Menu
2018-11-11T10:00:25-02:00
Estadão Conteúdo
Governo eleito

Controle do Cade pode opor ‘superministros’

Novo governo terá que indicar quatro nomes ao Cade além de o de superintendente-geral e do procurador-geral da República

11 de novembro de 2018
13:00 - atualizado às 10:00

Seis cargos importantes ficarão vagos no ano que vem e serão alvo dos dois superministros do presidente eleito, Jair Bolsonaro: Sérgio Moro (Justiça) e Paulo Guedes (Economia). Em 2019, terminam os mandatos de quatro dos seis conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), além do superintendente-geral e do procurador-geral.

O órgão responsável pela concorrência é, formalmente, vinculado à Justiça. Tradicionalmente, tanto a pasta quanto a área econômica submetem nomes para o conselho ao presidente da República, que é o responsável pelas indicações, que passam pelo Senado antes da nomeação efetiva. Fazenda e Justiça costumavam se revezar nas indicações, mas, no governo do presidente Michel Temer, alguns dos nomes indicados partiram da ala política, de parlamentares e aliados.

A área interessa a Guedes, que colocou assessores para esboçar planos para aumentar a concorrência na economia brasileira. O órgão, porém, tem também uma relação próxima à Lava Jato, que tornou famoso o juiz Moro. Mais de 30 processos da operação estão sob investigação no conselho.

A movimentação de Guedes, que delegou a área a economistas ligados ao Instituto de Política Econômica Aplicada (Ipea), se deu sob o pressuposto de que o Cade seria uma área de influência de seu ministério, antes de se confirmar que a Justiça também ganharia o superministro Moro. “A lei prevê que o conselho é ligado à Justiça. Com Guedes na economia, haverá duas dimensões que poderão se arranjar e dividir as indicações ou poderá haver uma disputa. Com uma nova elite política assumindo o poder, acho mais provável a segunda hipótese”, disse ao Estadão/Broadcast um advogado e ex-integrante do conselho, que preferiu não se identificar.

Segundo integrantes da equipe de transição ouvidos pela reportagem, Guedes já determinou que indicações que saiam do ministério para órgãos como o Cade responderão a critérios técnicos. Para a concorrência, especificamente, a equipe trabalha com o fortalecimento da pauta liberal, defendida pelo ministro, com o fomento à competição e a redução da regulação, principalmente em áreas como combustíveis e energia elétrica.

Multas

Outra questão que poderá ser revista no novo governo é o valor das multas cobradas de empresas que prejudicaram a concorrência, um tema que vem sendo debatido em quase todas as sessões do Cade e divide a atual composição. A avaliação de fontes ligadas à equipe é que, no governo Bolsonaro, poderá aumentar o valor das multas cobradas pelo Cade. Nesta semana, o juiz Sérgio Moro defendeu penas mais duras, o que pode ser um indicativo também para esse setor.

Para o professor da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Ricardo Ruiz, ex-integrante do Cade, as leis que regem o órgão e a jurisprudência do conselho são consolidadas e evitam que novas indicações mudem radicalmente a atuação da autarquia. Ele disse ainda que o perfil pró-mercado que Bolsonaro pretende adotar tende a fortalecer o papel do Cade.

“Liberais em tese têm mais desconforto com monopólios e cartéis, que fragilizam o que é mais importante para eles, que “Liberais têm mais desconforto com monopólios e cartéis, que fragilizam o que é mais importante para eles, que é a concorrência.” Ricardo Ruiz EX-INTEGRANTE DO CADE é a concorrência. Uma agência antitruste é parte importante dessa política econômica porque, se fragilizar a concorrência, você torna o capitalismo menos eficiente”, disse.

Entre julho e setembro do próximo ano, vencem os mandatos dos conselheiros Polyanna Vilanova, João Paulo de Resende, Paulo Burnier e Cristiane Alkmin. Em outubro, acabam os do superintendente-geral, Alexandre Cordeiro - que é o responsável pelas investigações de cartéis e condutas anticompetitivas, incluindo as da Lava Jato -, e o do procuradorgeral, Valter Agra. Os dois últimos ainda podem ser reconduzidos.

Guedes e Moro não responderam os questionamentos da reportagem. O Cade informou que as alterações na composição do conselho “não terão reflexo na continuidade do trabalho atualmente realizado e tampouco comprometerão a excelência da atuação dos servidores e colaboradores do órgão”.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

ONDE INVESTIR EM 2021

LIVE: Como aproveitar o governo Biden para lucrar nos EUA

João Piccioni, analista da Empiricus especializado em investimentos no exterior, bate um papo com Ana Luísa Westphalen sobre oportunidades que se abrem para o investidor brasileiro no exterior.

disciplina fiscal

Candidatos, Lira e Pacheco criam ruído no mercado com possibilidade de prorrogação do auxílio

Pacheco falou em sacrificar algumas premissas econômicas para “poder manter alguma forma de socorro a essas pessoas”; Lira disse que tinha a impressão de mercado poderia aceitar a medida, estando dentro do teto

eu vejo uma alta

Sem forward guidance, pergunta agora é: quando a Selic vai subir?

Aceleração da inflação e riscos do lado fiscal levam analistas a estimarem que primeira alta virá antes que o esperado

mudança de governança

CEO da Copel sinaliza que interferências políticas são coisas do passado

Daniel Slaviero apresentou ao mercado os pilares que nortearão a nova política de governança corporativa da elétrica

em são paulo

Luciano Hang tem alta hospitalar após ser internado com covid-19

Mais cedo, ele realizou uma live na rede social, em que contou que permaneceu assintomático

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies