Menu
2018-11-02T13:09:49-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
CALCANHAR DE AQUILES

PIB pode crescer 3% em 2019. Só depende de uma coisa…

“O grande calcanhar de Aquiles do Bolsonaro é a reforma da Previdência”, diz Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados

2 de novembro de 2018
13:09
Posto de atendimento do INSS
Imagem: Wikimedia Commons

A economia brasileira tem potencial de crescer mais de 3% no ano que vem se o novo governo conseguir aprovar as reformas, especialmente a da Previdência, e acelerar as privatizações, segundo economistas ouvidos pela reportagem.

A dúvida dos especialistas é quanto à governabilidade do presidente eleito Jair Bolsonaro e sua capacidade de obter o apoio do Congresso e da sociedade para a aprovação das reformas.

"O grande calcanhar de Aquiles do Bolsonaro é a reforma da Previdência. Se ele conseguir passar uma reforma ampla e continuar as micro reformas encaminhadas pelo governo Temer, teríamos chance de um crescimento forte ano que vem, acima de 3%", afirma o economista-chefe da MB Associados, Sérgio Vale.

Por enquanto, ele trabalha com uma previsão de crescimento de 2,2%. A projeção incorpora a incerteza em relação à reforma da Previdência.

Nem 8 nem 80

Entre os economistas, o cenário mas provável para 2019, é de um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) entre 2% e 2,5%. Essa projeção coincide com a mediana do mercado, apontada pelo Boletim Focus, do Banco Central (BC), que está em 2,49%.

"O ponto mais sensível do cenário do governo Bolsonaro é a questão da governabilidade", alerta Alessandra Ribeiro, sócia da Tendências Consultoria Integrada. Para a economista, que traça um cenário moderadamente otimista por causa da situação ruim das finanças públicas, o mais provável é um crescimento de 2% do PIB para 2019.

Nessa estimativa, ela considera uma reforma da Previdência que não será nada extraordinária, nenhum grande pacote de privatizações e concessões e o câmbio apreciando um pouco e fechando 2019 em R$ 3,65. Isso deve permitir que o Banco Central mantenha a taxa básica de juros (Selic) em 6,5% ao ano até o segundo semestre do ano que vem.

Na opinião do e ex-diretor do BC, Alexandre Schwartsman, há espaço para crescer rapidamente, se o governo conseguir desatar o nó das contas públicas, encaminhar uma boa reforma da Previdência e reduzir a dívida pública. "Se conseguisse fazer isso, a economia poderia crescer de 3% a 3,5% em 2109. Mas não acho que isso vá acontecer."

O economista não considera que o País cresça 3,5% porque acredita que dificilmente as reformas serão encaminhadas. Na sua opinião, em algum momento o novo presidente vai perceber que será politicamente custosa qualquer agenda que ele queira passar no Congresso.

Além disso, Schwartsman não aposta num cenário agressivo de privatizações, até porque as joias da coroa - Caixa, Banco do Brasil, Petrobrás e Eletrobrás - foram excluídas do pacote.

Diante disso, o cenário mais provável para o PIB de 2019, na projeção do economista, varia entre 2% e 2,5%. O crescimento será um pouco mais forte do que o deste ano por causa da fase de "lua de mel" que marca geralmente o início de governos e do avanço do consumo, puxado pelo juro baixo.

Carlos Kawall, economista-chefe do Banco Safra, projeta crescimento de 3% do PIB para 2019, mas admite que será difícil crescer tanto por causa da lenta recuperação do mercado de trabalho, muito apoiado em empregos informais e com de menores salários.

"Fazer uma boa reforma da Previdência - não necessariamente a ideal - é imprescindível para melhorarmos as condições financeiras, como queda dos juros, alta da Bolsa, redução do risco Brasil."

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Texto pronto!

Bolsonaro assina proposta de reforma administrativa que enviará após o carnaval

Presidente retirou do texto analisado a proibição ao servidor público de se filiar a partido político

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: O peso do dólar a R$ 4,40

No Podcast Touros e Ursos dessa semana, a equipe do Seu Dinheiro discute a nova onda de valorização do dólar à vista, levando a moeda americana ao nível inédito de R$ 4,40. Os repórteres também falam sobre o clima mais tenso visto nos mercados globais e os balanços de Petrobras, Vale e IRB. Confira os […]

Abrindo capital

Ambipar registra pedido de IPO na CVM

Serão realizadas ofertas públicas de distribuição primária e secundária de ações ordinárias da empresa, com esforços de colocação no exterior

De qualquer jeito

Governador de MG diz que segue firme na ideia de aderir ao regime de recuperação fiscal

Ideia é aderir ao plano mesmo com os reajustes previstos aos servidores da segurança pública no Estado

Poeira sobre o processo

Impasse no STF trava há um ano inquérito os R$ 20 milhões da Odebrecht a Kassab

Ministro Luiz Fux, relator do caso, já foi alertado pela PF sobre o risco de prescrição

Tudo o que a gente quer ver

Ações das Lojas Americanas disparam mais de 9% com mercado digerindo seus resultados fortes em 2019

Visão dos investidores é de que a companhia entregou números consistentes e bastante satisfatórios

no horizonte

Talvez no início de 2021 seja feito o leilão de Viracopos, diz ministro

Tarcísio de Freitas participou, nesta sexta-feira, 21, da cerimônia de leilão da BR 101/SC, cuja vencedora foi a CCR, ao ofertar tarifa de R$ 1,97012

motivo de preocupação

Reajustes a forças de segurança ameaçam contas estaduais

Ministério de Economia entrou em alerta porque negocia, neste momento, um novo programa de socorro aos Estados, batizado de “Plano Mansueto”

Por um salário maior

Policiais já pressionam 12 estados por aumento

Em cinco dos Estados, policiais já realizaram atos ou paralisações neste mês; políticos da bancada da bala ou do bolsonarismo apoiam movimentos em CE, ES e PB

Crédito à vista

Bancos privados também preparam crédito prefixado

Diferentemente da modalidade com lastro no IPCA, no prefixado bancos privados mostram apetite: veem mais segurança para emprestar sem o risco da inflação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements