Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2018-12-19T18:48:52-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juro Americano

Banco Central americano sobe juro e acena novas altas

Federal Reserve (Fed) subiu taxa básica para o intervalo entre 2,25% a 2,5% e fez breve mudança de linguagem, falando em monitorar os eventos globais e nos mercados financeiros

19 de dezembro de 2018
17:16 - atualizado às 18:48
Fed banco central americano
Sede do Federal Reserve (Fed) - Imagem: Federal Reserve

O Federal Reserve (Fed), banco central americano, anunciou nova elevação na taxa de juros americana em 0,25 ponto percentual, para o intervalo entre 2,25% a 2,5% ao ano. No comunicado, há uma breve mudança quanto ao aceno de novas elevações.

Em Wall Street, a reação imediata foi negativa, com o Dow Jones, que subia cerca de 1%, passando a recuar 0,06%. Quem também não deve ter gostado nada da decisão foi o presidente americano Donald Trump.

Nem mesmo a entrevista coletiva concedida pelo presidente Jerome Powell logo depois da reunião ajudou a melhorar o clima nas bolsas.

Em entrevista, Powell afirmou que o crescimento de 2019 vai continuar em um bom ritmo, mas que os membros do comitê, levando em consideração a mudança nas condições financeiras e outros eventos, como uma redução no ritmo de crescimento de outras economias globais, reduziram a projeção de altas de juros no ano que vem, de três para duas elevações.

Segundo Powell, a mudança na comunicação e nas projeções do colegiado mostra que o Fed não tem um curso de ações predeterminado, mas sim que leva em consideração o comportamento dos dados (data dependent Fed).

O documento colocou a palavra “some” e “julgar” antes de falar em “novas elevações graduais de juros”. A mudança de linguagem foi discutida na ata da reunião de novembro, quando alguns membros do Fed tinham dito que a atuação deveria ser guiada pelos dados econômicos e suas implicações para o panorama econômico.

Tal avaliação que tenta transmitir a ideia de que não há uma rota predeterminada de atuação, também passou a constar na comunicação, já que ao falar sobre o balanço de riscos, o Fed diz que vai continuar a avaliar os desenvolvimentos globais e nos mercados financeiros e seus impactos no cenário econômico.

Nessa reunião, o Fed também apresenta seu famoso “gráfico de pontos”, que mostrou uma redução na projeção media para o juro de 2019, de 3,1 para 2,9. A taxa de longo prazo caiu de 3% para 2,8%.

Tal mudança também se mostra consistente com a avaliação feita pelo presidente Jerome Powell que  falou que o juro estaria “logo abaixo” ou “just below”, das estimativas para a taxa neutra, no fim de novembro. A previsão de crescimento para 2019 cedeu de 2,5% para 2,3%.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Coluna do jojo

Mercados hoje: Em terra de Copom, quem sobe os juros é rei

Para hoje, além da continuidade da temporada de resultados com pesos pesados – por aqui, esperamos nomes como Gerdau, Banco do Brasil e Petrobras –, mais pesquisas de opinião sobre o sentimento empresarial estão por vir

O melhor do seu dinheiro

O que mexe com seu dinheiro: bolão do Copom na bolsa, novo fundo da Inter, IPO da Raízen e mais

Bem, amigos do Seu Dinheiro. Hoje é dia de decisão! Com o desfalque do diretor Bruno Serra, que testou positivo para a covid-19, o Banco Central entra em campo nesta quarta-feira para definir a taxa básica de juros (Selic). Haja coração! As reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) são para a imprensa econômica o […]

Cliente difícil

Barrada na alfândega: Carne de unidade da BRF não é mais bem vinda na China

País asiático suspende compra de produtos suínos e de aves processados na unidade de Lucas do Rio Verde (MT), alegando problemas no transporte

Esquenta dos Mercados

Pré-mercado: cautela antes da decisão do Copom e risco fiscal devem dividir atenção com balanços do dia

Em meio ao exterior positivo, bolsa brasileira deve lidar com cenário interno de incertezas quanto ao teto de gastos

Preparar para decolagem

Renovação total: Gol faz acordo para adquirir aviões novos; veja os detahes

Presidente da companhia aérea afirma que movimento é uma antecipação à esperada retomada da demanda por viagens após a pandemia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies