Menu
2018-11-08T09:34:30-02:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Bancos

BB tem lucro maior no trimestre, mas cresce menos no crédito que concorrentes

Resultado ficou em R$ 3,402 bilhões, o que representa uma alta de 11,8% em relação ao mesmo período do ano passado e pouco acima da estimativa média dos analistas

8 de novembro de 2018
8:07 - atualizado às 9:34
Fachada do Banco do Brasil
Imagem: Shutterstock

O Banco do Brasil ficou registrou lucro líquido pouco acima das projeções do mercado no terceiro trimestre deste ano. Mas o desempenho no crédito veio bem mais fraco do que os concorrentes.

O resultado ficou em R$ 3,402 bilhões, o que representa uma alta de 11,8% em relação ao mesmo período do ano passado. A estimativa média dos analistas apontava para um lucro de R$ 3,342 bilhões, segundo a Bloomberg.

No último balanço do BB sob a gestão de Paulo Rogério Caffarelli, que deixou o banco neste mês para comandar a Cielo, o banco apresentou rentabilidade de 14,3%.

Trata-se um avanço considerável em relação aos 12,8% do mesmo período ano passado, mas ainda longe da meta de Caffarelli de colocar o retorno do BB no mesmo patamar dos concorrentes privados - todos acima dos 19%.

De janeiro a setembro, o lucro do banco público - sem considerar itens extraordinários - atingiu R$ 9,668 bilhões, uma alta de 22,8%, o que aponta para o ano como um todo um resultado na casa dos R$ 13 bilhões.

E as ações?

Em uma época "normal", o mercado poderia pegar no pé do BB com os números fracos no crédito, apesar do lucro levemente acima das expectativas. Mas nos últimos meses ficou mais difícil prever o comportamento das ações do banco.

Desde o período pré-eleitoral, os investidores têm olhado muito mais para o cenário político do que para o balanço na hora de decidir comprar ou vender ações. Nos últimos 30 dias, desde o resultado do primeiro turno que consolidou o favoritismo de Jair Bolsonaro, os papéis do BB acumulam alta de 16%.

Ontem, por exemplo, o site "Poder 360" divulgou a informação de que a equipe do presidente eleito estuda uma associação do BB com o Bank of America (BofA). Ou seja, qualquer indicação mais firme de uma privatização certamente terá muito mais efeito nas ações do que os resultados do banco.

Crédito devagar

Enquanto não há uma definição sobre o futuro do BB na gestão Bolsonaro, vamos aos números do terceiro trimestre.

Do lado negativo, o grande destaque foi a margem financeira. A linha do balanço onde entram as receitas com o crédito somou R$ 12,578 bilhões, o que representa uma redução de 4,4% na comparação com o terceiro trimestre do ano passado.

A carteira de crédito do banco encerrou setembro em R$ 686 bilhões, um avanço de apenas 0,1% em relação ao saldo de junho deste ano e de 1,4% em 12 meses.

Para efeito de comparação, na média, Bradesco, Itaú e Santander registraram um crescimento médio de 10,4% no crédito em relação ao terceiro trimestre do ano passado.

Junto com o resultado, o BB anunciou que reduziu a estimativa para o resultado da margem financeira no ano para uma queda de 5% a 6,5%. A projeção anterior variava de uma redução de 5% a estabilidade.

Queda nos calotes

Enquanto as receitas com crédito não reagem, do lado das despesas o BB vai bem, obrigado. O custo com provisões para calotes teve uma queda de 37,5% em relação ao terceiro trimestre do ano passado e somou R$ 3,2 bilhões.

O índice de inadimplência acima de 90 dias na carteira do banco foi para 2,83% em setembro. Trata-se de uma redução considerável na comparação com os 3,34% de junho. No terceiro trimestre de 2017, o índice estava em 3,94%.

Contribuiu para a queda, que recolocou a inadimplência no BB abaixo da média do sistema financeiro, a reestruturação da dívida de uma empresa que estava em recuperação judicial, segundo o banco.

Tarifas e despesas

As receitas com tarifas e serviços do BB somaram R$ 6,871 bilhões, uma alta de 4,7% em relação ao terceiro trimestre do ano passado.

O banco também fez um bom trabalho do lado das despesas operacionais e com pessoal, que ficaram estáveis na comparação com os meses de julho a setembro de 2017 e acumulam uma alta de apenas 0,8% nos nove meses deste ano.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Pé no freio

Incertezas políticas e fiscais mantêm estrangeiros cautelosos com o Brasil

Após meses de fuga do capital externo do País, os últimos meses de 2020 mostraram o começo do retorno dos investidores de portfólio, mas o ritmo ainda é insuficiente para reverter a forte saída de dólares do Brasil

Crescimento

Vale (VALE3) prevê investir US$ 2,7 bilhões na região norte até 2024

Companhia pretende ainda investir US$ 5,8 bilhões em 2021, dos quais US$ 1 bilhão serão apenas para expansão

ESTRADA DO FUTURO

Grafeno, urânio e lítio… cuidado com a obsessão de enriquecer com a próxima tecnologia do futuro

O boom de empresas de tecnologia alimenta uma esperança quase ingênua de enriquecer “horrores” descobrindo como esses materiais moldarão o nosso futuro. Vou ser totalmente transparente com você: não gosto da ideia.

Tamanho menor

Zara fecha sete lojas no Brasil em plano de reorganização

O plano da empresa foi traçado em 2020 e, no Brasil, começou ainda no ano passado, com o fechamento de lojas nas cidades de Joinville (SC) e São José dos Campos (SP)

Seu Dinheiro no sábado

A única coisa que Bill Gates não pode comprar

Troca de presidente nos Estados Unidos, início da vacinação para covid no Brasil e comunicado do Banco Central com vocabulário novo. A semana que se encerra trouxe novidades importantes. É bem verdade que também teve notícia velha, daquelas que encontramos todos os dias: disputas políticas entre Jair Bolsonaro e João Dória, caos nos hospitais públicos […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies