Menu
2019-06-13T22:25:52+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Timing

Questão agora é quando teremos as votações da reforma da Previdência

Humor de mercado deve responder à possibilidade de a reforma ser votada antes ou depois do recesso do Congresso

14 de junho de 2019
5:25 - atualizado às 22:25
Plenário Câmara Maia
Ordem do dia na Câmara dos Deputados para discussão e votação de projetos - Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Relatório da reforma da Previdência apresentado. Garantida a meta de mais de R$ 1 trilhão de economia. Resultado tido como positivo ou até mesmo acima do esperado. Agora, a ansiedade é outra: quando o relatório será votado na comissão especial e no plenário da Câmara dos Deputados?

Temos um ponto central e algumas respostas ou possibilidades que devem determinar maior ou menor otimismo do mercado, que está em uma fase muito boa, diga-se de passagem.

No melhor cenário, o texto final será aprovado pela Câmara antes do recesso parlamentar de meados de julho. No cenário menos agradável, o texto só começa a ser debatido em plenário em agosto. Terceira possibilidade é de o texto não passar nem pela comissão especial antes do fim do semestre legislativo. Quarta, mas pouco provável, é de não termos recesso na Câmara.

Além dessa questão do timing, os motivos de eventuais atrasos podem ser mais ou menos tolerados pelos formadores de preço. Se for por questões regimentais, o humor não azeda tanto. Se for por falta de entendimento com relação aos 308 votos necessários, a situação pode ser outra.

Junto dessas discussões sobre o timing também veremos as articulações sobre a desidratação do relatório proposto. O texto é apresentado com R$ 913 bilhões de “reforma” e mais R$ 217 bilhões de uma alteração no funding do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) via PIS/Pasep. Também tem outros R$ 50 bilhões de tributação maior sobre os bancos.

Ninguém acredita que a reforma passe sem perder uma parte desse trilhão. Fica aberta uma temporada de chutes e aproximações. Em algum momento chega-se a um consenso do “mínimo aceitável” ou nem isso.

Por ora...

Por ora, quem entende do riscado político aqui em Brasília avalia que o texto passa pela comissão, mas não pelo plenário da Câmara até o começo do recesso de julho.

Os motivos recaem mais sobre questões práticas. O debate da matéria começa dia 18 na comissão, mas temos feriado logo no dia 20. Na semana que segue, embora o presidente do colegiado, deputado Marcelo Ramos (PR-AM), tenha falado em fazer três sessões, temos as tradicionais festas juninas, que esvaziam o Congresso.

Além disso, pelo acordo feito com a oposição, todos os parlamentares que se inscreverem poderão falar. A última contagem que vi, tinha 130 deputados, que podem falar entre 10 e 15 minutos. Achou muito? Em tese todos os 513 podem se inscrever.

O acordo é o seguinte: a oposição não obstrui a votação (lembram da CCJ?) e o governo não pede encerramento de discussão (o que acelera a votação). Vamos ver quantos dias isso dura.

Mesmo que passe na comissão, na última semana de junho, o tempo de debates em plenário é outra questão. Amigo da política lembrou que quando Lula fez sua reforma, as discussões se arrastaram por duas semanas e meia no plenário, mesmo com toda base e "articulação" da época.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

E na política?

Ponto relevante no lado político foi a fala do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, na quarta-feira, ao lado de líderes de partidos de centro: “o texto é uma construção da Câmara, do que nós, líderes partidários, construímos ao longo dos últimos meses”.

Maia chamou a articulação e a responsabilidade para si e convocou dos deputados e deputadas a obterem os 308 votos necessários. A declaração dele deixa o governo de fora da articulação política. Aliás, Maia fez apenas uma ressalva a Paulo Guedes, “um dos poucos ministros do governo que dialoga com o Parlamento, que ouve e tenta colaborar nesse diálogo”.

Acontece que o presidente da Câmara tem um hedge (proteção) caso as coisas deem errado. Ele pode garantir os 25 votos da comissão e falar que o plenário, dependendo da contagem extraoficial de votos, não é problema dele ou só dele.

Para encerrar, ao comentar com um amigo com larga experiência no mercado essa questão dos prazos e afins, ele me falou o seguinte: “pequenos probleminhas podem passar despercebidos”.

O mercado já “comprou” a ideia de que uma reforma vai passar, não importa muito quando, nem de quanto, desde que não seja algo decepcionante.

A ideia no mercado parece ser de que teremos algum tipo de governabilidade de uma forma ou de outra. Cenário que teria se cristalizado depois do pacto entre os Poderes, que aliás, está com sua assinatura atrasada. É a Política, estúpido.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Economia aquecida?

Empresários esperam queda na inadimplência e mais investimentos até o fim do ano

Pesquisa também mostra que 55% das empresas têm a intenção de aportar recursos em novos produtos e serviços, 53% querem dar um upgrade tecnológico e 46% capacitar seus profissionais

Seu Dinheiro na sua noite

O elefante na loja de cristais dos mercados

No seu livro Princípios – leitura obrigatória (ao lado do meu romance Os Jogadores, é claro…) –, Ray Dalio afirma que o importante para quem investe não é prever o futuro, mas captar mudanças no ambiente econômico enquanto elas estão acontecendo. O bilionário gestor do maior “hedge fund” do mundo sabe que é natural os […]

Sete blocos envolvidos

MPF entra com ação para impedir leilão de petróleo ao lado de Abrolhos

MPF na Bahia sustenta que blocos não deveriam ir a leilão sem os devidos estudos ambientais prévios

Papel passado

Bolsonaro sanciona com vetos MP da liberdade econômica

Presidente disse durante a cerimônia de sanção que o governo avalia projeto para incentivar a abertura de empresas

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: A Selic caiu novamente. E agora, como ficam os seus investimentos?

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

A grana tá solta

Governo libera R$ 12,459 bilhões do Orçamento de 2019 e educação leva a maior fatia do bolo

Parte desse dinheiro não poderá ser distribuída livremente já que, do total, R$ 2,6 bilhões vêm das receitas recuperadas por meio da Operação Lava Jato

Tesourada no governo também

Ministério da Economia corta projeção da Selic em 2019 de 6,2% para 5,9%

Projeção para o câmbio médio deste ano passou de R$ 3,8 para R$ 3,9. Já a estimativa para a alta da massa salarial passou de 5,5% para 4,9%

Meio ambiente em jogo

Amazon entra na onda verde e assina acordo ambicioso para combater mudanças climáticas

Como parte do plano, Bezos disse ainda que vai adquirir 100 mil vans de entregas elétricas da startup de veículos elétricos Rivian e que elas vão começar a rodar a partir de 2021

O céu é o limite?

Ações da Braskem disparam na bolsa após notícias sobre venda pela Odebrecht

Construtora teria recontratado a empresa Lazard para dar continuidade às negociações de venda da sua participação na Braskem

Nova tecnologia

Tim prepara novos polos de testes do 5G no Brasil

“Queremos disponibilizar a tecnologia o quanto antes para que os desenvolvedores comecem a projetar aplicações. Quando o 5G chegar, elas já estarão disponíveis”, explicou, em entrevista ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements