Menu
2018-10-29T18:20:02-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

‘Canelada’ sobre papel do BC azeda festa de Bolsonaro no mercado

Declarações desencontradas sobre meta para câmbio e juros reforçam necessidade de Paulo Guedes assumir articulação dos temas relacionados à agenda econômica

29 de outubro de 2018
15:29 - atualizado às 18:20
Onyx Lorenzoni, ministro-chefe da Casa Civil no governo Bolsonaro
Onyx Lorenzoni, futuro ministro de Bolsonaro, fala sobre papel do BC - Imagem: Roberto Jayme/Estadão Conteúdo

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, e sua equipe ainda não entenderam que a campanha acabou e que suas falas, agora, são descontadas a “valor de face”. Não há mais espaço para complacência com eventuais “caneladas”.

Boa parte da virada de humor nos mercados nesta segunda-feira está relacionada com declarações desencontradas do deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), à agência “Reuters”, envolvendo uma possível definição de metas de inflação e de juros para o Banco Central (BC). Lorenzoni também teria falado em dar maior previsibilidade à taxa de câmbio.

O Banco Central opera com uma meta, inflação, e com um instrumento, a taxa de juros. Sugerir que o BC passaria a ter meta de juros ou algo parecido ou mesmo que buscaria um câmbio mais previsível, passa longe da agenda liberal defendida pela candidatura ao longo da campanha.

Existem algumas regras não escritas, mas que quando seguidas facilitam a comunicação do governo com o mercado e com a sociedade. Uma delas é que ministros da área política evitem ao máximo tratar de assuntos fora de sua alçada, como atribuições do Banco Central, por exemplo.

Mesmo como “coordenador de tudo”, seria prudente que Lorenzoni buscasse alinhar posições com Paulo Guedes. Mas o ideal mesmo seria o próprio Guedes assumir toda a articulação e comunicação de assuntos da agenda econômica.

Antes disso, no sábado, o próprio Bolsonaro, em entrevista ao “Poder 360”, disse que o BC teria liberdade para decidir, mas dentro de certos parâmetros, e que teriam de ser estabelecidas metas para dólar e inflação.

Depois de um período de silêncio, Guedes voltou a falar sobre economia, ontem, mas apenas reiterou diretrizes que são bem conhecidas, como o controle de gastos públicos, privatizações buscando redução do déficit primário, e uma simplificação e redução de impostos.

O que se busca, agora, são indicações mais claras de como esse desenho econômico será colocado em marcha e com qual equipe.

Não seria justo colocar na conta do deputado toda a virada de humor de mercado, alguma correção nos preços depois dos ganhos na semana passada era esperada e o quadro externo continua inspirando cuidado.

Quer ser o primeiro a saber sobre o que afeta os seus investimentos? Então clique aqui e cadastre-se na newsletter do Seu Dinheiro.

Leia também:

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Seu Dinheiro na sua noite

Um risco a menos

Caro leitor, No início do ano, antes de o coronavírus se espalhar pelo mundo, virar de cabeça para baixo todas as projeções para o futuro próximo e talvez mudar o nosso modo de vida para sempre, o principal risco citado por analistas e gestores para os mercados em 2020 eram as eleições presidenciais americanas. Alguns […]

Dinheiro à vista

Raia Drogasil aprova pagamento de R$ 20 milhões em dividendos

O pagamento dos dividendos será realizado até 31 de maio de 2020, sem correção monetária, informou a Raia Drogasil em comunicado ao mercado

Crypto News

Quando e como ter dólar e bitcoin na carteira

A despeito dos 10 milhões de desempregados nos EUA, o S&P500 está subindo quase 20% desde o último fundo. Isso faz sentido para você? Para mim, não

Cuidado com o fiscal

Secretário diz que situação fiscal do Brasil exige ‘cautela e serenidade’

Secretário de Política Econômica Adolfo Sachsida disse que a situação fiscal exige cautela e serenidade ao se adotar medidas no contra coronavírus

Mortes sobem 20%

Brasil registra 800 mortes pelo novo coronavírus

São Paulo concentra o maior número de pessoas mortas pela covid-19

Pegando carona

Ibovespa engata a terceira alta e vai ao maior nível em quase um mês, puxado por Wall Street

O fortalecimento dos mercados americanos impulsionou o Ibovespa nesta quarta-feira, levando-o para além dos 78 mil pontos. O dólar à vista caiu pelo terceiro dia, voltando ao nível de R$ 5,14

BC americano

Fed vê como adequado manter juro parado até que membros estejam ‘confiantes’ com economia

Juro americano prosseguirá entre 0% e 0,25% até que formuladores da política monetária estejam confiantes de que a economia “resistiu a eventos recentes” e “estava no caminho certo”

Alívio depois do tombo

Após chegarem às mínimas desde 2011, ações da Cielo disparam mais de 20%

Desde o começo da semana, os papéis da Cielo já sobem mais de 25%, aproveitando a onda de otimismo vista na bolsa para se afastar das mínimas

Saída de dólares

Saída de dólar supera entrada em US$ 13,079 bilhões no ano até 3 de abril, diz BC

Fluxo cambial até 3 de abril foi negativo em US$ 13,079 bilhões, informou o BC. No mesmo período de 2019, dado era positivo em US$ 2,729 bilhões

Fuga de capitais

Fluxos de capitais para emergentes devem ter recuperação modesta, diz IIF

Emergentes devem registrar “moderada” recuperação em fluxo de capitais no segundo semestre, aponta IIF, insuficiente para compensar as perdas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements