma sugestão para a Apple voltar às boas no seu último relatório: que tal comprar a Neftlix?

Sim, ela mesma, a gigante de streaming e dona de produções próprias como La Casa de Papel; Gracie and Frankie; The Crown; Sabrina, a aprendiz de feiticeira.

Nas estimativas dele, a aquisição da empresa custaria, provavelmente cerca de US$ 189 bilhões. Em sua justificativa, o analista destacou que "a Netflix é a melhor estratégia para aumentar a posição de liderança da Apple e o seu nível de engajamento, assim como o conteúdo original, diferenciando a empresa de um negócio que simplesmente agrega conteúdos".

Apesar da ideia parecer um tanto quanto distante da realidade, o especialista ressaltou que a Apple possui cerca de US$ 250 bilhões disponíveis em caixa.

É claro que a ideia de Chatterjee é apenas uma recomendação para a empresa. Mas, na opinião dele, há muito valor em adquirir um dos maiores players de sucesso no setor de produção de conteúdo.

"Acreditamos que a Apple pode tirar bastante proveito da sinergia que existe entre as duas empresa. Uma é líder no setor de smartphones e hoje há uma rápida transição do consumo de vídeo para versão mobile, o que pode gerar um crescimento dos serviços", destacou Chatterjee.

A união de empresas de tecnologia com gigantes do audiovisual é uma tendência na indústria global. A AT&T, uma das maiores operadoras de telefonia dos Estados Unidos, desembolsou bilhões de dólares pela compra da Time Warner, anunciada em 2016.

A Comcast e a Disney travaram uma batalha pública pela aquisição da 21st Century Fox, com a vitória da criadora do Mickey Mouse. Por trás dessa briga, está uma aposta de que agregar conteúdo a serviços de tecnologia poderá ser um diferencial na competição da indústria de telecomunicações.

Três razões

Para Chatterjee, há três razões para que a Apple adquira a Netflix:

  1. Primeiro, a companhia está alinhada com a ideia da Apple de agregar conteúdos.
  2. Em segundo lugar, a Netflix possui um modelo de inscrição que se assemelha com o modelo de serviços de maior retorno da companhia da "maçãzinha".
  3. E, na visão dele, seria mais fácil do que adquirir a Hulu e o serviço da Amazon Prime, que oferecem serviços de vídeo sob demanda semelhante aos da Netflix.

Nada de criar

Na visão do analista, seria muito mais fácil se a Apple apenas adquirisse a Netflix do que tentasse criar um serviço parecido ao dela. Isso porque o serviço de streaming de vídeos com conteúdo original é extremamente competitivo. Segundo ele, há empresas tradicionais de mídia brigando com novatas por audiência, o que torna mais difícil escalar qualquer plataforma de forma competitiva.

Além disso, Chatterjee diz que a aquisição poderia levar aumentar o lucro da Apple com publicidade.

No relatório, o analista também disse que a Apple pode comprar outras duas empresas como a Activision Blizzard, de jogos eletrônicos, e a Sonos de equipamentos eletrônicos.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas tentam se recuperar da queda após decisão do Fed e Ibovespa busca manter ritmo de alta mesmo com risco fiscal no radar

Depois de tocar os 112 mil pontos ontem (26), a bolsa brasileira precisa enfrentar o ajuste de carteiras ao novo cenário de juros altos

Exclusivo

Na “caça aos unicórnios”, Itaú lança fundo para aplicar em gestores de investimentos alternativos

O banco acaba de abrir para captação o Polaris, fundo com objetivo de retorno de até 25% ao ano e foco em investimentos que vão bem além do “combo” tradicional de bolsa, dólar e juros

CONSTRUTORAS COM DESCONTO

Vendas de imóveis em alta, ações em baixa. A queda das incorporadoras abriu uma oportunidade de compra na bolsa?

Os resultados do quarto trimestre mostram que as empresas do setor entregaram desempenhos sólidos, mas as ações caminham na direção contrária

COMPRA PROGRAMADA

‘Vale Gás’: Ultragaz cria cartão que permite ‘congelar’ o preço e parcelar a compra do gás de cozinha

O GLP é um dos derivados de petróleo afetado pela alta do dólar frente ao real e pela valorização da commodity no mercado internacional

SALTO COM FINANÇAS

Itaú (ITUB4) escala 53 posições em ranking e se torna único brasileiro entre 500 marcas globais mais valiosas; veja lista completa

Além de figurar entre as marcas mais valiosas, o Itaú conquistou uma posição na lista dos 250 principais CEOs ou “guardiões de marca”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies