Menu
2019-04-04T14:41:55-03:00
Estadão Conteúdo
Sai ou não sai?

Mercosul e União Europeia voltam à mesa para tentar acordo

Blocos correm contra o tempo para tentar definir um acordo antes da posse de Bolsonaro – que já deixou claro não ter prioridade para o Mercosul

12 de novembro de 2018
6:59 - atualizado às 14:41
União Europeia e Mercosul
UE espera que acordo seja assinado durante a reunião do G-20 na Argentina, no fim do ano - Imagem: Shutterstock

Correndo para tentar fechar um acordo antes da posse do presidente eleito Jair Bolsonaro, a União Europeia recebe hoje uma delegação do Mercosul. O encontro está sendo considerado pela UE como “momento decisivo”, após 18 anos de negociações entre os dois blocos. Na sede da UE, em Bruxelas, espera-se que os países sul-americanos apresentem uma nova oferta de abertura de seu mercado.

A UE espera um entendimento para ser assinado durante a reunião do G-20 na Argentina, no fim do ano. Mas enfrenta resistências da França, Áustria e outros países protecionistas que não querem que o calendário eleitoral determine o futuro do acordo. Uma das dificuldades é abertura da UE para produtos agrícolas, considerada insuficiente por parte do Mercosul, principalmente no que se refere a carnes e etanol. A esperança do Mercosul é que uma nova oferta seja apresentada nesta semana, indicando maior acesso de produtos da região.

Os europeus, por sua vez, querem compromisso do Mercosul para a abertura do setor industrial, principalmente no mercado de veículos. Procurado, o Itamaraty não comentou o tema.

Francisco Assis, presidente da sessão do Mercosul no Parlamento Europeu, admitiu a importância do encontro. “Estamos entrando na fase decisiva das negociações.” Se houver avanço, ministros de ambos os lados serão chamados para a fase final do entendimento a partir do dia 19. A Comissão Europeia indicou que os negociadores tentarão superar pendências para que o processo avance. “Os problemas que precisam de mais trabalho são conhecidos e precisam de um processo técnico e político intenso”, defendeu um porta-voz da UE, ao afirmar que o bloco continua comprometido com um acordo.

O governo francês, porém, fez questão de alinhar os países mais protecionistas no setor agrícola para alertar a UE de que não irão ceder só para fechar um acordo antes da posse de Bolsonaro. “Nossa mensagem é clara: sim para um acordo. Mas o calendário não pode prevalecer sobre o conteúdo”, disse Jean-Baptiste Lemoyne, secretário de Estado para Comércio da França.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Ano de eleição

Promessas de Bolsonaro estouram “folga” do Orçamento em 2022

A ampliação do Bolsa Família e um eventual aumento de 5% nos salários do funcionalismo público já superam o espaço adicional de R$ 25 bilhões para o próximo ano

Nova esperança?

Estados Unidos planejam investir US$ 3,2 bilhões em antivirais para tratar covid-19 e outras doenças

Segundo o Dr. Fauci, principal conselheiro do presidente Joe Biden no combate à pandemia, novo programa vai acelerar o que já está em andamento

PODCAST MESA QUADRADA

De pintor de parede a chef renomado, Alex Atala diz que competitividade foi empurrão: ‘se não fosse provocado, seria um bundão’

Chef de cozinha fala sobre sua trajetória e comenta crises e investimentos bem sucedidos

Amor e presentes

Demanda por crédito no País sobe 13% em maio, impulsionada por Dia das Mães

Índice Neurotech revela que o aumento das vendas no varejo, especialmente nas lojas de departamento e vestuário durante a data comemorativa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies