Menu
2018-12-20T09:30:24-02:00
Estadão Conteúdo
Caixinha de surpresas

Governo decreta sigilo de gasto com transição

20 de dezembro de 2018
9:29 - atualizado às 9:30
Michel Temer
Imagem: shutterstock

O governo federal decretou sigilo por prazo não divulgado de todos os dados do orçamento previsto e executado com a Comissão de Transição entre os governos do presidente Michel Temer (MDB) e do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL).

As informações haviam sido solicitadas por um estudante de mestrado em Administração Pública e Governo da Fundação Getulio Vargas de São Paulo (EAESP), Guilherme Rezende, no dia 6 de dezembro. Ele havia solicitado ao Ministério da Fazenda "os valores (previstos e executados) absolutos e detalhados da atual comissão de transição", mas o pedido foi negado. "Informo que o pleito não poderá ser atendido, uma vez que o processo que trata o assunto encontra-se classificado como ato reservado, nos termos Inciso IV do Artigo 23 da Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011", escreveu o órgão.

A equipe de transição de Bolsonaro informou que não tem conhecimento do sigilo e diz que não o solicitou. A Casa Civil e o Ministério da Fazenda não se manifestaram até a conclusão desta edição.

A lei de transição de governo, de 2002, prevê que as propostas orçamentárias nos anos de eleição presidencial devem prever recursos especificamente para a equipe de transição, alocada na Presidência da República.

O artigo citado pelo ministério afirma que é possível estabelecer sigilo para informações que possam "oferecer elevado risco à estabilidade financeira, econômica ou monetária do País". O órgão não informou quem decretou o sigilo e nem qual é o prazo para que as informações sejam liberadas - as duas especificações são previstas em lei.

A reportagem apurou que este não foi o único pedido de informação negado com uso de sigilo. No fim de novembro, a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal solicitou cópia do relatório elaborado pelo Ministério da Fazenda apresentado ao governo de transição pelo mesmo motivo, sem determinar o prazo do sigilo ou informar a autoridade que fez a classificação, conforme prevê a lei.

Para o diretor executivo da Transparência Brasil, Manoel Galdino, faltou justificativa para o sigilo. "Não consigo ver como isso pode causar este risco apontado por eles. É uma transição democrática perfeitamente normal. Nunca houve nenhum problema. É obviamente de interesse da população saber se a transição está sendo feita com recursos públicos de maneira correta, austera, na situação fiscal em que o Brasil se encontra. E o ministério também erra ao não informar o prazo do sigilo e a autoridade que fez a classificação", disse.

"Esse tipo de informação não pode ser segredo de Estado. Aparentemente não representa nenhum caso de insegurança para o País. A princípio tudo isso deveria ser público, até para que a sociedade tenha capacidade de fazer julgamento de quem está saindo e acomodar as expectativas sobre quem chega", diz o professor da FGV Marco Antonio Teixeira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

gigantes na nasdaq

Ações de Facebook e Tesla caem mais de 4% após resultados do quarto trimestre

Recado da gigante de mídia social assustou mercado; já a montadora de veículos elétricos recua depois de avançar mais de 400% no último ano

crypto news

Elon Musk, bitcoin e as verdades no mundo dos investimentos

Basta que exista uma quantidade suficiente de pessoas ricas acreditando em uma ideia para ela se torne uma verdade; mercado financeiro têm agora dois casos emblemáticos

nova fase

Descredenciada pela XP, EWZ Capital estreia parceria com o BTG Pactual

Empresa, que tem foco educacional e no segmento de renda variável, quer avançar dos atuais R$ 630 milhões em patrimônio investido para R$ 1 bilhão

Dia de decisão

Fed mantém juros e ritmo de estímulos, mas fala de Powell pesa nos mercados

Presidente do Federal Reserve vê um longo caminho até que a economia americana se recupere dos impactos do coronavírus

desigualdade de gênero

Fundos têm que investir em empresas com mulheres no conselho, diz Luiza Trajano

No Brasil, 8% das posições em conselhos de administração, instância estratégia de uma companhia, são ocupadas por mulheres

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies