Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2018-12-23T17:10:50-02:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro

Às vésperas de posse de Bolsonaro, otimismo de brasileiro com economia dispara

Cerca de dois em cada três entrevistados pelo Datafolha acham que a situação econômica do Brasil vai melhorar nos próximos meses; em agosto, proporção era de dois para dez

23 de dezembro de 2018
10:37 - atualizado às 17:10
O Presidente eleito Jair Bolsonaro, fala com a imprensa após reunião com os futuros comandantes das Forças Armadas, no Comando da Marinha, em Brasília.
O presidente eleito Jair BolsonaroImagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O já sabido otimismo do mercado com a economia brasileira começa a encontrar respaldo também em outros estratos da população. É o que indica uma nova pesquisa Datafolha, realizada com 2.077 brasileiros, em 130 municípios, nos dias 18 e 19 deste mês.

Segundo o instituto, nada menos que 65% dos entrevistados acreditam que a situação econômica do país vai melhorar nos próximos meses. A diferença é grande em relação ao último levantamento, feito em agosto, quando apenas 23% enxergavam o futuro dessa forma.

A notícia é ainda mais animadora para o governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro. Embora a parcela de otimistas tradicionalmente cresça no período que antecede a posse do mandatário máximo da República, o índice supera todos os registrados pela série histórica, iniciada em 1997, no governo Fernando Henrique Cardoso.

O brasileiro também está mais otimista em relação às próprias perspectivas econômicas. Nada menos que 67% dizem acreditar que estarão em melhor situação à frente. Em agosto, eram apenas 38%.

Quando o assunto é evolução do mercado de trabalho, os números também revelam uma mudança de humor. Enquanto, em agosto, 19% dos entrevistados prediziam que o desemprego iria cair, agora são 47%. A proporção também é a maior da série, esta iniciada em 1995.

Na contramão...

Na outra ponta da pequisa, cai o contingente de pessimistas. Apenas 9% dos entrevistados preveem uma piora na situação econômica do país, ante 31% em agosto. Na avaliação das finanças pessoais, a parcela passou de 14% para 6%.

Quanto ao futuro do mercado de trabalho, 29% ainda acreditam no aumento do desemprego. No último levantamento, porém, o índice estava na casa dos 48%.

Agora, resta saber se todo esse otimismo vai se traduzir em apoio efetivo a uma série de reformas necessárias para a retomada do crescimento.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

O FISCAL ENLOUQUECEU

Com furo no teto, XP e BTG já esperam que a Selic suba 1,5 ponto percentual na próxima semana

A corretora também reviu suas projeções para o câmbio, inflação e PIB deste e do próximo ano

E-commerce de pneus

Cantu Store não se assusta com a farra fiscal e registra pedido de IPO na CVM

A companhia paranaense conta com 26 filiais em 17 unidades federativas e quatro centros de distribuição, além de duas marcas próprias

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Guedes diz que fica, o puxadinho do teto de gastos e outros destaques do dia

Pelo menos um dos temores do mercado teve um desfecho nesta sexta-feira (22) — Paulo Guedes segue sendo o ministro da Economia, e o país não vai passar o fim de semana na incerteza. Após as baixas recentes na equipe econômica, mas o capitão do navio continua firme. Diante de tantas incertezas e a confirmação […]

SUPEROU AS EXPECTATIVAS

Hypera (HYPE3) inicia temporada de balanços com alta de 50% na receita líquida — veja os destaques da farmacêutica no terceiro trimestre

Apoiadas pelo portfólio cada vez maior de medicamentos e pelas vendas aquecidas, outras linhas do balanço também deixaram para trás as projeções

FECHAMENTO DA SEMANA

‘Fico’ de Guedes não apaga mau humor do mercado com furo no teto de gastos e Ibovespa despenca na semana; dólar volta a R$ 5,70

O principal índice da bolsa brasileira fechou o dia em queda de 1,34%, aos 106.296 pontos — longe das mínimas, mas no menor nível desde novembro de 2020. Na semana, a queda foi feia, e o Ibovespa recuou mais de 7%.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies