Menu
2019-04-04T14:12:35-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Novo governo

Paulo Guedes quer desindexar gastos do orçamento

Guedes disse que a estratégia em estudo prevê que, quando o teto “bater no seu limite”, seria acionada uma cláusula para desindexar o orçamento

30 de novembro de 2018
10:17 - atualizado às 14:12
Paulo Guedes
Paulo Guedes - Imagem: WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO

O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, prepara o terreno para aperfeiçoar o teto de gastos, mecanismo que limita o crescimento das despesas a um ritmo superior à inflação.

A jornalistas, Guedes disse que a estratégia em estudo prevê que, quando o teto “bater no seu limite”, seria acionada uma cláusula para desindexar o Orçamento.

Na prática, o “gatilho” da desindexação desobriga o governo a corrigir gastos, como salários e benefícios da Previdência, à inflação e desvincula despesas de saúde e educação. A mudança exigirá alteração constitucional com apoio de 308 deputados e 49 senadores.

Guedes classificou que o acionamento dessa cláusula é um “ato extremo” para colocar as despesas do governo em queda. Segundo ele, o excesso de gastos é o maior problema da economia e coloca o País na “armadilha do baixo crescimento”.

“Está tudo desindexado até que o teto seja novamente respeitado. Aí o PIB volta a crescer”, explicou. No período de “dois anos” citado por ele, seriam adotadas as medidas de desindexação, inclusive dos salários, até que os desvios do teto sejam corrigidos. “Aí, pode indexar de novo. Depois de dois anos fica indexado de novo.”

Aprovada em 2016 e em funcionamento desde 2017, a emenda do teto é uma regra fiscal que fixa um limite de gastos por ano com base na correção do IPCA. Apesar do pouco tempo de sua criação, o teto está fadado a estourar já em 2021 de acordo com as projeções mais recentes da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado, devido ao excesso de despesas obrigatórias “carimbadas”.

Reforma

Com a sinalização dada ontem, 29, o novo ministro tenta mostrar que, ao contrário das propostas de flexibilização do teto sugeridas pelos candidatos à Presidência durante a campanha eleitoral, sua equipe vai buscar o caminho oposto: na hora em que as despesas estiverem em colisão com o limite do teto, se aciona a desindexação e desvinculação.

“Vocês viram desde o começo que eu disse que o responsável pela inflação, pela vulnerabilidade cambial, pelos juros altos, pelos impostos elevados, pela corrupção na política é o excesso de gastos públicos. É evidente que eu só posso ser um ardoroso defensor do teto de gastos”, afirmou.

O ministro reconheceu que a manutenção do teto de gastos sem a reforma da Previdência é insustentável e vai levar ao seu estouro em breve, exigindo acionar as cláusulas de correção. A emenda já prevê gatilhos de ajuste, como a suspensão do reajuste dos salários dos servidores e impedimento para concessão de novos subsídios.

Depois da reforma da Previdência, que deve ser apresentada no primeiro trimestre de 2019, as mudanças no teto de gasto apontam para a prioridade de Guedes de abater o excesso de despesas e dar maior eficiência ao gasto público.

Outros dois movimentos prioritários são: privatizações para abater a dívida pública, redução dos juros e reforma do Estado. A estratégia política do novo governo para conseguir apoio à reforma da Previdência é usar o “pacto federativo” de repassar mais recursos de Brasília para Estados e municípios para obter apoio no Congresso.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

decisão judicial

Justiça ordena religação de internet do governo do RJ; Oi alega inadimplência

Empresa acusa o governo do Estado de ter uma dívida com a empresa desde 2017 – hoje ela está em R$ 300 milhões

promessa de ipo

Locaweb compra ConnectPlug por R$ 18 milhões e avança em segmento de alimentação

Empresa comprada começou em food services mas hoje também atende outros segmentos, com foco em pequenas e médias empresas

seu dinheiro na sua noite

Mais fácil falar que fazer

Hoje foi um daqueles dias em que as falas dos detentores do poder no cenário doméstico até repercutiram no mercado, mas foram sobrepostas pelos fatos e pelo que aconteceu no exterior. O mercado local começou o dia animado com as apresentações do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes, no badalado evento […]

perspectivas

Para Verde e SPX, auxílio emergencial por mais três meses não é preocupante

Luis Stuhlberger e Rogério Xavier dizem que a medida pode ser necessária, caso a vacinação demore demais; ambos veem 2021 positivo para os mercados

FECHAMENTO

Aceno liberal do governo não convence e bolsa fecha o dia no vermelho; na contramão, dólar cai mais de 3%

Em evento do Credit Suisse, Bolsonaro e Guedes reafirmaram o compromisso com o andamento das reformas e das privatizações, mas o mercado espera ações mais concretas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies