Menu
2019-09-02T21:49:43-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Gestão

Seu fundo já é quant e talvez você nem saiba

Uso intensivo de tecnologia na gestão de recursos é tendência irreversível. É isso que faz um fundo quantitativo. O que os difere é a intensidade desse uso

3 de setembro de 2019
5:41 - atualizado às 21:49
fundo quantitativo
Imagem: Shutterstock

Eles fazem parte da paisagem no mercado externo e lideram rankings de rentabilidade com folga no mercado americano. Por aqui, os fundos quantitativos ou quants parecem engatinhar, mas a tendência de crescimento é irreversível.

De fato, muito em breve não fará mais sentido dividir as casas de gestão em quants ou não. Essa é a principal mensagem das conversas que tive com o sócio e gestor da Kadima, Rodrigo Maranhão, e com o sócio e gestor da Giant Steps Capital, Rodrigo Terni.

Antes de apresentar as casas e suas estratégias vamos tentar desmitificar o uso do termo quantitativo. Segundo Maranhão, a ideia básica do modelo é reduzir a discricionariedade. No fundo tradicional a decisão de investimento passa pela interpretação do gestor. No quant, a decisão é tomada de forma sistemática, baseada em regras preestabelecidas.

Terni diz que não gosta do termo “quant”, pois não faz muito sentido fazer esse tipo de divisão. No fim das contas, diz Terni, quant é apenas o uso de tecnologia no processo de gestão. A discussão é o grau de utilização das ferramentas tecnológicas disponíveis na gestão.

“Lá fora, as pessoas já se deram conta de quanto mais tecnologia, melhor o seu resultado. Quanto mais atrasado você estiver, pior será o resultado”, explica Terni.

Volume infindável de dados

Segundo Maranhão, temos um número pequeno de empresas na bolsa com um patamar de liquidez de cerca de US$ 1 milhão. São cerca de 150. Nos Estados Unidos, o número é de 4,5 mil empresas.

Imagine um gestor ou mesmo uma equipe fazer a análise de resultados “no braço”, de forma individualizada. A saída natural é ter uma ferramenta que faça essa “leitura” do balanço de milhares de empresas de forma sistematizada e, dependendo do modelo, escolha quem entra e quem sai do portfólio.

“As casas tradicionais vão ter de abraçar a tecnologia senão serão atropeladas em algum momento”, avalia Maranhão.

Terni lembra que o volume de informações disponíveis cresce de forma exponencial e a tomada de decisão acontece em milésimos de segundo. Exemplo da vida real: um tuíte de Donald Trump e o mundo desaba ou se reconstrói.

“Se você acha que lendo o jornal estará mais informado que um cara que dispõe de uma tecnologia de inteligência artificial, você é muito ingênuo”, diz Terni.

Mas e a genialidade do gestor?

No nosso histórico de fundos e casas de investimento temos personalidades que se destacam pela experiência, genialidade, insight ou sorte mesmo (não se chega a lugar algum sem sorte). E a gestão quant não quer dizer que essas características deixam de ser relevantes.

Na avaliação de Terni, o insight do gestor é extremamente importante, mas sem as ferramentas corretas esse potencial é pouco explorado.

Vamos a um exemplo prático: O gestor acha que todo tuíte de Trump é sinal para compra de dólar. Ele pode simplesmente passar a operar esse trade e ver se tem sucesso ou não. Com a tecnologia disponível, esse mesmo gestor pode pegar todos os tuítes de Trump e fazer inúmeros estudos e simulações e perceber que a estratégia até faz sentido, mas não daria tanto resultado assim.

“O problema é o cara confiar cegamente no insight e não usar a tecnologia para dar suporte. O ser humano tem as ideias, monta teorias, percebe os diferentes sinais do mercado. Mas não posso superestimar o que consigo fazer sozinho. Não faz sentido ter toda essa tecnologia e não usar isso na gestão”, explica Terni.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Ferramenta de diversificação

Enquanto nosso mercado caminha para o inexorável uso da tecnologia, o investidor, que ainda está se acostumando com essa ideia, pode encarar um fundo quant na carteira como uma forma de diversificação em relação às casas puramente discricionárias.

“Olhando a carteira como um todo, resulta em redução de risco. O único almoço de graça que o mercado dá é a diversificação”, diz Maranhão.

Terni também avalia que esse estilo de gestão é uma ferramenta de diversificação, já que a tecnologia dá capacidade de olhar ativos no mundo todo de forma rápida e com diferentes correlações.

As gestoras e seus fundos

Começando pela Kadima, Maranhão nos explica que essa é a gestora quantitativa mais antiga do Brasil, fundada em 2007. A casa tem pouco mais de R$ 1 bilhão sob gestão em seis famílias de fundos.

O principal deles é o Kadima FIC FIM, aberto para o público geral. Há um fundo de maior volatilidade para investidores qualificados, um multimercado com proposta de capturar tendências de longo prazo. Um de ações, o Kadima Equities Master FIA, um long short e dois de Previdência (com Icatu e XP).

Segundo Maranhão, a equipe da Kadima está sempre melhorando seus modelos e algoritmos de investimento, refinando a capacidade de seleção de ativos, tamanho da posição e quando comprar e vender. A Kadima é dedicada a esse modelo de gestão baseado nas pesquisas quantitativas, mas o Maranhão lembra que a experiência do gestor conta e muito no desenho dos produtos.

De acordo com Maranhão, essa abordagem quant serve para qualquer tipo de produto financeiro, até mesmo para crédito e na renda fixa “dá para pensar” em algo ligado ao IMA-B (índice de títulos de renda fixa indexados ao IPCA). Novos produtos devem caminhar por essas linhas.

A Giant Steps é o novo nome da Visia Investimentos, que começou a atuar em 2012, com o fundo Zarathustra, reunindo profissionais com passagem pelo setor financeiro que estavam inconformados com a pouca utilização de tecnologia na gestão. Não por acaso, a meta da casa é se tornar referência em uso de tecnologia na gestão de recursos.

Segundo Terni, a casa está com cerca de R$ 1,3 bilhão sob gestão. “Mas estamos apenas começando. Tem espaço para crescer bastante no curto prazo.”

Os fundos Zarathustra e Darius buscam explorar momentos de irracionalidade nos mercados. Segundo Terni, é como se fosse um radar procurando crises e euforias. Assim, podem passar um tempo “andando de lado até dar uma porrada”. A diferença é o nível de risco que existe entre os dois fundos.

Nos momentos de normalidade, os fundos Sigma e Axis fazem uma análise crítica das informações do mercado, buscando ativos para construção de patrimônio do longo prazo. Segundo Terni, o fundo tem uma carteira balanceada e bastante diversificada. A recomendação de Terni é dividir meio a meio a alocação em cada uma das estratégias.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

reputação melhor

S&P eleva perspectiva de crédito da Petrobras

Agência alterou de estável para positiva a perspectiva dos ratings de todas as entidades corporativas e de infraestrutura cujos níveis de risco são direta ou indiretamente limitados pelo rating soberano

mais próximo do brexit

Boris Johnson vence eleições no Reino Unido

Primeiro-ministro, que havia sucedido Theresa May na missão de liderar o Brexit num movimento interno do Parlamento, agora tem a chancela eleitoral

A Bula do Mercado

Mercado comemora fim das incertezas

Vitória de Boris Johnson nas eleições, abrindo caminho para o Brexit, e progresso em direção a acordo comercial limitado entre EUA e China embalam os mercados

Olhe para eles com carinho

Fundos de investimento podem abrir as portas de uma festa para a qual não te convidaram

Ofertas públicas de ações, debêntures e outros ativos estão bombando, mas boa parte delas não é aberta às pessoas físicas. Mas você pode conseguir pegar carona num fundo de investimento…

INVESTIMENTOS

Suzano anuncia investimentos de R$ 4,4 bilhões em 2020

Além disso, a Suzano vai investir mais R$ 400 milhões em aquisição e/ou formação de terras e florestas

acordo EUA x CHINA

Casa Branca sinaliza que assinará acordo comercial limitado entre EUA e China

Trump se reuniu com importantes assessores econômicos e comerciais por uma hora nesta quinta-feira. A fonte disse que o acordo pode ser confirmado já nesta sexta-feira

INVESTIMENTOS

Para Freitas, decisão da S&P é “excelente” para atrair investimentos

O ministro prevê que a melhora de perspectiva para o Brasil pelas agências de rating vai impulsionar investimentos para as mais de 40 concessões que pretende vender em leilões em 2020

seu dinheiro na sua noite

Café com gosto amargo para a B3

Estive na manhã de hoje em um evento promovido pela bolsa brasileira B3 com advogados, representantes de bancos e da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a xerife do mercado de capitais brasileiro. Com o Ibovespa alcançando mais um recorde hoje, em meio a um volume histórico de ofertas de ações realizadas no mercado brasileiro, 2019 […]

112.199,74 pontos

Copom, S&P e Trump dão força ao mercado e fazem o Ibovespa quebrar novos recordes

Impulsionado pelo corte na Selic, pela visão otimista da S&P em relação ao Brasil e pela perspectiva de acerto entre EUA e China, o Ibovespa rompeu o nível dos 112 mil pontos pela primeira vez

PROBLEMAS NO BALANÇO

Via Varejo confirma fraude contábil, com impacto de até R$ 1,4 bilhão no resultado do 4º trimestre

Segundo o documento, houve manipulação da provisão trabalhista da companhia e diferimento indevido na baixa de ativos e contabilização de passivos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements