Menu
2018-10-13T10:40:12-03:00
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
Na contramão

Bolsonaro volta a dizer que não vai privatizar estatais estratégicas

Durante transmissão em suas redes sociais, presidenciável voltou a dizer que não vai privatizar bancos públicos e hidrelétrica

13 de outubro de 2018
10:40
Jair Bonsonaro
Bolsonaro voltou a dizer que não vai privatizar estatais estratégicas - Imagem: Igo Estrela/Estadão Conteúdo

O candidato à Presidência do PSL, Jair Bolsonaro, voltou a tocar na ferida que causou 'dores' ao mercado no início desta semana. Em uma transmissão ao vivo no seu Facebook, o presidenciável disse defender a não privatização de empresas estatais "estratégicas". Ele citou Banco do Brasil, Caixa Econômica e Furnas como algumas delas das quais não abriria mão.

"Temos 150 estatais. No primeiro ano, umas 50 que foram criadas pelo PT vamos mandar para o espaço. Para outras 50, vai ter que ter critério, um modelo com responsabilidade, talvez uma golden share,", disse Bolsonaro. "O que for estratégico não pode privatizar", repetiu, citando os bancos públicos e a hidrelétrica.

No início desta semana, o mercado financeiro reagiu mal a comentários de Bolsonaro sobre as "estratégicas", cuja manutenção vai na direção oposta da cartilha liberal de seu guru econômico, Paulo Guedes. Entre as mais afetadas pelas declarações, estiveram Eletrobras e a Petrobras, cujos papéis perderam, respectivamente, 9,1% e 3,7% de seu valor na última segunda-feira.

Mesmo em contradição

Apesar das discordâncias, o presidenciável negou problemas com Guedes ou com a cúpula do partido. "Não estou batendo de frente com Paulo Guedes de jeito nenhum. Concordo com 90% do que ele diz e ele concorda 90% do nosso lado. Está bem encaminhado esse casamento."

Bolsonaro fez a "live" acompanhado de Luiz Philippe de Orleans e Bragança, eleito deputado federal por São Paulo pelo PSL. Na transmissão, ele não comentou a tentativa do ex-prefeito e candidato do PSDB ao governo de São Paulo, João Doria, de encontrá-lo esta tarde. Doria viajou ao Rio para ir a casa do empresário Paulo Marinho, onde iria gravar nesta sexta-feira. O presidenciável, no entanto, cancelou a gravação alegando indisposição.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

crise do setor aéreo

CVC aumenta estimativa com erro contábil e estima perdas de R$ 660 milhões com pandemia

Operadora de viagens havia adiado a divulgação dos resultados ainda do quarto trimestre de 2019; ainda sem balanço, empresa revelou os primeiros impactos da crise do coronavírus

esquenta dos mercados

Após ganhos recentes, incertezas com covid-19 e economia voltam a pesar nos mercados

Com avanço do coronavírus nos EUA e dados mais fracos na Europa, expectativa por recuperação em V dá lugar à cautela

crise no setor

Azul inicia demissões e sindicato afirma que já são mais de mil em todo o País

Empresa informa estar buscando soluções para enfrentar a crise decorrente da pandemia da covid-19

disputa em meio à crise

Acordo com Gol acirra disputa entre sócios da Smiles

Segundo sócios do Carpena Advogados, as operações de compra antecipada de passagens “não estão sendo realizadas pelo interesse da companhia, mas da sua controladora”

caçador de assimetrias

Admirável semestre novo: riscos e oportunidades para a segunda metade do ano

Devemos parar, respirar fundo e observar o panorama de risco, antes de refletir sobre uma suposta alocação ideal. Sobre os risco, eu poderia enumerá-los; veja neste texto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements