Menu
2019-04-05T10:20:02+00:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

Você investe na bolsa brasileira? Então é bom ficar de olho também na bolsa americana! Entenda por quê

O Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, costuma acompanhar as bolsas americanas, e isso não é mera coincidência; o que acontece lá fora afeta diretamente o seu investimento em ações por aqui

15 de março de 2019
5:30 - atualizado às 10:20

O desempenho das bolsas americanas é acompanhado de perto por quem investe na bolsa brasileira, e não é à toa. O Ibovespa, nosso principal índice de ações, costuma acompanhar o desempenho do mercado americano, sobretudo do índice S&P500.

Ou seja, se você investe ou pretende investir na bolsa, deve saber que o que acontece lá fora afeta o seu investimento por aqui. Mas você sabe por que isso acontece? Eu respondo no vídeo a seguir:

Veja a seguir a transcrição do texto do vídeo:

Por que o Ibovespa tende a acompanhar o desempenho das bolsas americanas?

Os mercados do mundo inteiro ficam de olho no sobe e desce das bolsas americanas. E por aqui, o desempenho do nosso Ibovespa, o mais importante índice da bolsa brasileira, tá muito ligado ao que acontece com os índices dos Estados Unidos, principalmente o S&P500. Mas por quê? Desempenho das bolsas americanas: e eu com isso?

O que acontece nas bolsas americanas praticamente determina o destino das nossas ações, e o Ibovespa tende a acompanhar o movimento gringo. Muitas vezes, mesmo um mero soluço lá fora se sobrepõe a acontecimentos importantes no mercado doméstico. A correlação do Ibovespa é especialmente forte com o S&P500, o índice mais representativo da economia dos Estados Unidos.

Não é que a bolsa brasileira não possa se descolar das bolsas americanas. Muitas vezes isso acontece, e por períodos longos de tempo. Mas a verdade é que o mercado de ações brasileiro é super dependente do mercado americano.

Em primeiro lugar, hoje em dia todas as economias do mundo, e consequentemente os seus mercados de ações, tão meio que interligados. Então tudo que acontece em bolsas importantes, principalmente nos países com as maiores economias, influencia o resto do mundo. E como a economia americana é a maior do planeta, a sua influência nas bolsas globais tende a ser mais relevante.

Em segundo lugar, os países emergentes, como o Brasil, são altamente dependentes de capital estrangeiro. E isso não só pra investimentos diretos, na atividade produtiva propriamente dita, mas também no nosso mercado de ações. Cerca de 50% do volume financeiro da B3 tem origem estrangeira.

Uma aversão a risco significativa pode levar os investidores gringos a venderem ações não só em Nova York, mas em vários outros mercados. Especialmente os de maior risco, como o Brasil. Nesse outro vídeo, eu falei, inclusive, sobre por que a alta nos juros americanos tende a tirar recursos estrangeiros do país e derrubar o Ibovespa.

De maneira geral, se as coisas vão mal nos Estados Unidos, a tendência é que a bolsa não consiga subir muito por aqui, mesmo que no Brasil as coisas estejam indo bem. A valorização das nossas ações fica bastante limitada se os gringos resolvem sair do mercado brasileiro ou se relutam a voltar depois de já terem saído.

Gostou do vídeo? Então assine o nosso canal de YouTube e deixe suas dúvidas e sugestões para os próximos vídeos no campo de comentários!

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Mais perto do que se imagina

Sem reformas, País deve violar “regra de ouro” em 2020 e ter recessão, diz OCDE

Organização acredita que não aprovação das reformas resultaria em custos de financiamento mais altos e consequentemente um crescimento mais baixo

A volta da esquerda?

Quatro a cada 10 norte-americanos apoiam o socialismo, diz pesquisa

Levantamento da Gallup mostra que 43% das pessoas acreditam que o socialismo é algo bom para o País, enquanto para 51% ainda é algo ruim; números contrastam com pesquisa de 70 anos atrás

Fraudes em fundos de pensão

Justiça ratifica denúncia de Operação Rizoma contra desvios no Postalis e Serpros

Entre os acusados estão o empresário Milton Lyra, o “operador do MDB”, o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, e o empresário Arthur Mario Pinheiro Machado

Blog da Angela

Grandes fundos emprestaram uma bolada de dinheiro para o governo. Por que isso é ruim?

Patrimônio de fundos sob gestão dos maiores administradores do país está comprometido em 80% com títulos públicos; ações respondem por 3,5% e aplicações no exterior por 0,5% do total

Bateu o pé

Presidente da Comissão Especial reafirma calendário da reforma da Previdência e diz que relatório sai até dia 15

Prazo para apresentação de emendas, que encerraria nesta quinta-feira, 23, deve ser adiado para o dia 30

De olho no gráfico

É hora de comprar Ambev, BB, Petrobras e outras blue chips da Bolsa?

Coluna traz vídeos sobre análise gráfica e dicas de investimentos. Terças e quartas o tema é o mercado de ações. Quinta-feira é a vez das criptomoedas

Aliança ambiciosa

EDP e Engie assinam memorando para criação de joint venture no setor eólico

Em nota, a EDP informa que as duas empresas combinarão seus ativos eólicos offshore e os projetos em desenvolvimento na recém-criada joint venture, que deve estar em operação até o fim de 2019

Câmbio

BC rola mais US$ 1,25 bilhão em leilão linha com compromisso de recompra

Operações foram anunciadas na sexta-feira. Ontem, rolagem também foi de US$ 1,25 bilhão e ainda teremos mais uma operação amanhã

Nada muda (ufa!)

Fitch reafirma rating do Brasil em “BB-“, com perspectiva estável

Nota do País segue limitada pelas fraquezas nas finanças, perspectivas de crescimento fracas, corrupção e um ambiente político turbulento

menos linhas

Mesmo com reformas, texto da Constituição tem de ser reduzido, diz presidente do STF

Para o ministro Dias Toffoli, se forem aumentados números de dispositivos na Constituição, a possibilidade de judicialização das questões é maior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements