IPCA + 8% e outros títulos ‘premium’: receba as melhores ofertas de renda fixa no seu WhatsApp

Cotações por TradingView
2018-12-20T07:30:06-02:00
Estadão Conteúdo
O que vem por aí...

Bolsonaro define reformas previdenciária e tributária como prioridades

Presidente eleito e equipe traçam prioridades que serão executadas a partir de janeiro de 2019. Na lista estão as reformas da Previdência e tributária, além de um pacote de medidas para a segurança pública

20 de dezembro de 2018
7:27 - atualizado às 7:30
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (PSL) - Imagem: Igo Estrela/Ag. Estado

A 12 dias de tomar posse, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, reuniu nesta quarta-feira, 19, os futuros ministros, na Granja do Torto, e traçou um cronograma das ações que serão executadas a partir de janeiro de 2019. Na lista das prioridades estão as reformas da Previdência e tributária, além de um pacote de medidas para a segurança pública.

As definições mais concretas sobre cada área, porém, somente serão fechadas em novos encontros, nos próximos dias 26, 27 e 28, desta vez sob a coordenação de Onyx Lorenzoni, que comandará a Casa Civil.

Na reunião desta quarta, a primeira com a equipe completa, cada um dos 22 ministros de Bolsonaro expôs durante dez minutos os principais projetos de suas pastas. O futuro titular da Economia, Paulo Guedes, insistiu na necessidade do ajuste fiscal e da "tesourada" nas despesas.

A decisão do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendendo a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, foi recebida com "perplexidade" no encontro da Granja do Torto. De acordo com um dos generais ouvidos pelo Broadcast Político, a brecha jurídica que abriria caminho para a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, alvo da Lava Jato, teria potencial para criar instabilidade no País antes mesmo da posse de Bolsonaro. À noite, porém, a decisão foi derrubada pelo presidente do Supremo, Dias Toffoli.

Lei do Silêncio. Enquanto a liminar de Marco Aurélio vigorava, Bolsonaro baixou uma espécie de lei do silêncio e pediu aos futuros ministros que não se pronunciassem sobre o caso, deixando o desgaste com o Judiciário. Na avaliação do presidente eleito, a reunião ministerial deveria somente passar à população a mensagem de que o governo trabalha para sair da crise. Quando Toffoli derrubou a decisão de Marco Aurélio, porém, Bolsonaro o cumprimentou pelo Twitter.

"Parabéns ao presidente do Supremo Tribunal Federal por derrubar a liminar que poderia beneficiar dezenas de milhares de presos em segunda instância no Brasil e colocar em risco o bem estar de nossa sociedade, que já sofre diariamente com o caos da violência generalizada!", escreveu ele.

Antes de Toffoli dar o seu veredicto, o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, chegou a convocar os generais do alto comando para uma reunião de emergência, por videoconferência. Villas Bôas pediu aos generais que não se manifestassem sobre o caso, sob o argumento de que o momento era de "serenidade" e de "confiar nas instituições".

Ex-juiz da Lava Jato e responsável pela condenação de Lula na primeira instância, Sérgio Moro - que chefiará o Ministério da Justiça e da Segurança Pública - também deixou a reunião desta quarta sem se pronunciar. "Sem comentários", disse ele.

À tarde, o futuro titular da Cidadania, Osmar Terra, criticou a decisão de Marco Aurélio no Twitter, mas logo depois apagou a postagem. "Respeito a decisão do Ministro Marco Aurélio. Mas as consequências dela serão trágicas para a credibilidade da Justiça brasileira e para a luta contra a corrupção!!", escreveu Terra. A publicação saiu das redes sociais pouco tempo depois.

Fora da Granja do Torto, no entanto, aliados de Bolsonaro usaram termos duros para se referir à possibilidade de soltura de Lula e muitos chegaram a pregar a intervenção no Supremo.

"Brasil elege um presidente limpo; ele nomeia MJ (Ministro da Justiça) o juiz símbolo do combate à corrupção; no exterior começa a se formar uma perspectiva de que o Brasil pode voltar a ser sério; aí vem uma decisão judicial e põe em xeque toda essa construção! É difícil deixar de ser um anão diplomático!", comentou o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente eleito, em sua conta no Twitter. Em palestra antes do primeiro turno eleitoral, Eduardo chegou a dizer que, para fechar o Supremo, bastaria um soldado e um cabo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

BOLSOS CHEIOS

Dividendos e JCP: Itaú (ITUB4) anuncia pagamento de proventos; confira valores e prazos

28 de novembro de 2022 - 20:34

A distribuição será realizada até 28 de abril de 2023; provento considera a incidência de 15% de imposto de renda retido na fonte

EXILE ON WALL STREET

O raio não cai duas vezes no mesmo lugar: das big techs à PEC da Transição

28 de novembro de 2022 - 19:50

Do lado das big techs, é difícil reconhecer o próximo bull market. Do lado da PEC da Transição, estamos emperrados no valor a ser considerado fora do teto e o prazo.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

PEC da Transição é protocolada no Senado, os protestos na China e projeções para 2023; confira os destaques do dia

28 de novembro de 2022 - 19:25

Sem grandes divulgações econômicas marcadas para esta segunda-feira (28) e com um jogo da seleção brasileira no início da tarde, o dia foi morno para a B3.  Assim como no jogo de estreia do time do técnico Tite, as negociações não foram interrompidas enquanto a bola rolava, mas a falta de novidades no cenário político […]

FECHAMENTO DO DIA

Petrobras (PETR4) evita queda maior, mas Ibovespa recua antes de apresentação da PEC da Transição; dólar e juros também caem

28 de novembro de 2022 - 19:09

Com o volume de negociações menor no Ibovespa, o índice ficou próximo do zero a zero, aguardando detalhes sobre a PEC protocolada apenas no fim da tarde

TEMORES CONFIRMADOS?

Lula vai barrar venda de ativos da Petrobras (PETR4)? Primeira reunião da estatal com equipe de transição indica que sim, mas apenas em casos especiais; veja quais

28 de novembro de 2022 - 19:05

A equipe enviará um ofício ao Ministério de Minas e Energia para adiar os desinvestimentos até que o presidente eleito tome posse

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies