Menu
2019-10-11T18:02:56+00:00
O foco é outro

Presidente do Bradesco diz não ter medo das fintechs, mas das big techs

Octávio de Lazari defendeu a existência de uma tarifa entre os players atuantes do open banking, sistema que permitirá o compartilhamento dos dados dos clientes

11 de outubro de 2019
15:52 - atualizado às 18:02
Octavio de Lazari, presidente do Bradesco
Imagem: Divulgação CIAB

O presidente do Bradesco, Octávio de Lazari, afirmou que não tem medo das fintechs, mas das big techs como Amazon, Apple e Google. "Imagine um desses entrando no mercado e, com os milhões de clientes que esses casas têm, acessando os sistemas dos bancos? O sistema trava. Não há tecnologia que suporte", alertou ele, durante o Fórum de Investimentos Brasil 2019.

Nesse contexto, ele defendeu a existência de uma tarifa entre os players atuantes do open banking, sistema que permitirá o compartilhamento dos dados dos clientes. "É preciso ter cuidado para evitar dissabores e tarifas. Temos de corrigir assimetrias de informação. Tudo o que é de graça não é valorizado", enfatizou Lazari.

Quanto à possibilidade da cobrança de tarifas aos participantes do open banking, o sócio fundador do Nubank, David Vélez, ficou ao lado do concorrente Bradesco. De acordo com o executivo, se as big techs obtiverem informações junto à base dos grandes bancos, o inverso também tem de valer. "Os grandes bancos também têm de conseguir ter acesso à base de dados das big techs. É uma questão de reciprocidade", acrescentou.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Segundo Vélez, o Nubank apoia a cobrança de uma tarifa no âmbito do sistema de open banking. Ele ponderou, contudo, a necessidade de esse custo ser apropriado de modo que não inviabilize o novo instrumento no Brasil.

"Nós temos um baixo custo, não temos agência. Os grandes bancos têm um custo mais alto por conta do legado que possuem, mas não são os outros players que têm de pagar por isso", exemplificou.

Questionado pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, o presidente do Bradesco explicou que o banco é a favor de uma tarifa que garanta o bom funcionamento do open banking e que não o inviabilize. Sobre a possibilidade de repasse desse custo para o consumidor, ele disse que isso não será possível em um ambiente de maior concorrência no Brasil.

"Se eu repassar esse custo para meu cliente e o concorrente não, eu posso perder meu cliente", avaliou Lazari.

Para o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, a cobrança de tarifas para players terem acesso a informações de clientes no sistema de open banking é um tema importante. O ponto, conforme ele, ainda está em discussão e não há uma definição a respeito. Não se sabe, por exemplo, o tamanho de uma eventual tarifa e se mudaria dependendo do player.

Campos Neto destacou ainda que o tema da reciprocidade e da proteção de dados também merece atenção no sistema de open banking e, por tanto, o regulador está debruçado numa regulação predeterminada para evitar que experiências ruins aconteçam. "Ter algum vazamento de dados pode fazer com que o open banking perca credibilidade antes de nascer", avaliou.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Entrevista

Com juro baixo “estrutural”, Paineiras está otimista com bolsa e título de longo prazo

Gestora que tem 12 anos de história avalia que Selic baixa veio para ficar e que dólar acima de R$ 4 não é impeditivo para valorização do Ibovespa

A Bula do Mercado

Mercado olha para o que vem depois da Previdência

Investidor confia na agenda econômica positiva, com nova pauta das reformas, leilões e privatizações

Dia histórico?

Novela da Previdência deve acabar hoje com final mais feliz que o esperado

Senado termina de votar emendas pela manhã e texto da reforma vai para o segundo turno de votação à tarde

Seu Dinheiro na sua noite

Um novo recorde na maratona da bolsa

No dia 12 de outubro, o queniano Eliud Kipchoge atingiu uma marca considerada por muito tempo impossível para um ser humano: correr os 42 quilômetros da maratona em menos de duas horas. O campeão olímpico dos Jogos do Rio cruzou a linha de chegada em uma prova não-oficial realizada em Viena, na Áustria, com o […]

Mudanças no funcionalismo público

Maia quer iniciar reforma administrativa até a próxima semana na Câmara

Estratégia traçada pelo presidente da Câmara, porém, ainda depende do aval de lideranças e também da equipe econômica

Só falta um passo

Sem mudanças no radar, conclusão da reforma da Previdência pode se estender até quarta-feira

O texto da reforma que será votado prevê uma economia fiscal de R$ 800 bilhões em dez anos

O poder das redes

Facebook, de Mark Zuckerberg, pega Rússia e Irã tentando intervir nas eleições dos EUA em 2020

Notícia vem em meio a uma ofensiva que a gigante das redes sociais tem feito para combater ataques nas eleições mundo afora

Dinheiro na mão mais cedo

Caixa antecipa saque imediato do FGTS. Tudo será pago em 2019

Calendário de saque para não correntistas que iria até março de 2020 foi antecipado. Assim, todo impacto da liberação, estimada em R$ 40 bilhões, acontecerá em 2019

chegando no gigante asiático

Tesla recebe sinal verde para fabricar veículos na China

Ministério da Indústria da China concedeu à montadora do bilionário Elon Musk a autorização para operar

Negócios da educação

Yduqs ganha nova cara e cresce em quantidade e qualidade com compra da dona do Ibmec

Aquisição de R$ 1,92 bilhões é a maior da história da antiga Estácio Participações, que passa a contar com um total de 680 mil alunos, e coloca as ações da Yduqs entre as maiores altas do Ibovespa. Saiba o que os analistas disseram sobre o negócio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Pular para a barra de ferramentas