🔴 BRASIL PODE TER 1.000 NOVOS MILIONÁRIOS DAQUI A 14 MESES – VEJA COM SER UM DELES

Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juro Americano

O Federal Reserve mudou mesmo de “falcão” para “pombo”?

Discurso de Jerome Powell sobre taxa de juros animou os mercados, mas pode ser mais uma leitura equivocada do que uma mudança de fato

Eduardo Campos
Eduardo Campos
29 de novembro de 2018
11:53 - atualizado às 13:06
Jerome Powell ao lado de um gavião e uma andorinha: o futuro das bolsas depende do presidente do Banco CEntral dos EUA
Imagem: Federal Reserve / Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O discurso do presidente do Federal Reserve (Fed), banco central americano, Jerome Powell, está em debate nos mercados locais e externos. Apesar da reação positiva dos ativos de risco no pregão de ontem, será que Powell mudou mesmo a sinalização sobre o juro nos EUA?

A frase que levou os mercados a uma forte arrancada de alta está no segundo parágrafo de um discurso feito no clube de Economia de Nova York. Powell diz que:

“As taxas de juros ainda estão baixas pelo seu padrão histórico e ainda permanecem logo abaixo do amplo range de estimativas do nível considerado neutro para a economia.”

Taxa neutra é aquela que não estimula nem atrapalha o crescimento. Para boa parte do mercado, o “logo abaixo” ou “just below” para classificar a taxa atual em comparação com o que seria a taxa neutra é o ponto chave do discurso, pois no começo de outubro Powell disse que o juro americano, que está entre 2% e 2,25%, estaria “longe do neutro”.

Em política monetária é comum o uso dos termos “hawk”, falcão, e “dove”, pombo, para definir a inclinação de um BC e seus dirigentes. O falcão é aquele de postura mais rígida, enquanto o pombo seria mais condescendente ou de postura mais acomodativa.

Uma das leituras é de que Powel “virou pombo”, ou seja, o ciclo de aperto estaria mais próximo do fim do que se imaginava. Quanto menos o juro americano subir, melhor a condição para os ativos de risco. De fato, a preocupação com a normalização do juro é o que tem deixado diversos especialistas em mercado preocupados, como relatamos em algumas matérias (veja abaixo).

Para os especialistas da Continuum Economics, essa resposta do mercado é apenas “viés de confirmação”, ou seja, parte do mercado leu da forma que melhor lhe convém algo que não é novo na comunicação do Fed.

De fato, dizem esses especialistas em relatório, a taxa americana vem diminuindo a distância do que seria considerado neutro por diversas estimativas. O juro nominal estaria entre 0,5 ponto-base a 0,9 ponto-base do que alguns modelos sugerem. Assim, se a meta do Fed é atingir a taxa neutra, e essas estimativas para a variável ficassem congeladas, teríamos entre duas ou quatro altas de 0,25 ponto para chegar até lá.

O ponto é que os membros do Fed, segundo a sua ata mais recente, estavam discutindo a possibilidade de elevar a taxa básica para cima do considerado neutro, deixando a política monetária “moderadamente” restritiva ou “temporariamente” restritiva buscando reduzir o risco e uma alta da inflação para cima da meta de 2% ou mesmo mitigar riscos provenientes de desequilíbrios financeiros.

Na avaliação de um amigo gringo, a questão é que Powell não é “falcão” nem “pombo”, ele estaria no meio dessa classificação, por isso suas falas podem ser lidas de diferentes ângulos.

A questão que fica, agora, é se haverá uma mudança na expectativa com relação ao número de apertos previstos para 2019. As estimativas vão de duas até 4 altas, com variações para três ajustes em 2019 e um derradeiro em 2020.

Para o encontro dos dias 18 e 19 de dezembro não há mudança na avaliação de um novo aperto de 0,25 ponto, que levaria o juro para 2,25% a 2,5%. Essa reunião será seguida de coletiva de imprensa e de uma atualização nas projeções do Fed para crescimento, desemprego e taxa de juros.

Em 2019, Powell inaugura uma nova dinâmica de comunicação, dando entrevista após todos os encontros do Fed, algo que deve ajudar nesse ajuste fino das expectativas como relação ao rumo da taxa de juros.

Ainda hoje, às 17 horas, o Fed apresenta a ata da sua reunião dos dias 7 e 8 de novembro, quando o colegiado voltou pela manutenção do juro básico. A dúvida é se o mercado verá o documento como “vencido”, em função da fala de ontem de Powell.

A leitura política

Também me deparei com uma possível leitura política para essa fala de Powell. Ao aliviar o discurso, o presidente do Fed teria transferido para o presidente Donald Trump a responsabilidade por um fim de ano de alegria nos mercados americanos. Trump vai realizar negociações comerciais com a China neste fim de semana no encontro de G-20 e o resultado dessa conversa passaria a ser mais determinante para o andamento dos mercados do que a postura do Fed. Seria esse mais um viés de confirmação ou mais uma deliciosa teoria da conspiração?

Compartilhe

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: inflação no mundo e atividade no Brasil são os destaques da semana

11 de setembro de 2022 - 8:06

A inflação medida pelo IPCA é o principal dado da agenda econômica local; no exterior, atenção para o BCE e os juros da zona do euro

DEU RUIM!

Powell derruba as bolsas mundo afora ao dar um alerta que o mercado não queria ouvir — veja o recado do presidente do Fed em Jackson Hole

26 de agosto de 2022 - 12:26

O tão aguardado discurso do chefão do maior banco central do mundo aconteceu depois da divulgação de dados que mostraram que a inflação perdeu força nos EUA e, ainda assim, os investidores não gostaram do que ouviram; entenda por quê

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O conclave dos banqueiros centrais vai começar: saiba o que esperar do simpósio de Jackson Hole

23 de agosto de 2022 - 9:17

Foi em Jackson Hole que Jerome Powell previu erroneamente que a inflação nos Estados Unidos seria um fenômeno transitório

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: simpósio de Jackson Hole é destaque; semana também conta com dados de inflação no Brasil e nos EUA

20 de agosto de 2022 - 7:11

O simpósio de Jackson Hole deve trazer sinalizações importantes por parte do Federal Reserve (Fed) quanto ao futuro dos juros no país

A CONTA GOTAS

Fed carrega na tinta da ata e pinta um quadro que o mercado não gostou; entenda

17 de agosto de 2022 - 16:27

Wall Street seguiu operando em queda depois da divulgação do documento, que deixou em aberto os próximos passos que o banco central norte-americano pode adotar

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: ata do Fed, dados de varejo nos EUA e inflação na zona do euro são os destaques da semana

13 de agosto de 2022 - 8:11

A ata da última reunião do Fed é o principal dado da agenda econômica; a inflação ao consumidor (CPI) na Europa também é destaque

FECHAMENTO DO DIA

Máquina de gerar empregos dos EUA passa por cima do S&P 500 — entenda o que atropelou o índice hoje

5 de agosto de 2022 - 17:03

O mercado de trabalho norte-americano adicionou 528.000 novas vagas em julho, superando facilmente uma estimativa da Dow Jones de um aumento de 258.000; a taxa de desemprego fica abaixo do previsto e cai para 3,5%

Expert XP 2022

‘Estou confiante de que teremos uma recessão nos EUA dentro dos próximos 18 meses’, diz ex-secretário do Tesouro americano

4 de agosto de 2022 - 13:10

Lawrence Summers esteve presente na Expert XP 2022, onde fez duras críticas ao Fed e à política monetária dos Estados Unidos.

FECHAMENTO DO DIA

A explosão de ganhos patrocinada pelo Fed: entenda por que o S&P 500, o Nasdaq e o Dow Jones renovaram máximas

27 de julho de 2022 - 17:03

O banco central norte-americano elevou pela segunda vez seguida a taxa de juro em 0,75 ponto percentual, mas calibre do aumento não assustou os investidores em Wall Street

NO FIO DA NAVALHA

Powell fala o que os investidores queriam ouvir — saiba o que o chefe do Fed disse e que fez Wall Street disparar

27 de julho de 2022 - 16:28

O banco central norte-americano anunciou a segunda alta de 0,75 ponto percentual seguida da taxa de juro, mas o mercado não se assustou com o calibre do aperto; entenda o que ajudou as bolsas a subirem

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar